No­va lei es­ti­mu­la in­ves­ti­men­to pri­va­do

IDE EM AN­GO­LA In­ves­ti­ga­do­ra de­fen­de me­lhor apro­vei­ta­men­to do Cor­re­dor do Lo­bi­to

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

An­go­la me­lho­rou, com a no­va Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do, as con­di­ções pa­ra es­ti­mu­lar o in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­rio à di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, mas de­ve apro­fun­dar re­for­mas e apro­vei­tar me­lhor as in­fra-es­tru­tu­ras, co­mo o Cor­re­dor do Lo­bi­to, afir­ma a in­ves­ti­ga­do­ra Áu­rea Mou­zi­nho.

No re­cen­te es­tu­do in­ti­tu­la­do “Per­ce­ber o pa­no­ra­ma re­gu­la­tó­rio do IDE em An­go­la”, a car­go do Ins­ti­tu­to Sul-Afri­ca­no de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais (SAIIA), Áu­rea Mou­zi­nho afir­ma que as re­for­mas in­tro­du­zi­das pela no­va lei “sim­pli­fi­ca­ram subs­tan­ci­al­men­te os pro­ce­di­men­tos de in­ves­ti­men­to as­so­ci­a­dos à re­pa­tri­a­ção de ca­pi­tais e ao re­gi­me de be­ne­fí­ci­os fis­cais”.

“Es­tas me­lho­ri­as são de gran­de im­por­tân­cia, uma vez que au­men­tam a im­par­ci­a­li­da­de do re­gi­me de in­ves­ti­men­to pri­va­do. No en­tan­to, res­ta ver co­mo os no­vos re­gu­la­men­tos de apli­ca­ção irão fun­ci­o­nar na prá­ti­ca e, em par­ti­cu­lar, se es­tas me­di­das le­va­rão a uma sig­ni­fi­ca­ti­va re­du­ção da bu­ro­cra­cia e da mo­ro­si­da­de no pro­ces­so de au­to­ri­za­ção de in­ves­ti­men­to”, adi­an­ta.

Pa­ra Áu­rea Mou­zi­nho, a me­lho­ria da le­gis­la­ção de­ve vir a par de “re­for­mas ins­ti­tu­ci­o­nais de gran­de en­ver­ga­du­ra, no­me­a­da­men­te em ter­mos de trans­pa­rên­cia, ges­tão fis­cal e Es­ta­do de di­rei­to.”

A mais re­cen­te edi­ção do es­tu­do “Doing Bu­si­ness” do Ban­co Mun­di­al no­ta que An­go­la fa­ci­li­tou o ca­pi­tal mí­ni­mo re­que­ri­do pa­ra a cons­ti­tui­ção de uma em­pre­sa e re­du­ziu im­pos­tos, além dos im­pos­tos so­bre o tra­ba­lho e so­bre lu­cros, mas no ge­ral man­tém o país nas úl­ti­mas po­si­ções da ta­be­la (182.º em 190 paí­ses).

A no­va ver­são da Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do, en­tre ou­tras re­for­mas re­le­van­tes, con­si­de­ra uma em­pre­sa “an­go­la­na” se es­ta ti­ver se­de no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e se 51 por cen­to ou mais do seu ca­pi­tal so­ci­al for de­ti­do por an­go­la­nos, além de ins­ti­tuir re­qui­si­tos de par­ce­ria obri­ga­tó­ria com ci­da­dãos, em­pre­sas pú­bli­cas ou em­pre­sas pri­va­das na­ci­o­nais pa­ra in­ves­ti­men­tos nos sec­to­res de ener­gia e água, trans­por­tes e lo­gís­ti­ca e cons­tru­ção ci­vil, en­tre ou­tros.

Os só­ci­os an­go­la­nos de­vem de­ter, pe­lo me­nos, 35 por cen­to do ca­pi­tal e to­mar par­te efec­ti­va na ges­tão da so­ci­e­da­de, con­for­me pre­vis­to no acor­do de ac­ci­o­nis­tas.

