Sector da Saú­de com mais téc­ni­cos

MU­NI­CÍ­PIO DE CALUQUEMBE NA HUÍ­LA Igre­ja Evan­gé­li­ca Si­no­dal de An­go­la aju­da a for­mar en­fer­mei­ros

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - ARÃO MARTINS

Um gru­po de 84 téc­ni­cos con­cluí­ram o cur­so mé­dio na es­pe­ci­a­li­da­de de en­fer­ma­gem e de aná­li­se clí­ni­cas na Es­co­la de Saú­de, afec­ta à Igre­ja Evan­gé­li­ca Si­no­dal de An­go­la (IESA), no mu­ni­cí­pio de Caluquembe, pro­vín­cia da Huí­la.

A for­ma­ção, com du­ra­ção de qua­tro anos, con­tou com a pre­sen­ça de es­tu­dan­tes da Huí­la, de Ben­gue­la, Luanda, Lunda Nor­te, Na­mi­be, Cuando Cubango, Bié e Cu­an­za Sul. Os no­vos téc­ni­cos de saú­de re­ce­be­ram do­min­go os cer­ti­fi­ca­dos e di­plo­ma­das, em ce­ri­mó­nia re­a­li­za­da na se­de da IESA.

Em no­me dos fi­na­lis­tas, o en­fer­mei­ro Nel­son Ka­pu­ri dis­se que o fac­to de te­rem che­ga­do ao fim do cur­so sig­ni­fi­ca um ga­nho, re­fe­rin­do que com o di­plo­ma em mão o gru­po es­tá dis­po­ní­vel em po­der con­tri­buir pa­ra a me­lho­ria do sis­te­ma na­ci­o­nal de saú­de.

Nel­son Ka­pu­ri lem­brou das di­fi­cul­da­des vi­vi­das ao lon­go do cur­so, mas dis­se que com a aju­da e ori­en­ta­ção dos pro­fes­so­res foi pos­sí­vel con­cluir a for­ma­ção mé­dia, dis­pos­tos a da­rem o seu con­tri­bu­to à na­ção.

“Es­ta­mos gra­tos pe­las con­di­ções que nos foi pro­por­ci­o­na­da pe­la di­rec­ção da es­co­la, por­que, apesar do ac­tu­al con­tex­to, de­ram-nos o apoio ne­ces­sá­rio, des­de a ali­men­ta­ção, ma­te­ri­al es­co­lar e ou­tras con­di­ções que con­tri­buí­ram pa­ra a nos­sa for­ma­ção”, dis­se.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal ad­jun­to de Caluquembe, To­mé Ti­to, dis­se que a for­ma­ção cons­ti­tui o mai­or ga­nho do ho­mem, daí a im­por­tân­cia dos no­vos pro­fis­si­o­nais da saú­de e, des­tes, se es­pe­ra o em­pe­nho e o con­tri­bu­to que ve­nham a pres­tar ao sector, con­si­de­ra­do sen­sí­vel.

Ao lan­çar pa­ra o mer­ca­do do tra­ba­lho no­vos téc­ni­cos da Saú­de, To­mé Ti­to re­co­nhe­ceu o con­tri­bu­to de­mons­tra­do pe­la igre­ja, con­si­de­ra­da o prin­ci­pal par­cei­ro do Es­ta­do. Re­cor­dou que a mai­or par­te dos pro­fis­si­o­nais da área que pres­tam ser­vi­ço no mu­ni­cí­pio e não só fo­ram for­ma­dos pe­la tra­di­ci­o­nal Es­co­la Téc­ni­ca de Saú­de de Caluquembe.

