UNITA rei­vin­di­cou ope­ra­ção re­a­li­za­da pe­lo apartheid

Em­bo­ra a des­trui­ção dos tan­ques de com­bus­tí­vel no Lo­bi­to, em Agos­to de 1980, te­nha afec­ta­do se­ri­a­men­te a lo­gís­ti­ca no Sul do país, ela foi um re­tro­ces­so tem­po­rá­rio, ain­da que dis­pen­di­o­so, pa­ra as for­ças an­go­la­nas, cu­ba­nas e da SWAPO, vis­to que os for­ne­cim

Jornal de Angola - - PARTADA -

As ins­ta­la­ções da Petrangol eram a úni­ca re­fi­na­ria de An­go­la e, eli­mi­nan­do-a, o país es­ta­ria de­pen­den­te de pro­du­tos pe­tro­lí­fe­ros re­fi­na­dos im­por­ta­dos, pro­vo­can­do uma pres­são ex­tra so­bre o for­ne­ci­men­to, pa­ra além da guer­ra. Es­ta ac­ção se­ria tam­bém um du­ro gol­pe pa­ra a eco­no­mia do país. Em me­a­dos de 1981, o re­gi­me de apartheid de­ci­diu fa­zer um es­tu­do pa­ra des­truir es­ta ins­ta­la­ção es­tra­té­gi­ca.

Em­bo­ra es­ta ins­ta­la­ção fos­se par­ci­al­men­te es­ta­tal, a Pe­tró­le­os de An­go­la (Petrangol), fi­li­al da Pe­tro­fi­na SA da Bél­gi­ca, era a ac­ci­o­nis­ta mai­o­ri­tá­ria da re­fi­na­ria, que pro­du­zia es­sen­ci­al­men­te pro­du­tos bá­si­cos co­mo a ga­so­li­na, o ga­só­leo, o GLP e com­bus­tí­vel Jet – tu­do pa­ra con­su­mo in­ter­no, com mui­to pou­co des­ti­na­do à ex­por­ta­ção. Em­bo­ra ti­ves­se uma ca­pa­ci­da­de de 1,5 mi­lhões de to­ne­la­das por ano, a pro­du­ção à épo­ca era ape­nas de um mi­lhão de to­ne­la­das.

O 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to (Rec­ce) das for­ças ar­ma­das da Áfri­ca do Sul (SADF) foi en­car­re­ga­do de re­a­li­zar o es­tu­do de des­trui­ção das ins­ta­la­ções e te­ve que con­tar com uma gran­de va­ri­e­da­de de fontes pa­ra fa­zer o le­van­ta­men­to do ob­jec­ti­vo e seus ar­re­do­res. Mui­tas fo­ram as fontes ex­ter­nas, ma­pas an­ti­gos, anún­ci­os e ar­ti­gos de im­pren­sa que ti­ve­ram que ser de­ta­lha­da­men­te es­tu­da­dos. Ape­nas de­pois de uma ba­se de dados pre­ci­sa ser com­pi­la­da, de ha­ver um en­ten­di­men­to e ima­gem da área al­vo de­sen­vol­vi­da, é que as SADF es­ta­be­le­ce­ram a vi­a­bi­li­da­de de um ata­que e fi­ze­ram o pla­ne­a­men­to bá­si­co ini­ci­al.

Ini­ci­al­men­te, fo­ram iden­ti­fi­ca­dos dois pos­sí­veis pon­tos de pou­so na praia de Lu­an­da. Um es­ta­va per­to do de­pó­si­to de ar­ma­ze­na­men­to móvel abai­xo dos pe­nhas­cos e a Oes­te do al­vo, ao pas­so que o se­gun­do es­ta­va a Nor­des­te da re­fi­na­ria, per­to da fá­bri­ca de ci­men­to da SECIL. A pri­mei­ra op­ção foi ime­di­a­ta­men­te des­car­ta­da de­vi­do à aces­si­bi­li­da­de, ao trá­fe­go no por­to e aos de­sen­vol­vi­men­tos na área.

Pla­ne­a­men­to e pre­pa­ra­ção

Co­mo re­sul­ta­do da re­co­men­da­ção, foi da­da au­to­ri­za­ção pa­ra pla­ne­ar e pre­pa­rar a ope­ra­ção a ser re­a­li­za­da em fi­nais de No­vem­bro, mas com a con­di­ção de o ata­que só po­der ser re­a­li­za­do de­pois de to­dos os ob­jec­ti­vos se­rem con­fir­ma­dos por um re­co­nhe­ci­men­to pré­vio sul-afri­ca­no do al­vo e das vi­as de aces­so.

De­vi­do à dis­tân­cia en­tre Lu­an­da e a ba­se sul-afri­ca­na de Lan­ge­ba­an (cer­ca de 1.500 mi­lhas náu­ti­cas) e o tem­po que um sub­ma­ri­no le­va­ria pa­ra re­a­li­zar a vi­a­gem de ida e vol­ta, não ha­via tem­po su­fi­ci­en­te e o Co­man­do das SADF de­ci­diu exe­cu­tar a ope­ra­ção co­mo uma ac­ção com­bi­na­da, de re­co­nhe­ci­men­to com­ba­ti­vo.

