CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALICE RO­DRI­GUES

Bol­sas de es­tu­do

É bom que o Es­ta­do es­te­ja a con­ce­der bol­sas de es­tu­do in­ter­nas a es­tu­dan­tes an­go­la­nos, para que pos­sam ter­mi­nar os seus cur­sos su­pe­ri­o­res. Há mui­tos jo­vens an­go­la­nos que não têm pos­si­bi­li­da­de de fi­nan­ci­ar os seus es­tu­dos e as bol­sas in­ter­nas que o Es­ta­do con­ce­de po­dem aju­dar a re­sol­ver es­se pro­ble­ma. É de enal­te­cer o fac­to de o nos­so Es­ta­do dar mui­ta im­por­tân­cia à edu­ca­ção. Sem edu­ca­ção não há de­sen­vol­vi­men­to.

MAR­GA­RI­DA JOÃO | Mai­an­ga Li­xo na Bai­xa de Lu­an­da

Te­nho no­ta­do que o li­xo vol­tou a fa­zer mo­ra­da na Bai­xa de Lu­an­da. Há li­xo em pas­sei­os e ar­té­ri­as des­ta zo­na da ci­da­de.

A lim­pe­za na Bai­xa de Lu­an­da já ti­nha me­lho­ra­do mui­to, mas não per­ce­bo ago­ra por que ra­zão se es­tá a acu­mu­lar li­xo nas es­tra­das de uma área no­bre da nos­sa ca­pi­tal.

Gos­ta­va de apro­vei­tar es­te es­pa­ço para ape­lar para o ar­ran­jo dos jar­dins que exis­tem na Bai­xa de Lu­an­da, em par­ti­cu­lar o que es­tá de­fron­te aos Correios de An­go­la.

A Bai­xa de Lu­an­da é uma área mui­to vi­si­ta­da por an­go­la­nos e es­tran­gei­ros. Há nes­sa área mui­tos edi­fí­ci­os his­tó­ri­cos, e era bom que a lim­pe­za nes­ta zo­na fos­se diá­ria.

Eu gos­to mui­to de pas­se­ar pe­la Bai­xa, so­bre­tu­do aos sá­ba­dos e do­min­gos. Por ve­zes, le­vo a pas­se­ar pe­la Bai­xa ami­gos meus de ou­tros paí­ses. Que se fa­çam tra­ba­lhos de re­a­bi­li­ta­ção de pas­sei­os de­gra­da­dos e de eli­mi­na­ção de águas pu­tre­fac­tas na Bai­xa de Lu­an­da. Te­nho es­pe­ran­ça de que as nos­sas au­to­ri­da­des hão-de pres­tar aten­ção a es­tas mi­nhas pre­o­cu­pa­ções.

LÚ­CIA AN­TÓ­NIO| In­gom­bo­ta Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro

Gos­tei do as­pec­to dos se­pa­ra­do­res que exis­tem na Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro. Há al­gum tempo via mui­to ca­pim nes­ses se­pa­ra­do­res, mas ago­ra ve­ri­fi­co que es­tes são bem tra­ta­dos. Já não se vê ca­pim.

Pen­so que se de­via pen­sar ago­ra em se pôr rel­va e plan­tar flo­res nes­ses se­pa­ra­do­res. A Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro, a exem­plo da es­tra­da da Sam­ba, é quan­to a mim uma das me­lho­res ar­té­ri­as da nos­sa ca­pi­tal.

A Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro é uma das ar­té­ri­as com que mui­tos es­tran­gei­ros to­mam con­tac­to lo­go que che­gam a Lu­an­da. Va­mos ar­ru­mar a nos­sa ca­sa para pro­por­ci­o­nar­mos be­las pai­sa­gens não só aos an­go­la­nos, mas tam­bém aos es­tran­gei­ros que nos vi­si­tam cons­tan­te­men­te.

FIGUEIREDO TINO| Ben­fi­ca Re­sí­du­os no chão

É ine­gá­vel que as au­to­ri­da­des que go­ver­nam a pro­vín­cia de Lu­an­da têm fei­to um bom tra­ba­lho ao ní­vel da lim­pe­za da ca­pi­tal do país, ten­do aca­ba­do com as acu­mu­la­ções de li­xo em mui­tas áre­as.

Não gos­tei en­tre­tan­to de ver li­xo acu­mu­la­do nu­ma ar­té­ria do Mor­ro Ben­to em que exis­tem du­as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or, a Uni­ver­si­da­de Gre­gó­rio Se­me­do e o Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co Me­tro­po­li­ta­no.

Era bom que se re­mo­ves­se o li­xo que exis­te nes­sa ar­té­ria, até por­que os re­sí­du­os só­li­dos po­dem vir a di­fi­cul­tar a cir­cu­la­ção de vi­a­tu­ras.

O cu­ri­o­so é que o li­xo é de­po­si­ta­do à vol­ta de um con­ten­tor que lá se en­con­tra, que es­tá qua­se va­zio, o que sig­ni­fi­ca que as pes­so­as que mo­ram nes­sa área pre­fe­rem pu­ra e sim­ples­men­te ati­rar os re­sí­du­os para o chão.

As pes­so­as de­vem de­po­si­tar o li­xo nos con­ten­to­res, para fa­ci­li­tar a ta­re­fa das nos­sas ope­ra­do­ras de lim­pe­za que mui­to têm fei­to para que to­dos nós te­nha­mos um am­bi­en­te sau­dá­vel. In­cen­ti­vo as nos­sas ope­ra­do­ras de lim­pe­za a pros­se­guir o bom tra­ba­lho que têm fei­to em prol das po­pu­la­ções.

A nos­sa ci­da­de ca­pi­tal es­tá a ter um bom as­pec­to, de­pois que o li­xo co­me­çou a ser re­ti­ra­do dos nos­sos bair­ros com ce­le­ri­da­de.

Era bom que nes­te tempo de chu­vas o li­xo não fi­que acu­mu­la­do, para se evi­ta­rem do­en­ças. Os pro­ble­mas de saú­de pú­bli­ca que ti­ve­mos no pas­sa­do deve le­var-nos a to­mar já me­di­das pre­ven­ti­vas para evi­tar­mos ma­les de di­fí­cil re­so­lu­ção. As au­to­ri­da­des, fe­liz­men­te, têm fei­to tu­do para que os ci­da­dãos vi­vam sem li­xo. Que o seu tra­ba­lho se­ja um êxi­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.