Acor­do sus­ci­ta dú­vi­das

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

Os mem­bros da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP) ne­go­ci­am um acor­do pa­ra li­mi­tar a pro­du­ção e es­ti­mu­lar os pre­ços, mas nu­me­ro­sas di­ver­gên­ci­as ge­ra­vam dú­vi­das so­bre a re­al pos­si­bi­li­da­de de um con­sen­so ser al­can­ça­do na reu­nião em Vi­e­na.

No ca­so de fra­cas­so, o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo po­de con­ti­nu­ar a cair dos 50 dó­la­res, um ní­vel que os paí­ses mais de­pen­den­tes, co­mo a Ve­ne­zu­e­la e a Ni­gé­ria, con­si­de­ram in­su­fi­ci­en­tes. Há dois me­ses, em Ar­gel, os mi­nis­tros da OPEP che­ga­ram a um pré-acor­do, pa­ra con­ge­lar a pro­du­ção a um ní­vel si­tu­a­do en­tre 32,5 e 33 mi­lhões de bar­ris diá­ri­os. Tam­bém pro­me­te­ram en­con­trar um en­ten­di­men­to com ou­tros gran­des pro­du­to­res que não fa­zem par­te da or­ga­ni­za­ção, co­mo a Rússia. O ob­jec­ti­vo é es­ti­mu­lar os pre­ços bai­xos, por con­ta do ex­ces­so de ofer­ta, des­de me­a­dos de 2014.

As úl­ti­mas ho­ras fo­ram de in­ten­sas ne­go­ci­a­ções, na me­di­da em que cres­cem as dú­vi­das so­bre a von­ta­de da Ará­bia Sau­di­ta, lí­der de fac­to do car­tel, em al­can­çar um acor­do. “Cor­tar a pro­du­ção não é o úni­co ca­mi­nho. Tam­bém po­de­mos es­pe­rar uma re­cu­pe­ra­ção do con­su­mo, es­pe­ci­al­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos”, dis­se no do­min­go o mi­nis­tro Ja­led al Fa­lih. Se ha­ver con­sen­so, es­sa se­rá a pri­mei­ra vez, em oi­to anos, que a OPEP fe­cha um acor­do pa­ra re­du­zir a sua pro­du­ção.

Pa­ra já, a for­te ri­va­li­da­de en­tre o Irão e a Ará­bia Sau­di­ta e a si­tu­a­ção de guer­ra de al­guns pro­du­to­res, ame­a­çam o pac­to. Ana­lis­tas di­zem que um acor­do da OPEP, que re­pre­sen­te um ter­ço da pro­du­ção mun­di­al, não é su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer os pre­ços bai­xa­rem. Con­si­de­ram ser ne­ces­sá­ria a boa von­ta­de da Rússia, cu­jo pre­si­den­te, Vla­di­mir Pu­tin, dis­se que es­ta­va dis­pos­to a con­ge­lar, mas não re­du­zir a sua pro­du­ção, num ní­vel re­cor­de de 11 mi­lhões de bar­ris por dia, o mai­or des­de a que­da da União So­vié­ti­ca.

Pa­ra apoi­ar o pos­sí­vel acor­do, Vla­di­mir Pu­tin e o seu ho­mó­lo­go ira­ni­a­no, Ha­san Roha­ni, res­sal­ta­ram, após con­ver­sa te­le­fó­ni­ca, que as me­di­das da OPEP pa­ra li­mi­tar a pro­du­ção são “um fac­tor es­sen­ci­al da es­ta­bi­li­za­ção dos mer­ca­dos”.

Nu­ma ou­tra prova de di­fe­ren­ças en­tre os paí­ses, a Ará­bia Sau­di­ta de­ci­diu não par­ti­ci­par nas ne­go­ci­a­ções de se­gun­da-fei­ra com os paí­ses não mem­bros da OPEP.

“Co­mo to­do o mun­do te­me, há uma in­ten­sa vo­la­ti­li­da­de” pe­la reu­nião da OPEPE, dis­se Neil Wil­son, da ETX Ca­pi­tal. “Nin­guém sa­be se o acor­do pa­ra con­ge­lar a pro­du­ção é to­tal­men­te ilu­só­rio ou se re­al­men­te es­tá a pon­to de ser fe­cha­do”, acres­cen­tou. Pa­ra a OPEP, de que An­go­la faz par­te, o re­sul­ta­do des­sas ne­go­ci­a­ções tam­bém se­rá um in­di­ca­ti­vo do po­der de um car­tel fun­da­do em 1960 e que per­deu in­fluên­cia nos úl­ti­mos anos.

“O im­pac­to de qual­quer de­ci­são da OPEP so­bre os pre­ços mé­di­os de 2017 es­tá mui­to su­per va­lo­ri­za­do, con­si­de­ran­do que qual­quer re­du­ção da pro­du­ção só afec­ta­rá uma par­te re­la­ti­va­men­te pe­que­na do ‘puzz­le’ mun­di­al de ofer­ta e de­man­da”, co­men­ta­ram ana­lis­tas da JBC Energy.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.