A ope­ra­ção mi­li­tar con­tra a Petrangol foi con­si­de­ra­da de al­to ris­co, pois os ra­cis­tas sul-afri­ca­nos con­cluí­ram que, após o ata­que do Lo­bi­to, ti­nham si­do to­ma­das me­di­das de se­gu­ran­ça adi­ci­o­nais e o fac­to de, sen­do uma re­fi­na­ria, ha­ver uma pre­sen­ça per­ma­nen­te de tra­ba­lha­do­res na área de pro­du­ção. As ori­en­ta­ções da mis­são sul-afri­ca­na eram de que ela de­via ser uma ope­ra­ção se­cre­ta e pla­ne­a­da de for­ma a que a res­pon­sa­bi­li­da­de fos­se atri­buí­da à UNITA. A ca­pa­ci­da­de na­val clan­des­ti­na da RSA não de­via ser ex­pos­ta.

O 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to das SADF foi en­car­re­gue de re­a­li­zar o re­co­nhe­ci­men­to ini­ci­al em ter­ra, bem co­mo o ata­que aos al­vos den­tro da re­fi­na­ria, en­quan­to o 4º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to for­ne­ce­ria qua­tro bar­cos Bar­ra­cu­da com as su­as tri­pu­la­ções e uma equi­pa de re­co­nhe­ci­men­to de praia pa­ra pro­te­ger a área de de­sem­bar­que pa­ra a in­fil­tra­ção e a re­ti­ra­da da pe­que­na equi­pa de re­co­nhe­ci­men­to e o gru­po de as­sal­to. Es­ta se­ria a pri­mei­ra vez que o re­cém-ad­qui­ri­do Bar­ra­cu­da, um ti­po de “bar­cos de es­qui” fo­ram usa­dos nu­ma ope­ra­ção im­por­tan­te na cos­ta Oes­te do con­ti­nen­te afri­ca­no.

As equi­pas do Rec­ce de­vi­am ser trans­por­ta­das pa­ra e de Lu­an­da por du­as em­bar­ca­ções de ata­que da Ma­ri­nha da RSA. Es­ta se­ria a mai­or dis­tân­cia que os na­vi­os de guer­ra ti­nham ope­ra­do nes­te pa­pel lon­ge de um por­to da Áfri­ca do Sul e um na­vio de apoio se­ria ne­ces­sá­rio pa­ra os re­a­bas­te­cer.

Os dois na­vi­os de guer­ra de­sig­na­dos fo­ram a SAS Oswald Pi­row, com o co­man­dan­te Arnè So­der­lund, e o SAS Jim Fou­che, co­man­da­do por “Fa­nic” Uys, com o na­vio hi­dro­grá­fi­co SAS Pro­tea, com o ca­pi­tão Bob Pi­e­ters, a de­sem­pe­nhar o pa­pel de na­vio de apoio.

A For­ça Aé­rea da Áfri­ca do Sul (SAAF) foi en­car­re­gue de for­ne­cer as ae­ro­na­ves C130/160 que de­vi­am ac­tu­ar co­mo um “Tels­tar”, ca­so hou­ves­se ne­ces­si­da­de de in­ter­ven­ção da for­ça ter­res­tre. De­vi­am tam­bém for­ne­cer o he­li­cóp­te­ro Wasp ao

Pro­tea. O Ser­vi­ço Mé­di­co SulA­fri­ca­no (SAMS), atra­vés do 7º Ba­ta­lhão Mé­di­co de Cen­tu­ri­on, de­via co­lo­car uma equi­pa ci­rúr­gi­ca com­ple­ta com to­do o equi­pa­men­to ne­ces­sá­rio a bordo do Pro­tea (PRO), en­quan­to dois mé­di­cos trei­na­dos da For­ça Es­pe­ci­al es­ta­ri­am a bordo de ca­da na­vio de ata­que. To­dos es­ses ele­men­tos cons­ti­tu­ti­vos de­ve­ri­am es­tar sob o con­tro­lo ope­ra­ci­o­nal do GOC das For­ças Es­pe­ci­ais du­ran­te to­da a ope­ra­ção.

O Co­man­dan­te das For­ças Es­pe­ci­ais es­ta­va no co­man­do da ope­ra­ção com o ca­pi­tão “Wo­ody” Wo­od­bur­ne (Ma­ri­nha) no­me­a­do co­mo Co­man­dan­te da Ope­ra­ção a bordo do na­vio de guer­ra Oswald Pi­row (OPW), on­de a 21 de No­vem­bro foi mon­ta­do o Quar­tel Ge­ne­ral (QG) Tác­ti­co.

O Co­man­dan­te An­dre Best­bi­er, Co­man­dan­te do 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to, foi no­me­a­do Co­man­dan­te da Mis­são, ten­do o co­man­dan­te Mal­colm Kinghorn co­mo Co­man­dan­te do gru­po das Em­bar­ca­ções e o ca­pi­tão Douw Steyn­co­mo Co­man­dan­te do Gru­po de As­sal­to.

