Au­men­tam re­ser­vas da ces­ta bá­si­ca

Fi­el Cons­tan­ti­no ga­ran­te ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta e es­ta­bi­li­da­de de pre­ços na qua­dra fes­ti­va

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

O mi­nis­tro do Co­mér­cio afir­mou on­tem que as re­ser­vas de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca atin­gi­ram ní­veis mé­di­os su­pe­ri­o­res aos de há seis me­ses. Os ní­veis mé­di­os de stocks dão ga­ran­ti­as de uma qua­dra fes­ti­va tran­qui­la, se­gun­do Fi­el Cons­tan­ti­no. “Os nos­sos ní­veis mé­di­os de stocks es­tão ho­je mui­to aci­ma dos que tí­nha­mos há seis me­ses, que eram mui­to bai­xos, tam­bém por cau­sa do bai­xo vo­lu­me de pro­du­tos importados”, dis­se o mi­nis­tro em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al da Ci­da­de Al­ta, on­de viu apro­va­da a pro­pos­ta de reestruturação do sector do Co­mér­cio, pe­las co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra a Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros. Ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, a ses­são con­jun­ta das co­mis­sões eco­nó­mi­cas apro­vou o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço do Pla­no de Cai­xa do mês de Ou­tu­bro de 2016, cu­jas des­pe­sas fo­ram exe­cu­ta­das em 92 por cen­to do mon­tan­te pro­gra­ma­do, bem co­mo o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço de Exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do re­fe­ren­te ao ter­cei­ro tri­mes­tre de 2016.

O mi­nis­tro do Co­mér­cio afir­mou on­tem que as re­ser­vas de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca atin­gi­ram ní­veis mé­di­os su­pe­ri­o­res aos de há seis me­ses. Os ní­veis mé­di­os de stocks dão ga­ran­ti­as de uma qua­dra fes­ti­va tran­qui­la, se­gun­do Fi­el Cons­tan­ti­no.

“Os nos­sos ní­veis mé­di­os de stocks es­tão ho­je mui­to aci­ma dos que tí­nha­mos há seis me­ses, que eram mui­to bai­xos, tam­bém por cau­sa do bai­xo vo­lu­me de pro­du­tos importados”, dis­se o mi­nis­tro em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al da Ci­da­de Al­ta, on­de viu apro­va­da a pro­pos­ta de reestruturação do sector do Co­mér­cio, pe­las co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra a Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros.

Fi­el Cons­tan­ti­no su­bli­nhou que o bai­xo vo­lu­me de pro­du­tos importados foi uma das prin­ci­pais cau­sas das di­fi­cul­da­des que se re­gis­ta­ram no mer­ca­do, com al­gu­mas “ten­sões in­fla­ci­o­nis­tas” e “su­bi­das mais ou me­nos de­sor­de­na­das dos pre­ços dos pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca”.

Após te­rem si­do to­ma­das vá­ri­as me­di­das de es­ta­bi­li­za­ção do mer­ca­do, re­fe­riu, é pos­sí­vel no­tar uma cer­ta tran­qui­li­da­de. “Tu­do por­que du­pli­cá­mos o pe­río­do mé­dio de stocks à dis­po­si­ção ac­tu­al­men­te no mer­ca­do e a pers­pec­ti­va é que se man­te­nha, e mais à fren­te, no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, a ex­pec­ta­ti­va é au­men­tar ain­da mais, de mo­do a que te­nha­mos um ano tran­qui­lo no que diz res­pei­to à es­ta­bi­li­za­ção de stocks e de pre­ços”.

Reestruturação do sector

Quan­to à pro­pos­ta de reestruturação do sector do Co­mér­cio, do­cu­men­to que te­ve on­tem “luz ver­de” do Exe­cu­ti­vo, Fi­el Cons­tan­ti­no dis­se que no es­sen­ci­al o que se pre­ten­de é tor­nar o sector “mais eficiente e ca­paz de res­pon­der aos de­sa­fi­os im­pos­tos pe­la no­va con­jun­tu­ra na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal”.

A reestruturação,re­fe­riu, abar­ca a re­vi­são de to­da a ca­deia de va­lor das ac­ti­vi­da­des de co­mér­cio, des­de a pro­du­ção ao con­su­mi­dor fi­nal. O pro­ces­so to­ca ain­da a des­con­cen­tra­ção e des­cen­tra­li­za­ção de fun­ções en­tre o Es­ta­do e os agen­tes eco­nó­mi­cos e o es­tí­mu­lo à ac­ti­vi­da­de ex­por­ta­do­ra não pe­tro­lí­fe­ra.

Ou­tros dois gran­des fo­cos da pro­pos­ta de reestruturação do sector do Co­mér­cio são a sim­pli­fi­ca­ção de pro­ce­di­men­tos pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de mer­can­til por par­te do sector pri­va­do e a me­lho­ria dos seus pro­ces­sos re­gu­la­tó­ri­os e de con­tro­lo.

Fi­el Cons­tan­ti­no ad­mi­tiu que exis­te al­gum “pe­so a mais” na ac­tu­al es­tru­tu­ra or­gâ­ni­ca do Mi­nis­té­rio, o que tem di­fi­cul­ta­do o con­tro­lo da efi­cá­cia dos ser­vi­ços.

