Mais de no­ven­ta mil es­tão em tra­ta­men­to

Mar­cha de so­li­da­ri­e­da­de com os por­ta­do­res foi re­a­li­za­da on­tem em Lu­an­da

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - AMILDA TIBÉRIA |

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Saú­de, Eleu­té­rio Hi­vi­likwa, deu a co­nhe­cer on­tem, em Lu­an­da, na mar­cha de so­li­da­ri­e­da­de com as pes­so­as por­ta­do­ras da do­en­ça, que a pre­va­lên­cia no país do VIHSi­da é de 2,4 por cen­to e que mais de 90 mil pes­so­as es­tão em tra­ta­men­to com an­ti-re­tro­vi­rais.

“Mas há mui­tos de­sa­fi­os a se­rem su­pe­ra­dos. Os re­cur­sos nun­ca são su­fi­ci­en­tes pa­ra to­dos os pla­nos que de­se­ja­mos exe­cu­tar, prin­ci­pal­men­te em pe­río­do de cri­se mun­di­al”, dis­se. Hi­vi­likwa su­bli­nhou igual­men­te a su­pe­ra­ção da de­si­gual­da­de de gé­ne­ro, que tor­na as mu­lhe­res vul­ne­rá­veis à vi­o­lên­cia, ao de­sem­pre­go, à po­bre­za e à fal­ta de in­for­ma­ção e for­ma­ção.

“Pro­cu­ra­mos des­per­tar a no­va ge­ra­ção que não vi­veu os pi­o­res mo­men­tos da epidemia pa­ra a cons­ci­ên­cia de que, ape­sar de ser ac­tu­al­men­te uma do­en­ça que tem tra­ta­men­to e que é pos­sí­vel vi­ver bem com ela, ain­da não exis­te cu­ra e o me­lhor re­mé­dio é evi­tar a in­fec­ção”, sa­li­en­tou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Saú­de. Usar o pre­ser­va­ti­vo nas re­la­ções se­xu­ais oca­si­o­nais, co­nhe­cer o pró­prio es­ta­do se­ro­ló­gi­co e ade­rir ao tra­ta­men­to com an­ti-re­tro­vi­rais “le­va-nos a cum­prir as me­tas que dão fim ao Sida co­mo pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca em 2030”.

To­dos os avan­ços que a ci­ên­cia pro­por­ci­o­nou em re­la­ção ao com­ba­te à epidemia do VIH-Sida de­vem ser aces­sí­veis a to­dos. “Pre­ci­sa­mos de ga­ran­tir que os di­rei­tos hu­ma­nos se­jam res­pei­ta­dos, que não ha­ja dis­cri­mi­na­ção de qual­quer na­tu­re­za e que te­nha­mos um mun­do com mai­or jus­ti­ça so­ci­al”, dis­se. O Exe­cu­ti­vo dá pri­o­ri­da­de às ac­ções in­ter­sec­to­ri­ais de pre­ven­ção e tra­ta­men­to do VIH-Sida e às par­ce­ri­as ac­ti­vas com os di­ver­sos sec­to­res da so­ci­e­da­de ci­vil e agên­ci­as das Na­ções Uni­das.

A re­pre­sen­tan­te das pes­so­as que vi­vem com VIH-Sida, Ca­ro­li­na Pin­to, dis­se que pa­ra de­ses­pe­ro dos por­ta­do­res da do­en­ça, a si­tu­a­ção ac­tu­al ten­de a pi­o­rar a ca­da dia que pas­sa “por­que exis­te uma es­cas­sez de al­guns an­ti-re­tro­vi­rais e de me­di­ca­men­tos pa­ra com­ba­ter as in­fec­ções de tu­ber­cu­lo­se”.

Se­gun­do afir­mou, “com a es­cas­sez de me­di­ca­men­tos exis­te pou­ca es­pe­ran­ça de vi­da e mui­tos re­cei­os”.

Am­bi­en­te fes­ti­vo

A mar­cha de so­li­da­ri­e­da­de com os por­ta­do­res do VIH-Sida te­ve a par­ti­ci­pa­ção de mi­lha­res de pes­so­as, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vens. De­pois de per­cor­re­rem al­gu­mas das prin­ci­pais ar­té­ri­as da ci­da­de, no­me­a­da­men­te as ave­ni­das Ho­ji-yaHen­da e Ho Chi Mi­nh, os par­ti­ci­pan­tes con­cen­tra­ram-se na Pra­ça da Fa­mí­lia. Em am­bi­en­te de fei­ra, no lo­cal fo­ram mon­ta­das ten­das ape­tre­cha­das com pes­so­al e ma­te­ri­al téc­ni­co pa­ra tes­ta­gem da con­di­ção se­ro­ló­gi­ca dos in­te­res­sa­dos e com ex­po­si­ção de ar­ti­gos pa­ra pre­ven­ção do VIH-Sida, no­me­a­da­men­te ca­mi­si­nhas, pan­fle­tos e ca­mi­so­las es­pe­ci­al­men­te ape­la­ti­vas pa­ra os jo­vens. Bem den­tro do con­tex­to po­lí­ti­co e de ci­da­da­nia do país, es­ta­vam em fun­ci­o­na­men­to vá­ri­os pos­tos de re­gis­to elei­to­ral.

Par­ti­ci­pa­ram na mar­cha re­pre­sen­tan­tes de igre­jas, as­so­ci­a­ções ju­ve­nis, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e mem­bros do cor­po di­plo­má­ti­co e do sis­te­ma das Na­ções Uni­das.

CONTREIRAS PIPAS

A mai­o­ria dos par­ti­ci­pan­tes na mar­cha foi de jo­vens cons­ci­en­tes do seu pa­pel no qua­dro da pre­ven­ção e er­ra­di­ca­ção da do­en­ça no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.