O Co­man­dan­te Na­val era So­der­lund, no na­vio OPW. O re­cém-no­me­a­do co­man­dan­te das For­ças Es­pe­ci­ais, o bri­ga­dei­ro “Kar” Li­e­ben­berg, acom­pa­nha­ria a for­ça no OPW pa­ra ga­nhar ex­pe­ri­ên­cia prá­ti­ca e pa­ra ob­ser­var o com­por­ta­men­to fí­si­co de uma ope­ra­ção clan­des­ti­na de com­ba­te.

Com ba­se na fa­se da Lua e pa­ra ga­ran­tir a pro­tec­ção má­xi­ma da es­cu­ri­dão, a ope­ra­ção de­via ser re­a­li­za­da na noi­te de 29/30 de No­vem­bro, ten­do 30 de No­vem­bro e 1 de De­zem­bro co­mo da­ta al­ter­na­ti­va. De­vi­do ao fac­to de ser uma ope­ra­ção de re­co­nhe­ci­men­to e de ata­que, a mis­são de­via ser con­du­zi­da em se­te fa­ses bá­si­cas.

Fa­se 1. No dia 18 de No­vem­bro, o na­vio de guer­ra de­via es­tar acos­ta­do em Lan­ge­ba­an, pa­ra se jun­tar ao bar­co e aos in­te­gran­tes do gru­po de ata­que pa­ra co­or­de­na­ção, pla­ne­a­men­to e en­sai­os. Os en­sai­os de­vi­am ser re­a­li­za­dos na es­cu­ri­dão e dis­tan­te da baía de Sal­da­nha (Áfri­ca do Sul) pa­ra que as equi­pas do 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to se fa­mi­li­a­ri­zas­sem com o cli­ma.

Fa­se 2. A 21 de No­vem­bro, às 05h00, o na­vio de guer­ra de­via par­tir pa­ra Wal­vis Bay, car­re­gan­do os qua­tro bar­cos Bar­ra­cu­da, a pe­que­na equi­pa de Re­co­nhe­ci­men­to do 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to, to­dos os ele­men­tos do 4º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to e os mé­di­cos do 7º Ba­ta­lhão dos Ser­vi­ços Mé­di­cos. Eles de­ve­ri­am che­gar a Wal­vis Bay de­pois do es­cu­re­cer, a 22 de No­vem­bro, pa­ra re­a­bas­te­ci­men­to, par­tin­do an­tes do nas­cer do sol na ma­nhã se­guin­te.

Fa­se 3. A ter­cei­ra fa­se era a pas­sa­gem de Wal­vis Bay pa­ra a área de Lu­an­da, che­gan­do ao anoi­te­cer do dia 25 de No­vem­bro. Em se­gui­da, dois bar­cos Bar­ra­cu­da de­sem­bar­ca­ri­am a pe­que­na equi­pa de dois ho­mens do 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to na praia a Nor­te do Por­to de Lu­an­da.

Fa­se 4. Es­ta fa­se con­sis­tiu no pe­río­do em que a equi­pa de re­co­nhe­ci­men­to es­ta­va em ter­ra e lá per­ma­ne­cia até que fos­se re­co­lhi­da nas pri­mei­ras ho­ras de 28 de No­vem­bro. Na mes­ma al­tu­ra, o SAS Pro­tea par­ti­ria de Wal­vis Bay às 03h00 de 25 de No­vem­bro, de­pois de ter re­ce­bi­do o gru­po de ata­que do 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to e a equi­pa ci­rúr­gi­ca.

Fa­se 5. Es­te foi o pon­to crí­ti­co na ope­ra­ção e con­sis­tia na con­so­li­da­ção da in­for­ma­ção de in­te­li­gên­cia re­co­lhi­da du­ran­te o re­co­nhe­ci­men­to e, se ne­ces­sá­rio, na re­pla­ni­fi­ca­ção ou em abor­tar a fa­se de ata­que. Es­ta ac­ção de­ve­ria acon­te­cer a bordo do Pro­tea a 28 de No­vem­bro, de­pois de a equi­pa de re­co­nhe­ci­men­to ser trans­fe­ri­da pa­ra o seu in­te­ri­or, às 05h00. Ao mes­mo tem­po, os dois na­vi­os de guer­ra de­vi­am ser re­a­bas­te­ci­dos com com­bus­tí­vel e man­ti­men­tos.

Fa­se 6. Es­ta fa­se con­sis­tia no ata­que à re­fi­na­ria na noi­te de do­min­go, 29 de No­vem­bro. O gru­po de ata­que se­ria le­va­do pe­lo na­vio de guer­ra pa­ra um pon­to, a cer­ca de 10 mi­lhas da cos­ta, e, em se­gui­da, de­sem­bar­ca­do em ter­ra pe­los qua­tro bar­cos Bar­ra­cu­da. Eles se­ri­am re­co­lhi­dos nas pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã se­guin­te. As du­as noi­tes se­guin­tes es­ta­vam dis­po­ní­veis co­mo al­ter­na­ti­vas ou pa­ra o ca­so de fu­ga e eva­são com a úl­ti­ma re­co­lha mar­ca­da pa­ra a noi­te de 1 pa­ra 2 de De­zem­bro.