Se­gun­do o mi­nis­tro do Co­mér­cio, a pro­pos­ta de reestruturação apro­va­da pe­la Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros re­sul­ta nu­ma es­tru­tu­ra mais ágil e mais fun­ci­o­nal de mo­do a per­mi­tir que ha­ja “mais con­tro­lo so­bre os exe­cu­to­res das di­ver­sas ta­re­fas que ema­nam do Mi­nis­té­rio”. Do pon­to de vis­ta téc­ni­co, dis­se o mi­nis­tro, a reestruturação vai re­sul­tar no ema­gre­ci­men­to da es­tru­tu­ra sem a per­da das fun­ções ac­tu­ais do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio. “Bus­ca­re­mos efi­cá­cia e com me­nos re­cur­sos ten­ta­re­mos ob­ter os me­lho­res re­sul­ta­dos no fun­ci­o­na­men­to do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio.”

Do pon­to de vis­ta da or­ga­ni­za­ção da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al, Fi­el Cons­tan­ti­no re­fe­riu que foi cons­ta­ta­da uma cer­ta dis­fun­ção em re­la­ção ao que es­tá le­gis­la­do. “Nós ve­ri­fi­ca­mos que a ac­ti­vi­da­de de co­mér­cio ex­ter­no, prin­ci­pal­men­te nas im­por­ta­ções, tem si­do exer­ci­da por uma ga­ma mui­to gran­de de agen­tes eco­nó­mi­cos, al­guns dos quais sem reu­ni­rem os re­qui­si­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o exer­cí­cio des­sa ac­ti­vi­da­de.”

Fi­el Cons­tan­ti­no su­bli­nhou que nin­guém es­tá proi­bi­do de im­por­tar bens, mas o que se quer é de­fi­nir clas­ses de ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos pa­ra di­fe­ren­tes ní­veis de im­por­ta­ções, de mo­do a, co­mo re­fe­riu, ter um mai­or con­tro­lo quer da ges­tão de stocks na­ci­o­nais, quer do aces­so aos re­cur­sos cam­bi­ais.

Aler­ta na dis­tri­bui­ção

Fi­el Cons­tan­ti­no re­ve­lou que o sub­sec­tor de dis­tri­bui­ção tem me­re­ci­do uma aten­ção es­pe­ci­al por par­te da di­rec­ção do Mi­nis­té­rio. “Pre­ci­sa­mos de es­ca­lo­nar os nos­sos agen­tes co­mer­ci­ais des­de os gran­des pro­du­to­res e im­por­ta­do­res, pa­ra os gran­des dis­tri­bui­do­res e por via des­tes che­gar­mos à ac­ti­vi­da­de re­ta­lhis­ta.”

Se­gun­do o mi­nis­tro, fo­ram de­tec­ta­das “dis­tor­ções no do­mí­nio da for­ma­ção de pre­ços” por fal­ta de uma de­fi­ni­ção cla­ra dos pa­péis a ní­vel da dis­tri­bui­ção. “Ve­ri­fi­ca­mos al­gu­ma con­cor­rên­cia des­le­al, quan­do al­guns agen­tes gros­sis­tas fa­zem trans­fe­rên­ci­as de pro­du­tos en­tre si, por­tan­to, co­mer­ci­a­li­zam en­tre si, fa­zen­do com que o pre­ço ao re­ta­lhis­ta e fi­nal­men­te ao con­su­mi­dor aca­be sen­do mais al­to do que de­via.”

A so­lu­ção, re­fe­riu o mi­nis­tro, pas­sa pe­la es­tra­ti­fi­ca­ção dos agen­tes co­mer­ci­ais de mo­do a que a or­dem de for­ma­ção de pre­ços se es­ta­be­le­ça com tran­qui­li­da­de. “Apesar dos ac­tos de fis­ca­li­za­ção que nós exer­ce­mos, en­ten­de­mos que quan­do exis­te or­ga­ni­za­ção os pro­ces­sos flu­em com mai­or re­gu­la­ri­da­de”.

Exe­cu­ção or­ça­men­tal

Ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, a ses­são con­jun­ta das co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra a Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­vou o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço do Pla­no de Cai­xa do mês de Ou­tu­bro de 2016, cu­jas des­pe­sas fo­ram exe­cu­ta­das em 92 por cen­to do mon­tan­te pro­gra­ma­do, bem co­mo o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço de Exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do re­fe­ren­te ao ter­cei­ro tri­mes­tre de 2016, in­cluin­do os Ba­lan­ços Or­ça­men­tal, Fi­nan­cei­ro e Pa­tri­mo­ni­al.A reu­nião apro­vou tam­bém o Pla­no de Cai­xa Men­sal re­fe­ren­te ao mês de De­zem­bro de 2016, que con­tém a pro­jec­ção das en­tra­das e saí­das de re­cur­sos fi­nan­cei­ros no pe­río­do.

Por ou­tro la­do, pro­ce­deu à apro­va­ção do do­cu­men­to so­bre as re­gras anu­ais de exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 que es­ta­be­le­ce prin­cí­pi­os efi­ca­zes, ri­go­ro­sos e cé­le­res pa­ra a sua im­ple­men­ta­ção nos vá­ri­os ní­veis da ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do. As co­mis­sões fo­ram in­for­ma­das so­bre a mais re­cen­te mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal, no âm­bi­to do Ar­ti­go IV, re­a­li­za­da em No­vem­bro, bem co­mo do pon­to de si­tu­a­ção so­bre o Pla­no Ope­ra­ci­o­nal da Chi­na.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ori­en­tou a reu­nião das co­mis­sões eco­nó­mi­cas do Con­se­lho de Mi­nis­tros

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Mi­nis­tro do Co­mér­cio quer mai­or con­tro­lo so­bre os exe­cu­to­res das ta­re­fas do sector

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.