Ca­sal e ami­go quei­ma­dos até à mor­te

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - CAR­LOS PAU­LI­NO | Me­non­gue

O Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) na pro­vín­cia do Cuando Cubango pren­deu dois dos três mar­gi­nais que na ma­dru­ga­da de sá­ba­do úl­ti­mo quei­ma­ram vi­vos um ca­sal de vi­et­na­mi­tas e um an­go­la­no, no in­te­ri­or de uma re­si­dên­cia no bair­ro Saú­de, ar­re­do­res da ci­da­de de Me­non­gue, on­de ar­ren­da­ram tem­po­ra­ri­a­men­te a vivenda, pa­ra se de­di­car ao ne­gó­cio de com­pra de tron­cos de ár­vo­res.

Du­ran­te a re­cons­ti­tui­ção do cri­me que cho­cou a po­pu­la­ção de Me­non­gue, os me­li­an­tes ex­pli­ca­ram co­mo con­se­gui­ram en­trar no in­te­ri­or da re­si­dên­cia a par­tir do tec­to e sur­pre­en­de­ram o ca­sal vi­et­na­mi­ta, Ho­ang Van Hai e Ho­angthi Van, bem co­mo o an­go­la­no Se­bas­tião Ti­mó­teo, que se en­con­tra­vam a dor­mir.

Os me­li­an­tes, em­pu­nhan­do uma ar­ma do ti­po AKM, uma pis­to­la Ma­ka­rov e du­as fa­cas, imo­bi­li­za­ram as ví­ti­mas, a quem re­ti­ra­ram 100 mil kwan­zas, um te­le­vi­sor plas­ma e três te­le­mó­veis. Não sa­tis­fei­tos com os bens rou­ba­dos, os cri­mi­no­sos exi­gi­ram mais di­nhei­ro e ou­tros ob­jec­tos de va­lor, mas as ví­ti­mas ale­ga­ram não pos­suí­rem mais na­da.

De se­gui­da, os me­li­an­tes Fran­cis­co José, Is­ra­el Di­nhei­ro Tcham­ba e Nzu­zi Di­fu­e­ne co­lo­ca­ram fi­ta-co­la na bo­ca das ví­ti­mas, amar­ra­ram as mãos e as per­nas, e pos­te­ri­or­men­te des­pe­ja­ram ga­so­li­na nos cor­pos, num úl­ti­mo es­for­ço pa­ra con­se­gui­rem ar­ran­car mais di­nhei­ro, mes­mo de­pois dos com­pra­do­res de ma­dei­ra te­rem afir­ma­do não pos­suí­rem mais qual­quer cên­ti­mo.

In­con­for­ma­dos com a res­pos­ta, os cri­mi­no­sos co­lo­ca­ram a bo­ti­ja de gás jun­to das ví­ti­mas, des­pe­ja­ram ga­so­li­na nas pa­re­des da re­si­dên­cia e, na sua re­ti­ra­da, ate­a­ram fo­go.

As três ví­ti­mas, que ti­ve­ram quei­ma­du­ras de ter­cei­ro grau, fo­ram le­va­das pa­ra o Hos­pi­tal de Me­non­gue, mas por fal­ta de con­di­ções pa­ra o tra­ta­men­to des­te ti­po de le­sões, fo­ram en­ca­mi­nha­das pa­ra o Hos­pi­tal Cen­tral do Hu­am­bo, on­de o an­go­la­no não re­sis­tiu aos fe­ri­men­tos e fa­le­ceu na ma­dru­ga­da des­ta ter­ça-fei­ra.

O ca­sal vi­et­na­mi­ta per­ma­ne­ce in­ter­na­do na sa­la de cui­da­dos in­ten­si­vos do Hos­pi­tal Cen­tral do Hu­am­bo, em es­ta­do crí­ti­co.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, o por­ta-voz do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC), Pau­lo Di­as de No­vais, ex­pli­cou que, qu­an­do os efec­ti­vos do SIC to­ma­ram co­nhe­ci­men­to da si­tu­a­ção, fo­ram ao en­cal­ço dos mar­gi­nais e, com a co­la­bo­ra­ção da po­pu­la­ção, de­te­ve Is­ra­el Di­nhei­ro Tcham­ba e Nzu­zi Di­fu­e­ne, as­sim co­mo um agen­te dos ser­vi­ços pri­si­o­nais que ven­deu a ar­ma do ti­po AKM aos de­lin­quen­tes, e a na­mo­ra­da de José Fran­cis­co, que é cúm­pli­ce do cri­me por for­ne­cer mei­as fe­mi­ni­nas que ser­vi­ram pa­ra fa­zer as más­ca­ras.

A Po­lí­cia Na­ci­o­nal apre­en­deu aos mar­gi­nais dois te­le­mó­veis, uma ar­ma do ti­po AKM, uma pis­to­la Ma­ka­rov, um te­le­vi­sor plas­ma e du­as más­ca­ras, e uma bo­ti­ja e um ma­ça­ri­co que ten­ta­ram usar na se­ma­na pas­sa­da, qu­an­do pre­ten­di­am as­sal­tar a re­si­dên­cia dos vi­et­na­mi­tas.

Pau­lo Di­as de No­vais dis­se que José Fran­cis­co, o che­fe do gru­po, es­tá fo­ra­gi­do. Há in­for­ma­ções, adi­an­tou, que vi­a­jou no do­min­go de au­to­car­ro pa­ra Lu­an­da. Os efec­ti­vos do SIC es­tão em aler­ta no sen­ti­do de o pren­de­rem, uma vez que o de­lin­quen­te per­ten­ce ao gang HDA e já co­me­teu cri­mes na ca­pi­tal do país.

O por­ta-voz do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal dis­se que os três mar­gi­nais que co­me­te­ram o cri­me be­ne­fi­ci­a­ram em Se­tem­bro des­te ano da Lei da Am­nis­tia. An­tes ser pos­to em li­ber­da­de, José Fran­cis­co es­te­ve a cum­prir uma pe­na de pri­são de oi­to anos, por rou­bo. Pau­lo Di­as de No­vais sa­li­en­tou que nos úl­ti­mos tem­pos o ín­di­ce de cri­mi­na­li­da­de da pro­vín­cia do Cuando Cubango, em par­ti­cu­lar na ci­da­de de Me­non­gue, tem au­men­ta­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te e os ac­tos são pra­ti­ca­dos prin­ci­pal­men­te por ci­da­dãos oriun­dos de Lu­an­da, Huí­la, Hu­am­bo e Ben­gue­la.

Na se­ma­na pas­sa­da, uma mu­lher de 43 anos foi vi­o­la­da e pos­te­ri­or­men­te as­sas­si­na­da no Bair­ro Paz, ar­re­do­res da ci­da­de de Me­non­gue. A Po­lí­cia Na­ci­o­nal es­tá no en­cal­ço do ho­mi­ci­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.