Fa­se 7. A fa­se fi­nal se­ria a re­ti­ra­da da área al­vo do na­vio de guer­ra e das equi­pas das For­ças Es­pe­ci­ais, an­tes do ama­nhe­cer do dia 30 de No­vem­bro e o re­gres­so a Lan­ge­ba­an. O na­vio de guer­ra de­via re­a­bas­te­cer a par­tir do Pro­tea ou, se ne­ces­sá­rio, em Wal­vis Bay lo­go após o anoi­te­cer do dia 2 de De­zem­bro, che­gan­do a Lan­ge­ba­an a 4 de De­zem­bro. Es­sas da­tas se­ri­am alar­ga­das, ca­so hou­ves­se atra­so du­ran­te a Fa­se 6.

Uma vez apro­va­do o pla­no bá­si­co, o 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to co­me­çou a tra­ba­lhar com vi­gor e os mem­bros se­lec­ci­o­na­dos pa­ra par­ti­ci­par fo­ram enviados pa­ra vi­si­tar as re­fi­na­ri­as sul-afri­ca­nas, a fim de se fa­mi­li­a­ri­za­rem com a es­tru­tu­ra bá­si­ca e com as fun­ções de uma re­fi­na­ria, e com os res­pec­ti­vos pro­ces­sos. Foi cons­truí­do um mo­de­lo de es­ca­la pre­ci­so com ba­se em to­das as fo­to­gra­fi­as, ar­ti­gos e de­se­nhos dis­po­ní­veis que po­de­ri­am ser en­con­tra­dos.

As mi­nas a se­rem uti­li­za­das na ope­ra­ção eram as mes­mas mi­nas SOIL uti­li­za­das na “Ope­ra­ção Ama­zon”, con­tra o Por­to do Lo­bi­to, e es­pe­ci­al­men­te fa­bri­ca­das pe­la EMLC (com­pa­nhia sul-afri­ca­na pro­du­to­ra de subs­tân­ci­as quí­mi­cas), com al­to te­or de alu­mí­nio pa­ra me­lho­rar o efei­to in­cen­diá­rio da ex­plo­são. Ca­da uma de­las pe­sa­va 20 qui­los. A úni­ca di­fe­ren­ça em re­la­ção às uti­li­za­das na “Ope­ra­ção Ama­zon” era que a no­va EMLC de­sen­vol­veu um me­ca­nis­mo tem­po­ri­za­dor.

O ca­pi­tão Steyn, co­mo co­man­dan­te do Gru­po de As­sal­to, es­ta­be­le­ceu um pro­gra­ma de pre­pa­ra­ção fí­si­ca in­ten­si­vo, pa­ra além da prá­ti­ca nor­mal, pa­ra a equi­pa, na sua ba­se em Dur­ban. A pre­pa­ra­ção fí­si­ca en­vol­via cor­ri­das lon­gas e pro­lon­ga­das ao lon­go da praia, em água pou­co pro­fun­da e cor­ri­das lon­gas que va­ri­a­vam de 10-20 qui­ló­me­tros. To­dos os ope­ra­ci­o­nais par­ti­ci­pa­ram num in­ten­so pro­gra­ma de trei­no fí­si­co de na­ta­ção na Ba­se Na­val de Dur­ban.

Equi­pas de ata­que

De­pois do pla­no ter si­do ela­bo­ra­do, o trei­no es­pe­cí­fi­co po­de­ria co­me­çar com ca­da uma das equi­pas de as­sal­to a con­cen­trar-se nas su­as ta­re­fas par­ti­cu­la­res, sen­do que o exer­cí­cio de in­fil­tra­ção ti­nha si­do aper­fei­ço­a­do. Além das equi­pas do QG e de re­ser­va no lo­cal, ha­via cin­co pe­que­nas equi­pas de as­sal­to. Es­tas equi­pas re­ce­be­ram as se­guin­tes ta­re­fas:

Equi­pa do QG – A equi­pa do QG era com­pos­ta pe­lo co­man­dan­te do ata­que, um ins­tru­tor e dois es­pe­ci­a­lis­tas em ar­mas equi­pa­dos com uma me­tra­lha­do­ra RPD e lan­ça gra­na­das RPG7. O co­man­dan­te se­ria res­pon­sá­vel pe­la co­or­de­na­ção da for­ça de as­sal­to des­de o ata­que até à re­cu­pe­ra­ção. A sua equi­pa for­ne­ce­ria to­do o apoio de fo­go du­ran­te o ata­que e pro­te­ge­ria o pri­mei­ro Pon­to de En­con­tro, no ca­so de uma re­ti­ra­da de emer­gên­cia.

1ª Equi­pa – In­clui­ria os dois mem­bros da equi­pa de re­co­nhe­ci­men­to e con­du­zi­ria a equi­pa pa­ra o al­vo. De­pois de cor­tar o ara­me pa­ra en­trar na ins­ta­la­ção, eram res­pon­sá­veis pe­la des­trui­ção das três tor­res de des­ti­la­ção pri­má­ri­as. Eles tam­bém apoi­a­ri­am a 2ª equi­pa, se ne­ces­sá­rio fos­se.

2ª Equi­pa – Es­ta era res­pon­sá­vel pe­la des­trui­ção dos do­ze tan­ques mais pe­que­nos, lo­ca­li­za­dos nas pro­xi­mi­da­des da li­nha de pro­du­ção, que con­ti­nham, en­tre ou­tros pro­du­tos re­fi­na­dos, com­bus­tí­vel Jet.

