Edu­ca­ção bus­ca so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas do sec­tor

JORNADAS CIENTÍFICO-PEDAGÓGICAS EM BEN­GUE­LA Ob­jec­ti­vo do en­con­tro é me­lho­rar o pro­ces­so de en­si­no e apren­di­za­gem na re­gião

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JESUS SIL­VA |

Os pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com o sis­te­ma de en­si­no e apren­di­za­gem nos di­fe­ren­tes ní­veis de es­co­la­ri­da­de a ní­vel da pro­vín­cia de Ben­gue­la vão co­nhe­cer so­lu­ções mais efi­ca­zes, em bre­ve, quan­do fo­rem apli­ca­dos co­nhe­ci­men­tos dis­cu­ti­dos nas jornadas científico-pedagógicas da edu­ca­ção, edi­ção 2016.

As jornadas, re­a­li­za­das pela Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, em co­la­bo­ra­ção com o Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção (Is­ced), vi­sam pro­mo­ver a co­o­pe­ra­ção, in­ter­câm­bio de ex­pe­ri­ên­ci­as, prá­ti­cas sus­ten­tá­veis e trans­fe­rên­cia de co­nhe­ci­men­tos en­tre do­cen­tes.

Sob o le­ma “Pela qua­li­fi­ca­ção do pro­fes­sor, ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel de An­go­la”, in­ves­ti­ga­do­res (pro­fis­si­o­nais li­ga­dos à Edu­ca­ção e a ou­tras áre­as do sa­ber), es­tu­dan­tes e so­ci­e­da­de ci­vil reu­ni­ram pa­ra dar res­pos­ta à ne­ces­si­da­de de con­tri­buir-se pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to edu­ca­ti­vo, so­ci­al e par­ti­ci­pa­ti­vo so­bre a ba­se do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel nu­ma pers­pec­ti­va lo­cal.

Na ac­ti­vi­da­de, de­fen­deu-se a ne­ces­si­da­de de in­ter­câm­bio en­tre os pro­fis­si­o­nais do sec­tor e de en­con­trar vi­as pa­ra a in­tro­du­ção de re­sul­ta­dos científico-pe­da­gó­gi­cos com um ca­rác­ter ter­ri­to­ri­al e in­te­gral, que se­jam con­ce­bi­dos com fle­xi­bi­li­da­de pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des, pri­o­ri­da­des e par­ti­cu­la­ri­da­des de Ben­gue­la.

As jornadas fo­ram or­ga­ni­za­das por áre­as te­má­ti­cas re­la­ci­o­na­das com a “For­ma­ção de pro­fes­so­res e pro­ces­so edu­ca­ci­o­nal”, “Ava­li­a­ção das apren­di­za­gens e ava­li­a­ção ins­ti­tu­ci­o­nal” e “Tri­lo­gia: es­co­la, fa­mí­lia e co­mu­ni­da­de, com o ob­jec­ti­vo de dar vi­si­bi­li­da­de aos as­pec­tos con­tem­po­râ­ne­os re­la­ci­o­na­dos com a ac­tu­a­ção dos pro­fis­si­o­nais da Edu­ca­ção”. Os par­ti­ci­pan­tes abor­da­ram ain­da te­mas que têm a ver com os “De­sa­fi­os ac­tu­ais na área edu­ca­ci­o­nal ma­ni­fes­ta­dos no quo­ti­di­a­no es­co­lar ben­gue­len­se”, “Par­ti­lha de di­fe­ren­tes con­cep­ções ci­en­tí­fi­cas que se ocu­pam de es­tu­dos e pes­qui­sas so­bre a Edu­ca­ção”, “Ges­tão edu­ca­ti­va” e “Aná­li­se e de­sen­vol­vi­men­to de li­nhas de ori­en­ta­ção cur­ri­cu­lar ino­va­do­ras”.

O director pro­vin­ci­al em exer­cí­cio da Edu­ca­ção, em Ben­gue­la, Ade­li­no Ses­sa, re­fe­riu que as jornadas ci­en­tí­fi­cas vão res­pon­der às pre­o­cu­pa­ções le­gí­ti­mas da pro­ble­má­ti­ca do sec­tor na pro­vín­cia, daí acre­di­tar que os mes­mos vão pro­du­zir re­sul­ta­dos que mu­da­rão o pa­ra­dig­ma de ges­tão e de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­rio.

Ade­li­no Ses­sa ex­pli­cou que as jornadas científico-pedagógicas ser­vem pa­ra sen­si­bi­li­zar a po­pu­la­ção aca­dé­mi­ca so­bre o im­pac­to da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e trans­fe­rir co­nhe­ci­men­tos so­bre o tra­ba­lho de vá­ri­as ma­té­ri­as de en­si­no pa­ra a so­ci­e­da­de.

O director con­si­de­rou que o sec­tor da Edu­ca­ção, as­sim co­mo o Is­ced/Ben­gue­la se têm em­pe­nha­do na for­ma­ção de téc­ni­cos ca­da vez mais qua­li­fi­ca­dos, bem co­mo na im­ple­men­ta­ção de pro­gra­mas cur­ri­cu­la­res e de ava­li­a­ção aca­dé­mi­ca efi­ca­zes.

Ape­sar des­tes avan­ços, dis­se que ain­da há mui­tos as­pec­tos que de­vem ser me­lho­ra­dos, ra­zão pela qual as du­as ins­ti­tui­ções vão con­ti­nu­ar de mãos da­das na apos­ta de um tra­ba­lho de ex­ce­lên­cia, ul­tra­pas­san­do os even­tu­ais de­sa­fi­os que sur­gi­rem.

Es­te tra­ba­lho, sa­li­en­tou Ade­li­no Ses­sa, é uma ta­re­fa en­tre­gue às cá­te­dras, às zo­nas de in­fluên­cia pe­da­gó­gi­ca, on­de os pro­fes­so­res de­vem cul­ti­var o es­pí­ri­to de in­ves­ti­ga­ção e par­ti­lha rei­te­ra­da de co­nhe­ci­men­tos.

O res­pon­sá­vel pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção em Ben­gue­la afir­mou que “os pro­fes­so­res não de­vem in­ves­ti­gar ape­nas quan­do es­tão em fa­se de pre­pa­ra­ção das mo­no­gra­fi­as ou ou­tros tra­ba­lhos de fim de cur­so, uma vez que a in­ves­ti­ga­ção é con­tí­nua e de­ve ser­vir pa­ra a me­lho­ria das su­as au­las.”

NILO MATEUS

Pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com o sis­te­ma de en­si­no e apren­di­za­gem nos di­fe­ren­tes ní­veis de es­co­la­ri­da­de po­dem ser mi­ni­mi­za­dos em bre­ve

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.