As­sal­tos pre­o­cu­pam os ci­ta­di­nos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - JOÃO LUHACO |

A pas­sa­dei­ra su­pe­ri­or ins­ta­la­da na via ex­pres­so da ci­da­de do Lubango, no pe­rí­me­tro que vai da pon­te da Igre­ja Ima­cu­la­da à des­ci­da da San­ta, a ca­mi­nho do Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal da Mu­can­ca, es­tá ape­li­da­da de “cor­re­dor do in­fer­no”, em de­cor­rên­cia dos per­ma­nen­tes as­sal­tos e ac­tos de van­da­lis­mo.

A si­tu­a­ção, que é mais gra­ve à en­tra­da do an­ti­go mer­ca­do pa­ra­le­lo do Tchi­o­co, tem vin­do a cri­ar sé­ri­os em­ba­ra­ços aos ci­ta­di­nos.

Ma­ria Tu­li­a­te­le­ko, apa­ren­tan­do es­tar na ca­sa dos 30 anos de ida­de, car­re­gan­do de­sa­jei­ta­da­men­te o seu be­bé, cor­ria sem ru­mo, com os olhos chei­os de lá­gri­mas a ex­pres­sar a afli­ção e o pa­vor que a apo­quen­ta­vam. Ela ro­ga­va, aos gri­tos: “agar­ra o ga­tu­no, es­tá a le­var a minha pas­ta, tem lá o di­nhei­ro do ne­gó­cio e do tá­xi”.

In­ter­pe­la­da pela re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la, ela dis­se que vi­ve na se­de mu­ni­ci­pal da Chi­bia e vi­nha ao Lubango com­prar mer­ca­do­ria pa­ra re­ven­der na sua ban­ca­da, a úni­ca al­ter­na­ti­va que tem de so­bre­vi­vên­cia e pa­ra sus­ten­tar os seus qua­tro fi­lhos, que cria so­zi­nha. “Eu es­ta­va a amar­rar o be­bé às cos­tas, o ga­tu­no ti­rou a car­tei­ra que es­ta­va no chão, no meio dos meus pés, foi tu­do mui­to rá­pi­do. A minha vi­da as­sim aca­bou, lá em ca­sa do ne­gó­cio na­da fi­cou e ago­ra nem sei co­mo vou pa­gar o tá­xi pa­ra vol­tar à Chi­bia”, de­sa­ba­fou.

O ido­so Bal­ta­zar Ven­tu­ra, mo­ra­dor da co­mu­na da Huí­la, ten­ta­va am­pa­rar a in­fe­liz mu­lher e de­sa­ba­fou ao Jor­nal de An­go­la que aque­le lo­cal tor­nou-se um au­tên­ti­co “in­fer­no”, com os me­li­an­tes a di­ta­rem as re­gras e nin­guém a to­mar me­di­das.

“Coi­ta­das, as se­nho­ras in­de­fe­sas são as mai­o­res ví­ti­mas.Os la­rá­pi­os mis­tu­ram-se com os pas­sa­gei­ros na ho­ra de su­bir ou des­cer do tá­xi e agil­men­te pu­xam as pas­tas, re­ló­gi­os, jói­as e até as com­pras”, dis­se Bal­ta­zar Ven­tu­ra.

A on­da de as­sal­tos na­que­le es­pa­ço atin­giu tais ní­veis de sa­tu­ra­ção que de se­gun­da a sex­ta-fei­ra os ou­vin­tes en­vi­am men­sa­gens de pre­o­cu­pa­ção aos pro­gra­mas ma­ti­nais das rá­di­os lo­cais. “Os me­li­an­tes com ar­mas bran­cas em pu­nho abor­dam as pes­so­as na pas­sa­dei­ra aé­rea, blo­quei­am o ca­mi­nho e apos­sam-se dos te­le­mó­veis, pas­tas, di­nhei­ro e fi­os de ou­ro. Por fa­vor, es­ta­mos em pe­ri­go, mes­mo com a Es­qua­dra Mó­vel da Po­lí­cia aqui ao la­do, pe­di­mos so­cor­ro.” Es­ta é uma das mui­tas men­sa­gens en­vi­a­das às rá­di­os.

Po­lí­cia ga­ran­te se­gu­ran­ça

O por­ta-voz da Po­lí­cia Na­ci­o­nal na pro­vín­cia da Huí­la, su­pe­rin­ten­den­te-che­fe Pai­va To­más, re­co­nhe­ceu que o fa­mo­so “cor­re­dor do in­fer­no” é uma zo­na “pro­pen­sa à prá­ti­ca cri­mi­no­sa, a qual­quer mo­men­to”.

Os ci­da­dãos es­tão per­ma­nen­te­men­te a quei­xar-se da si­tu­a­ção de cri­mi­na­li­da­de na­que­le cor­re­dor e ga­ran­tiu que a Po­lí­cia já to­mou al­gu­mas me­di­das, a co­me­çar pela ins­ta­la­ção de uma Es­qua­dra Mó­vel.

Pai­va To­más sa­li­en­tou que os ci­da­dãos ví­ti­mas de as­sal­tos que não qui­se­rem di­ri­gir-se à Se­gun­da Es­qua­dra, ba­se­a­da no bair­ro San­to An­tó­nio, de­vem fa­zer a sua quei­xa na Es­qua­dra Mó­vel. Se­gun­do in­for­mou, o efec­ti­vo des­sa es­qua­dra “é fi­xo, não faz o pa­tru­lha­men­to”.

O ofi­ci­al da Po­lí­cia Na­ci­o­nal as­se­gu­rou que o Co­man­do Mu­ni­ci­pal do Lubango vai co­lo­car jun­to à Es­qua­dra Mó­vel uma vi­a­tu­ra de re­ac­ção com os res­pec­ti­vos ho­mens e ou­tros ape­a­dos pa­ra pa­tru­lha­rem a área.

Cri­mes com ar­ma de fo­go

O Co­man­do Pro­vin­ci­al da Po­lí­cia Na­ci­o­nal na Huí­la re­gis­tou seis cri­mes pra­ti­ca­dos com re­cur­so a ar­ma de fo­go, se­gun­do o ba­lan­ço de 15 a 21 de No­vem­bro.

O por­ta-voz da cor­po­ra­ção in­for­mou que no mes­mo pe­río­do seis ar­mas, três car­re­ga­do­res e 33 mu­ni­ções fo­ram en­tre­gues vo­lun­ta­ri­a­men­te por ci­da­dãos nos mu­ni­cí­pi­os da Chi­bia, Lubango, Qui­pun­go, Qui­len­gues e Gam­bos.

A ac­ti­vi­da­de po­li­ci­al per­mi­tiu a apre­en­são de qua­tro ar­mas de di­ver­sos ca­li­bres, sen­do três no mu­ni­cí­pio do Lubango e uma nos Gam­bos. De igual mo­do, fo­ram re­cu­pe­ra­das uma vi­a­tu­ra de mar­ca Toyo­ta Hi­a­ce e qua­tro mo­to­ri­za­das.

Ain­da no pe­río­do em re­fe­rên­cia fo­ram re­gis­ta­dos 84 cri­mes, me­nos 17 em re­la­ção ao pe­río­do an­te­ri­or. Do to­tal de cri­mes, 48 fo­ram es­cla­re­ci­dos e de­ti­dos 75 ci­da­dãos, acu­sa­dos co­mo pre­su­mí­veis pre­va­ri­ca­do­res. O Lubango li­de­ra as es­ta­tís­ti­cas com 34 cri­mes, vin­do lo­go a se­guir o mu­ni­cí­pio da Ma­ta­la, com 12.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.