3ª Equi­pa – Era res­pon­sá­vel pe­la des­trui­ção dos dois tan­ques de gás e dos dois ci­lin­dros de gás.

4ª Equi­pa – A 4ª Equi­pa era res­pon­sá­vel pe­la des­trui­ção dos do­ze gran­des tan­ques mais afas­ta­dos da li­nha de pro­du­ção e de ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo, en­tre ou­tros lí­qui­dos.

5ª Equi­pa – Es­ta equi­pa de­via ga­ran­tir que a ro­ta de re­ti­ra­da, a par­tir do in­te­ri­or da re­fi­na­ria, es­ti­ves­se se­gu­ra.

Re­ser­va – Uma for­ça de re­ser­va de dois ope­ra­do­res per­ma­ne­ce­ria no Bar­ra­cu­da, po­rém, de­ve­ria es­tar dis­po­ní­vel pa­ra subs­ti­tuir qual­quer mem­bro que fos­se aba­ti­do.

To­dos os obs­tá­cu­los iden­ti­fi­ca­dos, tais co­mo pa­re­des e ara­me na área al­vo, fo­ram si­mu­la­dos no terreno chu­vo­so na área de Bluff, em Dur­ban (Áfri­ca do Sul).

Nes­ta fa­se, os ope­ra­ci­o­nais ain­da não ti­nham ideia do al­vo exac­to ou on­de es­ta­va lo­ca­li­za­do. Cer­ca de seis se­ma­nas após o iní­cio des­te rí­gi­do re­gi­me de trei­na­men­to e qu­an­do os ope­ra­ci­o­nais co­me­ça­vam a sen­tir-se pron­tos pa­ra a ope­ra­ção, as equi­pas e os equi­pa­men­tos fo­ram le­va­dos pa­ra o na­vio AFS

Louis Botha, em Dur­ban, de on­de em­bar­ca­ram num C130 da SAAF, sem sa­ber o seu des­ti­no.

So­men­te de­pois de a ram­pa de po­pa ser bai­xa­da, é que re­co­nhe­ce­ram on­de es­ta­vam, a par­tir das arei­as bran­cas de Mpa­cha, no Ca­pri­vi do Les­te. Du­as ho­ras mais tar­de, eles che­ga­vam a Fort Dop­pi­es, ba­se de trei­na­men­to das For­ças Es­pe­ci­ais mais fa­vo­ri­ta e po­pu­lar de sem­pre, com o seu leão re­si­den­te 'Ter­ry' e bem afas­ta­do da vis­ta pú­bli­ca. Aqui eles re­ce­be­ram in­for­ma­ções mais de­ta­lha­das so­bre as ins­ta­la­ções que de­ve­ri­am des­truir, mas ain­da con­ti­nu­a­vam a não sa­ber pa­ra on­de iam.

Os pla­ni­fi­ca­do­res fi­ze­ram es­for­ços pa­ra ga­ran­tir que a exi­gên­cia de man­ter a ca­pa­ci­da­de ma­rí­ti­ma em se­gre­do ti­ves­se a mai­or pro­ba­bi­li­da­de de su­ces­so, mes­mo que al­go saís­se er­ra­do. No ca­so de qual­quer mem­bro em ter­ra ser fei­to pri­si­o­nei­ro, ele te­ria de dis­far­çar que eram mem­bros da For­ça da Guar­da Ci­vil do 1º Ba­ta­lhão de Pá­ra-que­dis­tas de Blo­em­fon­tein e fo­ram des­do­bra­dos pa­ra a Ba­se de On­dangwa, em me­a­dos de Ou­tu­bro.

A par­tir daí, fo­ram trans­por­ta­dos por um C130 so­bre o mar e lan­ça­dos pa­ra um DZ “10 clicks” a sul do fa­rol da Pon­ta de Don­da. Após o ata­que, es­pe­ra­va-se que en­con­tras­sem um bar­co de pes­ca e se­guis­sem o seu ca­mi­nho pa­ra sul do Rio Cu­ne­ne, com um pos­sí­vel res­ga­te de he­li­cóp­te­ro em ro­ta tão lo­go es­ti­ves­sem per­to da fron­tei­ra.

Eles de­ve­ri­am usar cor­rec­ta­men­te a sua do­cu­men­ta­ção, no que diz res­pei­to ao seu nas­ci­men­to, grau de es­co­la­ri­da­de, en­tre ou­tros as­pec­tos. Os ex-ro­de­si­a­nos de­vi­am de­cla­rar que nas­ce­ram no Na­tal ou no Ca­bo e que fo­ram for­ma­dos na Dur­ban High Scho­ol, no Glenwo­od High ou no Co­lé­gio Di­o­ce­sa­no, na Ci­da­de do Ca­bo!

Se al­guns mem­bros do 4º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to das SADF fos­sem cap­tu­ra­dos no Bar­ra­cu­da, de­vi­am tam­bém de­cla­rar que eram mem­bros da Com­pa­nhia B do 1º Ba­ta­lhão de Pá­ra-que­dis­tas e que fo­ram le­va­dos pa­ra aque­la área por um ar­ras­to de pes­ca clan­des­ti­no, pa­ra re­a­li­zar um re­co­nhe­ci­men­to nas ins­ta­la­ções na­vais, em Lu­an­da.