A res­pon­sa­bi­li­da­de pela pro­mo­ção do in­ves­ti­men­to pri­va­do foi atri­buí­da à Agên­cia An­go­la­na de Pro­mo­ção de In­ves­ti­men­tos e Ex­por­ta­ções, re­cen­te­men­te fun­da­da. Após a apro­va­ção da no­va lei, o Go­ver­no to­mou pro­vi­dên­ci­as pa­ra a cri­a­ção de de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais es­pe­ci­ais e uni­da­des do go­ver­no pro­vin­ci­al pa­ra apoi­ar e acom­pa­nhar o pro­ces­so de in­ves­ti­men­to.

“Se os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais es­pe­ci­ais aju­da­rão efec­ti­va­men­te a re­du­zir a bu­ro­cra­cia e mo­ro­si­da­de no pro­ces­so de in­ves­ti­men­to de­pen­de­rá, a lon­go pra­zo, da ca­pa­ci­da­de do Go­ver­no pa­ra co­or­de­nar ac­ti­vi­da­des e acom­pa­nhar o de­sem­pe­nho dos di­ver­sos ór­gãos”, afir­ma Áu­rea Mou­zi­nho.

Pa­ra a in­ves­ti­ga­do­ra, ou­tro fac­tor a fa­vor do Go­ver­no pa­ra me­lho­rar a ca­pa­ci­da­de de atrac­ção da eco­no­mia an­go­la­na co­mo pon­to de aces­so aos mer­ca­dos re­gi­o­nais é o apro­vei­ta­men­to de in­fra-es­tru­tu­ras co­mo o Cor­re­dor de Trans­por­tes do Lo­bi­to, re­a­ber­to em 2013 de­pois de re­cons­truí­do com fi­nan­ci­a­men­to da Chi­na. Tra­ta-se de “uma via par­ti­cu­lar­men­te im­por­tan­te pa­ra o con­se­guir, uma vez que já es­tá ins­ta­la­da”, fri­sou.

“O Cor­re­dor do Lo­bi­to é de gran­de im­por­tân­cia es­tra­té­gi­ca pa­ra a eco­no­mia an­go­la­na. (…) A re­cons­tru­ção do ca­mi­nho-de-fer­ro, por si só, apoi­ou o apa­re­ci­men­to de cen­tros co­mer­ci­ais in­ter­me­diá­ri­os que atra­em pe­que­nos co­mer­ci­an­tes e ope­ra­do­res de trans­por­tes in­for­mais. Há tam­bém am­plas opor­tu­ni­da­des pa­ra usar a mão-de-obra lo­cal”, lê-se no es­tu­do.

“O Cor­re­dor do Lo­bi­to atra­ves­sa cer­ca de 12 mi­lhões a 20 mi­lhões de hec­ta­res de ter­ras ará­veis com po­ten­ci­al de pas­to­reio e fon­tes de água aces­sí­veis”, ain­da por ex­plo­rar. De acor­do com o es­tu­do, en­tre 2013 e Maio de 2015, os pro­jec­tos de car­vão, pe­tró­leo e gás na­tu­ral fo­ram, de lon­ge, os mai­o­res re­cep­to­res de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, no va­lor de 65,576 mil mi­lhões de dó­la­res, re­pre­sen­tan­do 87,27 por cen­to do to­tal.

Se­guem-se o sec­tor imo­bi­liá­rio, com 4,138 mil mi­lhões de dó­la­res, ser­vi­ços fi­nan­cei­ros, com 1,242 mil mi­lhões, e ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, com 1,197 mil mi­lhões de dó­la­res.

JOÃO GOMES

Mer­ca­do na­ci­o­nal me­lho­rou a ca­pa­ci­da­de de atrac­ção de ca­pi­tal es­tran­gei­ro nos úl­ti­mos anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.