Di­rei­ta fran­ce­sa ani­ma dis­pu­ta po­lí­ti­ca

Ven­ce­dor da se­gun­da vol­ta fi­ca bem po­si­ci­o­na­do pa­ra der­ro­tar Le Pen

Jornal de Angola - - MUNDO -

O can­di­da­to fa­vo­ri­to das pri­má­ri­as da di­rei­ta pa­ra a elei­ção pre­si­den­ci­al na Fran­ça, Fran­çois Fillon, en­fren­tou o seu ri­val, Alain Juppé, num “du­e­lo” te­le­vi­si­vo na quin­ta­fei­ra, que, pa­ra mui­tos ana­lis­tas, não al­te­rou a ten­dên­cia de vo­to.

O cli­ma ten­so não foi afas­ta­do du­ran­te a cam­pa­nha e vai, de al­gu­ma ma­nei­ra, mar­car a vo­ta­ção da se­gun­da vol­ta, que de­cor­re ho­je.

O de­sa­fio é de­ci­si­vo pa­ra os dois ex-pri­mei­ros-mi­nis­tros, pois o ven­ce­dor, de acor­do com pes­qui­sas, fi­ca bem po­si­ci­o­na­do pa­ra der­ro­tar a ex­tre­ma-di­rei­ta na se­gun­da vol­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais, em Maio.

Pa­ra re­cu­pe­rar a di­fe­ren­ça, Alain Juppé, com 28,6 por cen­to dos vo­tos na pri­mei­ra vol­ta, ata­cou o seu ad­ver­sá­rio, que ob­te­ve 44 por cen­to, a tal pon­to que mui­tos dos seus apoi­an­tes pe­di­ram o fim das hos­ti­li­da­des.

“Nós cru­za­mos a li­nha ver­me­lha quan­do em­pre­ga­mos um vo­ca­bu­lá­rio ca­ri­ca­to uti­li­za­do pela es­quer­da quan­do nos ata­ca. Eu di­go ‘stop’(pa­re). Com­pe­ti­ção sim, não di­vi­são”, de­cla­rou Lau­rent Wau­qui­ez, pre­si­den­te in­te­ri­no do par­ti­do Re­pu­bli­ca­nos, ao qual per­ten­cem os dois can­di­da­tos. Mais de 200 par­la­men­ta­res de di­rei­ta e cen­tro pe­di­ram um de­ba­te fran­co, mas res­pei­to. O por­ta-voz de Alain Juppé, Be­noist Ap­pa­ru, de­nun­ci­ou a ten­são po­lí­ti­ca da cam­pa­nha da se­gun­da vol­ta.

Alain Juppé, de 71 anos, “dis­pa­rou” pa­ra to­do o la­do. Che­gou a pe­dir ao seu opo­si­tor, de 62 anos, pa­ra jus­ti­fi­car as su­as po­si­ções so­bre o abor­to e cri­ti­cou a vi­são ex­tre­ma­men­te tra­di­ci­o­na­lis­ta, se não um pou­co re­tró­gra­da da so­ci­e­da­de fran­ce­sa. O pré-can­di­da­to ques­ti­o­nou ain­da a cre­di­bi­li­da­de do seu pro­gra­ma ul­tra-li­be­ral, que pre­vê a eli­mi­na­ção de 500.000 em­pre­gos no sec­tor pú­bli­co. Tam­bém cri­ti­cou a “com­pla­cên­cia ex­ces­si­va” em re­la­ção ao Pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin.

Mais re­li­gião que Eu­ro­pa

“Eu nun­ca te­ria pen­sa­do que o meu ami­go Alain Juppé fos­se tão bai­xo”, re­a­giu Fran­çois Fillon. “Eu sou gaul­lis­ta, de di­rei­ta, is­so é tu­do. Não há ne­nhu­ma ra­zão pa­ra an­dar na som­bra”, in­sis­tiu, em de­cla­ra­ções ao jor­nal “Le Fi­ga­ro”.

Com có­mo­da van­ta­gem, o ex-Pri­mei­ro-Mi­nis­tro do en­tão Pre­si­den­te Ni­co­las Sar­kozy, que lhe deu apoio de­pois de ser der­ro­ta­do na pri­mei­ra vol­ta das pré­vi­as, des­va­lo­ri­zou as crí­ti­cas e co­lo­cou o ri­val no “mi­cro-cos­mo” que acre­di­ta fa­lar em no­me do po­vo fran­cês.

Alain Juppé re­jei­tou as acu­sa­ções de bru­ta­li­da­de du­ran­te o de­ba­te de quin­ta-fei­ra no mes­mo jor­nal. “O que é bru­tal ho­je é o de­sem­pre­go, a in­se­gu­ran­ça, a po­bre­za que es­tá a au­men­tar, são os ata­ques ter­ro­ris­tas. Eu te­nho um pro­jec­to re­don­do, ca­paz de re­a­bi­li­tar o país”, re­al­çou.

Ca­tó­li­co con­vic­to, que fa­la da sua fé pes­so­al e con­vic­ções re­li­gi­o­sas, Fran­çois Fillon tam­bém rei­vin­di­ca as su­as po­si­ções so­bre a fa­mí­lia, um va­lor que qu­er co­lo­car no cen­tro da po­lí­ti­ca pú­bli­ca. Alain Juppé, no en­tan­to, re­pli­cou. “Eu sou mais pró­xi­mo das pa­la­vras do Pa­pa Fran­cis­co que da Ma­ni­fes­ta­ção pa­ra To­dos”, a as­so­ci­a­ção que mo­bi­li­zou cen­te­nas de mi­lha­res de pes­so­as con­tra a lei do ca­sa­men­to ho­mos­se­xu­al, apro­va­da em 2013, ga­ran­tiu. “O sen­so co­mum é a ema­na­ção po­lí­ti­ca da Ma­nif”, re­a­giu Fran­çois Fillon.

Es­te ata­que de re­li­gi­o­si­da­de, que é ra­ro na po­lí­ti­ca fran­ce­sa, sur­pre­en­deu o Pre­si­den­te da Co­mis­são Eu­ro­peia, Je­an-Clau­de Junc­ker. Em en­tre­vis­ta a um “si­te” in­for­ma­ti­vo, Je­an-Clau­de Junc­ker con­si­de­rou “bas­tan­te cu­ri­o­so, num país que atri­bui gran­de im­por­tân­cia ao se­cu­la­ris­mo, que a re­li­gião se­ja um fac­tor de de­ba­te. Fa­la­mos mais de re­li­gião do que da Eu­ro­pa. É bom si­nal? Eu du­vi­do”.

AFP

Cam­pa­nha pa­ra a es­co­lha do can­di­da­to da di­rei­ta às pre­si­den­ci­ais do pró­xi­mo ano te­ve ca­sos de vi­o­lên­cia ver­bal en­tre os con­cor­ren­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.