Além dis­so, um exa­me fí­si­co de ca­da par­ti­ci­pan­te de­via ser re­a­li­za­do an­tes da par­ti­da da Baía de Sal­da­nha. To­das as equi­pas le­va­ri­am con­si­go as ar­mas de fo­go e as mu­ni­ções cap­tu­ra­das ou não ras­treá­veis – as AK47s, as Pat­chetts de 9mm (uma sub-me­tra­lha­do­ra Stir­ling su­pri­mi­da) ou as Uzi SMGs si­len­ci­o­sas.

Ne­nhu­ma do­cu­men­ta­ção pes­so­al, di­nhei­ro (à ex­cep­ção do dis­tri­buí­do pa­ra a fu­ga e eva­são), ma­pas ou fo­to­gra­fi­as aé­re­as, de­vi­am ser trans­por­ta­dos e ne­nhu­ma pa­la­vra em afri­ka­ans de­via ser uti­li­za­da du­ran­te o voo.

To­dos os mo­vi­men­tos ti­nham de ser fei­tos ape­nas du­ran­te a noi­te e to­dos os mem­bros que não che­gas­sem ao pon­to de re­co­lha al­ter­na­ti­vo con­ti­nu­a­ri­am a ca­mi­nhar do nor­te pa­ra o pon­to mais a Oes­te até ao Oes­te do fa­rol da Pon­ta de Don­da, on­de a pró­xi­ma re­co­lha se­ria re­a­li­za­da de D+5 a D+7.

Na sex­ta-fei­ra, dia 20 de No­vem­bro, dois na­vi­os mo­der­nos da Áfri­ca do Sul dei­xa­ram si­len­ci­o­sa­men­te a Baía de Sal­da­nha, se­guin­do pa­ra Nor­te, ca­da um car­re­gan­do dois bar­cos Bar­ra­cu­da atrás e as equi­pas dos bar­cos na mes­se lo­ca­li­za­da na po­pa. A bordo es­ta­vam to­dos os co­man­dan­tes, co­mo pro­gra­ma­do.

Em Wal­vis Bay, no do­min­go, dia 22, os na­vi­os en­tra­ram de­pois do anoi­te­cer.

Na qu­ar­ta-fei­ra, dia 25, os dois na­vi­os de guer­ra co­me­ça­ram a apro­xi­mar-se de Lu­an­da com o Jim

Fou­ch (JFE), a três mi­lhas, se­pa­ra­do do Oswald Pi­row (OPW).

Era, de fac­to, uma noi­te sem Lua. Seis mi­lhas a no­ro­es­te do Fa­rol das La­gos­tas, que não es­ta­va a fun­ci­o­nar, os dois Bar­ra­cu­das fo­ram lan­ça­dos na es­cu­ri­dão to­tal. Os dois mem­bros da Pe­que­na equi­pa em­bar­ca­ram ra­pi­da­men­te no bar­co 1, o “Back-bre­a­ker”, com o sar­gen­to Alewyn Vors­ter co­mo ti­mo­nei­ro e, em se­gui­da, no Bar­co 2, o “Sho­re-bre­a­ker”, sob o co­man­do do sar­gen­to-mai­or John Hay­nes, em apoio, di­ri­gi­do pa­ra a ci­da­de de Lu­an­da, ilu­mi­na­da pe­la in­can­des­cên­cia do gás que es­ta­va a ser qu­ei­ma­do so­bre a re­fi­na­ria.

Co­me­ça­va as­sim a “Ope­ra­ção Kerslig” (ou “Can­dle­light”, Luz de Ve­la), com que o re­gi­me de apartheid ten­tou dar um du­ro gol­pe à eco­no­mia an­go­la­na e tra­var a li­ber­ta­ção to­tal do con­ti­nen­te afri­ca­no. As SADF es­ta­vam pres­tes a pôr os pés nu­ma área que ti­nham vi­si­ta­do, pe­la úl­ti­ma vez, seis anos an­tes, qu­an­do a fra­ga­ta SAS Pre­si­den­te

Steyn eva­cu­ou um gru­po de 26 mem­bros do Exér­ci­to da Áfri­ca do Sul, sob o co­man­do do bri­ga­dei­ro Ben de Wet Ro­os, à noi­te, na praia de Am­bri­ze­te, após a Ba­ta­lha de Ki­fan­gon­do, em No­vem­bro de 1976.

O OPW imi­tou ser um na­vio de pes­ca. Ha­via a in­for­ma­ção de que o na­vio da clas­se des­troyer Gremyas­chiy, da Ma­ri­nha So­vié­ti­ca, es­ta­va em Lu­an­da.

A equi­pa de re­co­nhe­ci­men­to co­me­çou a des­lo­car-se len­ta­men­te da praia usan­do equi­pa­men­to de vi­são noc­tur­na pa­ra ve­ri­fi­car to­da a pre­sen­ça ini­mi­ga e uma pos­sí­vel saí­da for­ça­da. Eles des­co­bri­ram que es­ta­vam nu­ma área que es­ta­va a ser es­ca­va­da e vi­ram os fa­róis de um ca­mião pe­sa­do di­ri­gin­do-se na sua di­rec­ção. Na es­cu­ri­dão, uma re­tro­es­ca­va­do­ra, a pou­cos me­tros de­les, foi pos­ta em fun­ci­o­na­men­to e co­me­çou a car­re­gar um ca­mião.