“Os jo­vens re­cém-for­ma­dos vão ser­vir a obra da igre­ja, mas não de­vem se es­que­cer de irem ao en­con­tro do em­pre­go. Es­pe­ro que nas lo­ca­li­da­des on­de fo­rem in­di­ca­dos sir­vam, com o seu sa­ber, o ci­da­dão e pro­cu­rem pres­tar um ser­vi­ço hu­ma­ni­za­do e com qua­li­da­de”, res­sal­tou.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal ad­jun­to acon­se­lhou os no­vos téc­ni­cos a te­rem o es­pí­ri­to de em­pre­en­de­do­res e cri­ar o au­to-em­pre­go, por­que, re­co­nhe­ce que não é pos­sí­vel o Go­ver­no dar em­pre­go a to­dos.

O pre­si­den­te da Igre­ja Evan­gé­li­ca Si­no­dal de An­go­la (IESA), re­ve­ren­do Di­nis Mar­co­li­no, su­bli­nhou que a Es­co­la de Téc­ni­cos da Saú­de foi cri­a­da pa­ra for­mar pro­fis­si­o­nal da área que, além de tes­te­mu­nhar o amor de Cris­to atra­vés do seu tra­ba­lho em zo­nas ru­rais, tam­bém pres­ta ser­vi­ços a ou­tras po­pu­la­ções, da­da a re­la­ção da igre­ja e o Go­ver­no de An­go­la.

A Es­co­la Téc­ni­ca de Saú­de de Caluquembe, além da ver­ten­te téc­ni­ca, for­ma tam­bém o ho­mem a amar o pró­xi­mo.

“A nos­sa es­co­la tem va­lo­res ba­se­a­dos no amor ao pró­xi­mo e o exer­cí­cio des­te va­lor de­ve ser per­ma­nen­te por ser um fac­tor in­subs­ti­tuí­vel”, con­cluiu o re­ve­ren­do. Di­nis Mar­co­li­no lem­brou que a hu­ma­ni­za­ção dos ser­vi­ços de saú­de é um as­sun­to que con­ti­nua a ser pre­o­cu­pa­ção do Exe­cu­ti­vo, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Saú­de.

Su­bli­nhou que os no­vos en­fer­mei­ros apren­de­ram tam­bém a amar o pa­ci­en­te, pois quan­do a di­pi­ro­na ou a as­pi­ri­na não res­pon­der, de­ve­se cla­mar o no­me de Jesus pa­ra dar saú­de ao pa­ci­en­te. A as­ses­so­ra do Mi­nis­té­rio da Saú­de, Fer­nan­da Car­do­so, dis­se que a en­fer­ma­gem não é a ci­ên­cia de tra­tar, mas sim de cui­dar, ar­gu­men­tan­do que é im­por­tan­te que os téc­ni­cos es­te­jam sem­pre dis­po­ní­veis e que de­mons­trem a ge­ne­ro­si­da­de, equi­da­de e, so­bre­tu­do, o hu­ma­nis­mo.

Fer­nan­da Car­do­so con­si­de­ra di­fí­cil a pro­fis­são de en­fer­mei­ro quan­do não exis­te o amor ao pró­xi­mo, em­bo­ra re­co­nhe­ça que no di­aa-dia dos téc­ni­cos, in­de­pen­den­te­men­te do lo­cal em que es­ti­ver a tra­ba­lhar, hão-de en­con­trar sem­pre di­fi­cul­da­des, o que vai exi­gir o re­do­brar de es­for­ços e do sa­ber ser e sa­ber fa­zer.

“É im­por­tan­te que os téc­ni­cos te­nham pre­sen­te a hu­ma­ni­za­ção e, na pres­ta­ção de saú­de, se te­nha sem­pre a éti­ca e a de­on­to­lo­gia pro­fis­si­o­nal, res­pei­to pe­los se­res hu­ma­nos, equi­pa mul­ti­dis­ci­pli­nar e pe­lo uten­te”, dis­se Fer­nan­da Car­do­so.

ARÃO MARTINS

No­vos en­fer­mei­ros e téc­ni­cos de aná­li­ses clí­ni­cas pro­me­tem apli­car os co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos pa­ra me­lho­rar a as­sis­tên­cia à po­pu­la­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.