Imo­bi­liá­ria sim­pli­fi­ca aces­so a ca­sas

Jornal de Angola - - ECONOMIA - KÁ­TIA RA­MOS |

O pro­jec­to “Di­can­ga Imo­bi­liá­rio” sim­pli­fi­cou as mo­da­li­da­des de aces­so a ca­sa pró­pria pa­ra per­mi­tir que fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e pri­va­dos te­nham uma re­si­dên­cia con­dig­na na ci­da­de de Lu­an­da. A cons­tru­ção de 238 ha­bi­ta­ções do ti­po A, B e C, T3, T4 e T5, nu­ma zo­na pri­vi­le­gi­a­da da ca­pi­tal do país, foi lan­ça­do on­tem, em Lu­an­da.

Di­a­cat­te Qui­pu­co, di­rec­tor co­mer­ci­al da imo­bi­liá­ria, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que a em­pre­sa tem a fi­na­li­da­de de fa­ci­li­tar a aqui­si­ção de ca­sa pró­pria aos me­nos afor­tu­na­dos, in­cluin­do pes­so­as que não pos­su­em um ren­di­men­to men­sal fi­xo.

“Di­can­ga Imo­bi­liá­rio tem o ob­jec­ti­vo de fa­ci­li­tar o aces­so e aqui­si­ção de uma re­si­dên­cia so­ci­al a to­dos os ní­veis pe­la for­ma mais fa­ci­li­ta­da de pa­ga­men­to, ten­do co­mo pú­bli­co al­vo os jo­vens que es­tão a co­me­çar a vida e al­me­jam ter a ca­sa pró­pria”, su­bli­nhou.

O res­pon­sá­vel dis­se que a aqui­si­ção de uma re­si­dên­cia, a ser li­qui­da­da num pra­zo má­xi­mo de 35 anos, atra­vés de uma ren­da re­so­lú­vel de 55 mil kwan­zas por mês, ini­cia com uma sim­ples en­tra­da de 200 mil kwan­zas. Com a en­tre­ga dos 200 mil kwan­zas e de­pó­si­tos de 55 mil kwan­zas por mês, o cli­en­te aguar­da por um ano pa­ra a re­cep­ção da cha­ve.

O pro­jec­to con­ta com a par­ce­ria dos ban­cos An­go­la­no de In­ves­ti­men­to (BAI) e Co­mér­cio e In­dús­tria (BCI). No ca­so de o cli­en­te en­con­trar di­fi­cul­da­des na li­qui­da­ção, a imo­bi­liá­ria in­ter­ce­de co­mo ava­lis­ta na aqui­si­ção da ha­bi­ta­ção.

“Não que­re­mos ter lu­cros ime­di­a­tos. Que­re­mos aju­dar as pes­so­as a ad­qui­ri­rem a sua re­si­dên­cia de for­ma con­for­tá­vel e se­gu­ra, quer atra­vés do ca­pi­tal pró­prio, quer atra­vés de cré­di­to ban­cá­rio”, dis­se Di­a­cat­te Qui­pu­co.

A em­pre­sa es­tá a pro­mo­ver uma cam­pa­nha de pro­mo­ção, que vai até ao dia 15 de Ja­nei­ro, pa­ra o re­gis­to dos in­te­res­sa­dos em ad­qui­rir re­si­dên­cia na pri­mei­ra fa­se, que vai cons­truir 68 ca­sas. Pre­vis­tas pa­ra se­rem en­tre­gues nos fi­nais de 2017, as ca­sas er­gui­das em con­do­mí­nio aber­to de­no­mi­na­do Mo­rei­as Re­si­den­ce con­tam com cer­ti­fi­ca­ção de se­gu­ran­ça e de qua­li­da­de.

O pro­jec­to vai ser exe­cu­ta­do em qua­tro fa­ses, con­tem­plan­do áre­as de la­zer e co­mer­ci­al, cre­ches, far­má­cia, supermercado, gi­ná­sio e ou­tros ser­vi­ços. As vivendas têm rés-do­chão e pri­mei­ro andar. “Tra­ta-se da pri­mei­ra ini­ci­a­ti­va de so­lu­ções ha­bi­ta­ci­o­nais com pa­drões de qua­li­da­de e um al­to ní­vel tec­no­ló­gi­co que in­clui pes­so­as que não de­pen­dem de um sa­lá­rio, mas que exi­ge ape­nas uma fon­te de ren­di­men­to”, acla­rou.

O di­rec­tor da área co­mer­ci­al dis­se que a di­ver­si­fi­ca­ção do sec­tor es­tá a cres­cer, baseado no cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel, e con­ta com o apoio de uma equi­pa hu­ma­na qua­li­fi­ca­da que apoia na qua­li­da­de do pro­jec­to.

No âm­bi­to da cons­tru­ção ci­vil, a Di­can­ga Imo­bi­liá­rio tem de­sen­vol­vi­do pro­jec­tos de ha­bi­ta­bi­li­da­de, ca­pa­ci­da­de e ori­en­ta­ção téc­ni­ca com­pro­va­das pe­los de­mais ór­gãos de qua­li­da­de na­ci­o­nal com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia no mer­ca­do Di­a­cat­te Qui­pu­co dis­se que os res­pon­sá­veis da em­pre­sa têm cons­ci­ên­cia da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al que exer­ce nas co­mu­ni­da­des, ten­do co­mo fi­lo­so­fia de tra­ba­lho pre­zar por va­lo­res e éti­ca, res­pei­to e pro­fis­si­o­na­lis­mo. “Des­ta for­ma, pre­ten­de­mos con­tri­buir pa­ra a qua­li­da­de de vida do ci­da­dão an­go­la­no”, re­fe­riu.

Pa­ra o di­rec­tor co­mer­ci­al, es­ta é a pri­mei­ra em­pre­sa a dar so­lu­ções ha­bi­ta­ci­o­nais aos an­go­la­nos, com a apos­ta nu­ma es­tru­tu­ra em­pre­sa­ri­al só­li­da no mer­ca­do na­ci­o­nal. A em­pre­sa es­tá a apos­tar na qua­li­da­de de al­to pa­drão, na mo­der­ni­za­ção, na mão-de-obra qua­li­fi­ca­da e pri­ma pe­la co­mu­ni­ca­ção con­tí­nua en­tre os sec­to­res en­vol­vi­dos.

A imo­bi­liá­rio es­tá cer­ti­fi­ca­da e ga­ran­te pro­ces­sos e prá­ti­ca de uma or­ga­ni­za­ção ha­bi­ta­ci­o­nal apli­ca­da nos sis­te­mas de ges­tão e qua­li­da­de.

MA­RIA AUGUSTA

Di­rec­tor co­mer­ci­al da Di­can­ga Imo­bi­liá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.