Cha­pe­có é uma ci­da­de ar­ra­sa­da pe­la dor e lu­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO - RO­SA SULLEIRO

Ain­da sem en­ten­der bem o que acon­te­ceu, Cha­pe­có ama­nhe­ceu on­tem en­vol­ta no si­lên­cio do lu­to, mas vol­tou à noi­te ao es­tá­dio Are­na Con­dá à ho­ra em que de­ve­ria co­me­çar uma par­ti­da, que já não foi dis­pu­ta­da, pa­ra ho­me­na­ge­ar os seus he­róis.

Ape­sar das fai­xas de lu­to que ador­nam os edi­fí­ci­os e es­tá­tu­as da ci­da­de, nin­guém quer acre­di­tar no que acon­te­ceu na lon­gín­qua Me­del­lín. Nas mon­ta­nhas de uma noi­te ter­rí­vel que aca­bou o so­nho da equi­pa que ha­via que­bra­do a ro­ti­na da pa­ca­ta ci­da­de de qua­se 200 mil ha­bi­tan­tes no in­te­ri­or de San­ta Ca­ta­ri­na.

“Cha­pe­có não é uma ci­da­de gran­de. En­con­trá­va­mo-nos com eles (jo­ga­do­res) na rua, em qual­quer lu­gar. É di­fí­cil de se re­er­guer. On­tem já foi di­fí­cil, a ci­da­de es­tá de­sal­ma­da”, con­tou Aline Fonseca, uma professora de 21 anos no bair­ro on­de fi­ca o es­tá­dio.

“Não se es­cu­ta mú­si­ca al­ta, não se es­cu­ta na­da”, com­ple­tou.

Uma dor con­ti­da no si­lên­cio, rom­pi­do pe­los adep­tos na vés­pe­ra, du­ran­te a ca­mi­nha­da que su­ce­deu a lo­ta­da mis­sa na ca­te­dral.

De­pois de anos a ba­ta­lhar nas ás­pe­ras di­vi­sões in­fe­ri­o­res do fu­te­bol bra­si­lei­ro -on­de não há câ­ma­ras ou es­tru­tu­ra e os sa­lá­ri­os, qu­an­do pa­gos, são fru­to do equi­lí­brio das aper­ta­das con­tas dos clu­bes-, a jo­vem “Cha­pe” con­se­guiu, no fim, con­quis­tar os seus adep­tos, tor­nan­do-se um ma­ta­dor de gi­gan­tes con­ti­nen­tal.

Com as con­tas sa­ne­a­das, o clu­be do in­te­ri­or de San­ta Ca­ta­ri­na pô­de dei­xar o me­do de la­do.

“Vim dar um pou­co de mim pa­ra for­ta­le­cer as fa­mí­li­as que so­frem, os ami­gos, a co­mu­ni­da­de cha­pe­co­en­se que so­fre por uma equi­pa que re­pre­sen­ta­va a nos­sa ci­da­de, os nos­sos co­ra­ções”, ex­pli­cou Vi­ní­cius Bas­sak, um pro­fes­sor de educação fí­si­ca de 28 anos que se apro­xi­ma­va de uma igre­ja pa­ra re­zar pe­los fa­le­ci­dos.

“Re­al­men­te ha­via uma pai­xão mui­to mai­or do que acre­di­tá­va­mos”, va­lo­ri­zou.

So­nhos ar­rui­na­dos

Há uma se­ma­na, a lua de mel en­tre o “Fu­ra­cão do Oes­te” e a sua so­nha­do­ra cla­que vi­veu o seu au­ge.

Di­an­te de um es­tá­dio lo­ta­do co­mo nun­ca, a Cha­pe sur­pre­en­deu o con­ti­nen­te ao se­gu­rar um em­pa­te sem go­los di­an­te do tra­di­ci­o­nal San Lo­ren­zo, da Ar­gen­ti­na. Fo­ram 90 mi­nu­tos de mui­ta ten­são, ale­gria, an­gús­tia e ner­vos à flor da pe­le que, no fim, ex­plo­di­ram nu­ma eu­fo­ria des­co­nhe­ci­da.

Pe­la pri­mei­ra vez na sua his­tó­ria, o “Fu­ra­cão” ia dis­pu­tar uma de­ci­são con­ti­nen­tal, pou­co mais de um ano de­pois de ter jo­ga­do a pri­mei­ra par­ti­da in­ter­na­ci­o­nal dos seus 43 anos de vida.

To­da a ci­da­de de Cha­pe­có es­ta­ria com os olhos gru­da­dos na te­la da te­le­vi­são, on­tem, pa­ra ver a dis­pu­ta da par­ti­da de ida con­tra o Atlé­ti­co Na­ci­o­nal, en­quan­to mui­tos pre­pa­ra­vam as su­as ca­mi­so­las ver­des pa­ra vi­a­jar até Cu­ri­ti­ba na se­ma­na que vem. Ago­ra, pre­pa­ram-se pa­ra re­ce­ber os mor­tos.

“Ain­da é di­fí­cil acre­di­tar nis­so. Acho que re­al­men­te nos da­re­mos con­ta qu­an­do che­ga­rem os fa­le­ci­dos. Es­ta­mos sen­tin­do uma dor mui­to pro­fun­da”, la­men­tou o ven­de­dor de jor­nais Val­de­mar Jar­di­ne, 50 anos.

Cu­ri­ti­ba, ago­ra, pa­re­ce es­tar a anos luz de dis­tân­cia. A ca­pi­tal do Pa­ra­ná se­ria se­de do jo­go da se­gun­da-mão con­tra o Atlé­ti­co Na­ci­o­nal, já que a Are­na Con­dá não cum­pria as exi­gên­ci­as mí­ni­mas de pú­bli­co da Con­me­bol. Na­da dis­so, po­rém, di­mi­nuiu o âni­mo dos adep­tos.

No que aca­bou sen­do a sua úl­ti­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, no do­min­go em São Pau­lo, um es­pe­ran­ço­so Caio Jú­ni­or vol­ta­va a pe­dir aos adep­tos que per­cor­res­sem os 500 qui­ló­me­tros de Cha­pe­có até Cu­ri­ti­ba pa­ra apoi­ar a sua equi­pa na fi­nal.

“Pe­ço aos adep­tos que se pro­gra­mem, sei que não é tão sim­ples ir a Cu­ri­ti­ba, mas se­ria ge­ni­al con­tar com o pe­so da cla­que. É uma fi­nal in­ter­na­ci­o­nal, um mo­men­to fan­tás­ti­co, o au­ge do clu­be. Não sa­be­mos se te­re­mos ou­tra opor­tu­ni­da­de as­sim. Va­le a pe­na o es­for­ço”, pe­dia o técnico na vés­pe­ra da vi­a­gem a Me­del­lín.

A tra­gé­dia quis que o es­for­ço mai­or pa­ra Cha­pe­có aca­bas­se por ser es­ses di­as de tris­te­za, e os me­ses que se se­gui­rão à cru­el­da­de com que de­sa­pa­re­ce­ram as su­as es­pe­ran­ças, jun­ta­men­te com as 71 pes­so­as que fa­le­ce­ram na ene­vo­a­da ma­dru­ga­da de Me­del­lín.

AFP

Des­tro­ços do avião que trans­por­ta­va mem­bros da equi­pa de fu­te­bol Re­al Cha­pe­co­en­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.