No to­po, os mi­li­ta­res sul-afri­ca­nos che­ga­ram à en­tra­da de um pe­que­no com­ple­xo com uma ban­dei­ra das FAPLA pen­du­ra­da num mas­tro, no por­tão. Des­co­bri­ram que es­ta­vam no meio de uma ins­ta­la­ção mi­li­tar com um enor­me veí­cu­lo mi­li­tar es­ta­ci­o­na­do à sua fren­te. A Sul, ha­via um acam­pa­men­to mi­li­tar. À me­di­da que ama­nhe­cia po­di­am ob­ser­var-se fi­lei­ras de veí­cu­los mi­li­ta­res, in­cluin­do tan­ques, com um T-55 a ape­nas 20 me­tros de dis­tân­cia. Sem avi­so, dois sol­da­dos das FAPLA apro­xi­ma­ram-se do es­con­de­ri­jo.

Às 19h40, a cer­ca de dez mi­lhas de Lu­an­da, os qua­tro bar­cos fo­ram lan­ça­dos à ter­ra e a tri­pu­la­ção do 4ª Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to con­du­ziu-os pa­ra o em­bar­que. A pa­la­vra de có­di­go “Pa­pa” foi trans­mi­ti­da ao Co­man­dan­te das Ope­ra­ções pa­ra con­fir­mar que “o pon­to pri­má­rio de de­sem­bar­que ha­via si­do al­can­ça­do”. Com o sar­gen­to-mai­or Gre­eff na li­de­ran­ça, o gru­po de as­sal­to su­biu o pe­nhas­co. O co­man­dan­te da mis­são, co­man­dan­te Best­bi­er, o se­gun­do-te­nen­te (Dr.) F.P.S.L Vors­ter e o si­na­li­za­dor, o ca­bo Swa­ne­po­el, ins­ta­la­ram-se num bull­do­zer ve­lho. Far­da­dos com ca­mu­fla­dos das FAPLA e com uma ca­ma­da do cre­me “black is

be­au­ti­ful” nos ros­tos e na pe­le ex­pos­ta, avan­ça­ram no terreno com vi­são noc­tur­na.

A Equi­pa 1 no­tou que a re­fi­na­ria era mais com­pac­ta do que o es­pe­ra­do ou do que o per­ce­bi­do a par­tir das fo­tos e dos mo­de­los aé­re­os e atin­gi­ram o seu pri­mei­ro al­vo mais rá­pi­do do que o es­pe­ra­do. De­pois de es­ca­la­rem uma pa­re­de, apa­re­ce­ram na ba­se das tor­res. A tor­re ti­nha si­do cons­truí­da nu­ma pla­ta­for­ma e o aces­so a ela era pe­las es­ca­das ao la­do de uma sa­la de con­tro­lo que era di­ri­gi­da por, pe­lo me­nos, seis pes­so­as. Por­tan­to, era im­pos­sí­vel ace­de­rem à ba­se da tor­re sem se­rem des­co­ber­tos.

En­quan­to se pre­pa­ra­vam pa­ra abrir, às 00h12, ou­viu-se uma ex­plo­são, ape­nas se­te mi­nu­tos de­pois dos pri­mei­ros ex­plo­si­vos se­rem po­si­ci­o­na­dos. Em tais cir­cuns­tân­ci­as, eles de­vi­am re­ti­rar-se ime­di­a­ta­men­te e, des­te mo­do, eles co­lo­ca­ram o se­gun­do ex­plo­si­vo na ba­se da tor­re, re­ti­ra­ram as ar­go­las de se­gu­ran­ça, es­pe­ran­do que os 40 kg de ex­plo­si­vos PE4 fos­sem su­fi­ci­en­te­men­te po­de­ro­sos pa­ra der­ru­bar a tor­re. De se­gui­da, eles co­me­ça­ram a vol­tar pa­ra a en­tra­da.

Ao co­me­çar a sua ta­re­fa a par­tir do extremo Les­te, a Equi­pa 2 en­con­trou uma sa­la de con­tro­lo, on­de os téc­ni­cos com ca­pa­ce­tes de se­gu­ran­ça po­di­am ser vis­tos atrás dos con­tro­los, en­quan­to os guar­das com AK47 es­ta­vam fo­ra. Os su­la­fri­ca­nos co­lo­ca­ram uma mi­na no pri­mei­ro tan­que.

A Equi­pa 3, com­pos­ta pe­lo sar­gen­to-mai­or Gert Eks­re­en, che­fe da equi­pa, o sar­gen­to Roy Ver­ma­ak e o sar­gen­to Amil­car Qu­ei­roz, car­re­gou qua­tro mi­nas SOIL e se­guiu a di­rec­ção das Equi­pas 1 e 2, afas­tan­do-se em di­rec­ção aos seus al­vos, nas tor­res de des­ti­la­ção. Qu­an­do es­ta­vam a 120 me­tros de dis­tân­cia dos tan­ques de gás, re­ce­be­ram a pa­la­vra-có­di­go “Bra­vo” e, dois mi­nu­tos de­pois, co­me­ça­ram a co­lo­car as su­as mi­nas no al­vo. Fo­ram co­lo­ca­das du­as mi­nas em ca­da um dos dois tan­ques de gás es­fé­ri­co de 15 me­tros de di­â­me­tro pe­los sar­gen­tos Qu­ei­roz e Ver­ma­ak.

