CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ARSÉNIO LOPES | FILOMENA FONSECA MÁ­RIO AL­FRE­DO| PE­DRO LUÍS|

Obras mal fei­tas

Há mui­tas obras no país de que o do­no é o Es­ta­do e que são mal fei­tas. Is­to não é se­gre­do pa­ra nin­guém. O gran­de pro­ble­ma no nos­so país é a fal­ta de fis­ca­li­za­ção de obras. As em­prei­tei­ras apro­vei­tam­se da inér­cia das en­ti­da­des que de­vi­am fis­ca­li­zar as obras, não exe­cu­tan­do bem o que foi con­tra­ta­do. Não po­de­mos es­tar a re­a­bi­li­tar cons­tan­te­men­te in­fra-es­tru­tu­ras.

As em­prei­tei­ras que exe­cu­tam mal as obras de­vem ser res­pon­sa­bi­li­za­das, se­jam elas quais fo­rem .

O Es­ta­do não po­de es­tar sem­pre a per­der di­nhei­ro, que é de to­dos nós. As em­prei­tei­ras in­com­pe­ten­tes não po­dem con­ti­nu­ar a fa­zer obras. As in­fra-es­tru­tu­ras têm de ser du­ra­dou­ras.

É tris­te pa­ra mim que se an­de sem­pre a gas­tar di­nhei­ro pú­bli­co sem que ha­ja be­ne­fí­ci­os du­ra­dou­ros pa­ra as po­pu­la­ções. Não de­ve­mos es­tar a an­dar to­da a ho­ra de re­a­bi­li­ta­ção em re­a­bi­li­ta­ção dis­to e da­qui­lo. Se al­guém an­da a en­ga­nar o Es­ta­do, en­tão é pre­ci­so sa­ber quem são es­tas pes­so­as que se apro­vei­tam do di­nhei­ro que o Es­ta­do gas­ta pa­ra que as po­pu­la­ções te­nham bo­as con­di­ções de vi­da. à qua­li­da­de dos pro­fes­so­res. Te­nho es­pe­ran­ça de que as nos­sas es­co­las pri­má­ri­as se­jam ser­vi­das por bons pro­fes­so­res. Se ti­ver­mos bons pro­fes­so­res nas es­co­las pri­má­ri­as, ha­ve­rá ga­ran­ti­as de que os alu­nos po­de­rão ir pa­ra as clas­ses se­guin­tes bem pre­pa­ra­dos.

Es­pe­ro que as nos­sas au­to­ri­da­des li­ga­das à edu­ca­ção pres­tem es­pe­ci­al aten­ção aos pro­fes­so­res pri­má­ri­os e às es­co­las do en­si­no de ba­se. A for­ma­ção dos pro­fes­so­res pri­má­ri­os de­ve ser con­tí­nua.

De­ve ha­ver di­nhei­ro pa­ra a for­ma­ção ade­qua­da dos nos­sos pro­fes­so­res do en­si­no pri­má­rio. Gas­ta-se mui­tas ve­zes mui­to di­nhei­ro com coi­sas su­pér­flu­as e não se fa­zem des­pe­sas com o que é re­al­men­te im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país. A edu­ca­ção é fun­da­men­tal em qual­quer país do mun­do. O Es­ta­do que não in­ves­te na edu­ca­ção tem o fu­tu­ro com­pro­me­ti­do.

Vi­as ro­do­viá­ri­as

Gos­ta­va imen­so que se pres­tas­se aten­ção a mui­tas vi­as da ci­da­de ca­pi­tal que se en­con­tram em mui­to mau es­ta­do. Pen­so que, nes­ta épo­ca de chu­vas, se de­vi­am ter­ra­ple­nar vi­as ro­do­viá­ri­as se­cun­dá­ri­as e ter­ciá­ri­as o mais de­pres­sa pos­sí­vel , pa­ra que os au­to­mo­bi­lis­tas pos­sam ter mais op­ções em ter­mos de cir­cu­la­ção. Sou da opi­nião de que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais de­vi­am iden­ti­fi­car as vi­as que de­vem ter in­ter­ven­ções ime­di­a­tas. Sei que a ter­ra­ple­na­gem po­de não re­sol­ver de­fi­ni­ti­va­men­te os pro­ble­mas, mas po­de ate­nu­ar os efei­tos ne­fas­tos das chu­vas que vão con­ti­nu­ar a cair em Luanda. Sa­be­mos to­dos que as chu­vas que ca­em em Luanda cau­sam mui­tos pro­ble­mas, pe­lo que se de­vem to­mar me­di­das pre­ven­ti­vas.

Se­lec­ção de an­de­bol

Te­nho acom­pa­nha­do o cam­pe­o­na­to africano de an­de­bol feminino e es­tou a gos­tar das exi­bi­ções da nos­sa se­lec­ção. A se­lec­ção fe­mi­ni­na de an­de­bol de An­go­la é sem dú­vi­da uma gran­de equi­pa na­ci­o­nal. Nós, an­go­la­nos, te­mos a sor­te de não só ter­mos bo­as pra­ti­can­tes de an­de­bol, mas tam­bém de ter­mos bons trei­na­do­res na­ci­o­nais. Oxa­lá que as vi­tó­ri­as das nos­sas an­de­bo­lis­tas da se­lec­ção na­ci­o­nal ve­nham a ser­vir de in­cen­ti­vo pa­ra que se­lec­ções de ou­tras mo­da­li­da­des pos­sam fa­zer ca­da vez me­lhor nas com­pe­ti­ções em que par­ti­ci­pam. Co­mo angolano, gos­ta­va que hou­ves­se mui­tas se­lec­ções na­ci­o­nais a ob­ter vi­tó­ri­as na al­ta com­pe­ti­ção, em par­ti­cu­lar a se­lec­ção da mo­da­li­da­de rai­nha, o fu­te­bol, que, in­fe­liz­men­te, es­tá em cri­se no nos­so país.

Acre­di­to que o fu­te­bol po­de co­nhe­cer di­as me­lho­res. É ne­ces­sá­rio que ha­ja mui­ta or­ga­ni­za­ção pa­ra que as coi­sas fun­ci­o­nem. Se hou­ver tra­ba­lho e or­ga­ni­za­ção, o fu­te­bol tam­bém po­de ir mui­to lon­ge.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.