En­quan­to Eks­te­en e Qu­ei­roz o co­bri­am, Ver­ma­ak su­biu as es­ca­das ex­te­ri­o­res, mo­veu-se pa­ra o ci­lin­dro mais dis­tan­te e ti­rou uma mi­na da sua mo­chi­la. Nes­se mo­men­to, uma ex­plo­são en­sur­de­ce­do­ra, acom­pa­nha­da por um cla­rão ama­re­lo, ce­gou-o tem­po­ra­ri­a­men­te e ele pô­de sen­tir a des­trui­ção da ex­plo­são jus­ta­men­te a nor­te da po­si­ção em que es­ta­va.

Ao tor­nar a co­lo­car a mi­na na sua mo­chi­la, Ver­ma­ak ra­pi­da­men­te des­li­zou pe­los tri­lhos da es­ca­da e jun­tou-se ao Qu­ei­roz e ao Eks­te­en na cer­ca do ara­me. Co­mo a sua ro­ta de re­ti­ra­da es­ta­va nes­sa al­tu­ra pre­en­chi­da por se­gu­ran­ças e de­pois de uma se­gun­da ex­plo­são, po­ten­ci­al­men­te pe­ri­go­sa, ti­ve­ram que se­guir a pla­ne­a­da ro­ta al­ter­na­ti­va e sair pe­la cer­ca de ara­me.

Men­ti­ra da UNITA

A UNITA rei­vin­di­cou ime­di­a­ta­men­te a res­pon­sa­bi­li­da­de por es­te ata­que, se­gui­do lo­go pe­la FNLA, que tam­bém ade­riu à on­da. O Go­ver­no an­go­la­no ime­di­a­ta­men­te cul­pou a Áfri­ca do Sul pe­lo ata­que. Pa­ra con­fir­mar is­so, exi­biu o pé re­cu­pe­ra­do de um dos in­va­so­res e fi­os de ca­be­lo que in­di­ca­vam ser de uma pes­soa bran­ca loi­ra. Além dis­so, apre­sen­tou oi­to mi­nas re­cu­pe­ra­das, ar­mas, um cin­to e um ca­der­no.

O ca­der­no con­ti­nha es­bo­ços da re­fi­na­ria e ano­ta­ções em in­glês e em afri­ka­ans. De­pois do ata­que, um nú­me­ro de di­plo­ma­tas oci­den­tais foi con­vi­da­do a vi­si­tar a re­fi­na­ria e ver as pro­vas. Os di­plo­ma­tas du­vi­da­ram que fos­se tra­ba­lho di­rec­to dos sol­da­dos sul-afri­ca­nos, tal co­mo de­nun­ci­a­do pe­lo Go­ver­no an­go­la­no. Acha­ram que o ma­te­ri­al uti­li­za­do era de­ma­si­a­do rús­ti­co e as mi­nas pa­re­ci­am ser me­nos so­fis­ti­ca­das do que as mi­nas de la­pa dis­po­ní­veis no mer­ca­do, na al­tu­ra.

A UNITA ale­gou que a sua equi­pa de sabotagem era cons­ti­tuí­da por três ele­men­tos, com o em­pre­ga­do da re­fi­na­ria a ser o mem­bro se­cre­to que ori­en­ta­va os in­va­so­res e in­di­ca­va os al­vos mais vul­ne­rá­veis. De acor­do com a UNITA, a sua equi­pa foi ca­paz de sair fa­cil­men­te por cau­sa da con­fu­são e o tra­ba­lha­dor da re­fi­na­ria e o co­man­dan­te das FAPLA che­ga­ri­am a uma ba­se da UNITA no sul, em Mar­ço do ano se­guin­te. Mas es­ta his­tó­ria, in­fe­liz­men­te pa­ra a UNITA, não coin­ci­diu com a evi­dên­cia dei­xa­da no terreno.

O Jor­nal de An­go­la es­cre­veu na al­tu­ra que a li­ção a ser ti­ra­da do ata­que à Re­fi­na­ria da Petrangol era que as pes­so­as não de­ve­ri­am re­la­xar e fin­gir que a guer­ra es­ta­va a ser tra­va­da nas pro­vín­ci­as do Sul. Is­to ser­viu de ape­lo pa­ra uma mai­or vi­gi­lân­cia po­pu­lar con­tra o ini­mi­go que se in­fil­tra no seio da po­pu­la­ção.

BASEADO NA OBRA “IRON FIST FROM THE SEA: SOUTH AFRI­CA’S SEABORNE RAIDERS 1978-1988”

DR

Ten­sed mem­bers of the rai­ding party shor­tly be­fo­re laun­ch for Ops Kerslig. Kok­kie with bi­ble in hand led the prayers.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.