Mu­seu de An­tro­po­lo­gia ga­nha de­pó­si­to

PRE­SER­VA­ÇÃO DA HIS­TÓ­RIA

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL AL­BA­NO |

O De­pó­si­to Cen­tral do edi­fí­cio prin­ci­pal do Mu­seu Na­ci­o­nal de An­tro­po­lo­gia, ava­li­a­do em 194 mi­lhões de kwan­zas, per­mi­te me­lho­rar a con­ser­va­ção das pe­ças, dis­se, on­tem em Lu­an­da, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra, João Do­min­gos Cons­tan­ti­no.

A cons­tru­ção do edi­fí­cio, com qua­tro pi­sos, faz par­te do Pro­gra­ma de In­ves­ti­men­to Pú­bli­co (PIP), com fun­dos pú­bli­cos, ga­ran­tiu o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, que apro­vei­tou o ac­to de inau­gu­ra­ção pa­ra re­al­çar que o De­pó­si­to do Mu­seu do Dun­do vai ser inau­gu­ra­do em 2017. João Do­min­gos Cons­tan­ti­no re­co­nhe­ceu que o pro­jec­to per­mi­te dar uma no­va di­nâ­mi­ca às ac­ti­vi­da­des re­a­li­za­das no mu­seu, au­men­ta o nú­me­ro de vi­si­tan­tes e in­cen­ti­va a pes­qui­sa.

O go­ver­nan­te dis­se que des­ta for­ma es­tão cri­a­das as con­di­ções pa­ra se au­men­tar o ní­vel de co­nhe­ci­men­to dos an­go­la­nos e es­tran­gei­ros, so­bre os es­pó­li­os et­no­grá­fi­cos que des­cre­vem o quo­ti­di­a­no dos di­fe­ren­tes gru­pos et­no­lin­guís­ti­cos de An­go­la.

A vi­ce-go­ver­na­do­ra de Lu­an­da pa­ra área Po­lí­ti­ca e So­ci­al re­co­nhe­ceu ser mais um ga­nho, par­ti­cu­lar­men­te pa­ra os ci­ta­di­nos da ci­da­de ca­pi­tal, por per­mi­tir e dar a pos­si­bi­li­da­de de au­men­tar o co­nhe­ci­men­to so­bre a his­tó­ria do país.

Jo­ve­li­na Im­pe­ri­al ex­pli­cou ser uma opor­tu­ni­da­de dos es­tu­dan­tes alar­ga­rem os co­nhe­ci­men­tos so­bre a ri­que­za e a di­ver­si­da­de das co­lec­ções exis­ten­tes no mu­seu, dos prin­ci­pais gru­pos et­no­lin­guís­ti­cos de An­go­la, pro­du­ção ma­te­ri­al e ima­te­ri­al, às cri­a­ções ar­tís­ti­cas e cul­tu­rais dos po­vos que de cer­ta for­ma des­cre­vem o seu quo­ti­di­a­no.

Ape­lou a con­ser­va­ção do mes­mo e que con­si­ga cum­prir com os ob­jec­ti­vos pa­ra o qual foi cons­truí­do em be­ne­fí­ci­os de to­dos os an­go­la­nos. “Es­pe­ra­mos que ago­ra os es­tu­dan­tes e pes­qui­sa­do­res pos­sam com mai­or frequên­cia pro­cu­rar o mu­seu pa­ra au­men­ta­rem os seus co­nhe­ci­men­tos so­bre a His­tó­ria de to­dos nós.”

Ne­ces­si­da­des do mu­seu

O di­rec­tor do Mu­seu da An­tro­po­lo­gia dis­se que ape­sar de ter exis­ti­do um in­ves­ti­men­to no do­mí­nio da for­ma­ção de qua­tros, a ins­ti­tui­ção ne­ces­si­ta de mais téc­ni­cos na área da con­ver­sa­ção pre­ven­ti­va, in­ten­si­va (cu­ra­ti­va), his­to­ri­a­do­res, so­ció­lo­gos, an­tro­pó­lo­gos e lin­guís­ti­cos, de ma­nei­ra a dar res­pos­tas ao nú­me­ros de vi­si­tan­tes que pro­cu­ram os ser­vi­ços do mu­seu.

Ál­va­ro Ge­or­ge ex­pli­cou que até ao fi­nal do ano a ins­ti­tui­ção mu­se­o­ló­gi­ca es­tá num pro­ces­so de cri­a­ção de con­di­ções da ex­po­si­ção do seu acer­vo e aco­mo­da­ção, pa­ra pres­tar um me­lhor ser­vi­ço pú­bli­co a par­tir do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017. Na no­va in­fra-es­tru­tu­ra, dis­se, es­tão ex­pos­tas três mil pe­ças das seis mil que po­de al­ber­gar. O De­pó­si­to Cen­tral, con­tí­guo ao edi­fí­cio prin­ci­pal do Mu­seu Na­ci­o­nal de An­tro­po­lo­gia, lo­ca­li­za­do na Bai­xa de Lu­an­da, é um es­pa­ço in­dis­pen­sá­vel pa­ra a con­ser­va­ção da mai­or par­te das co­lec­ções do mu­seu que lhe per­mi­te di­ver­si­fi­car as su­as ofer­tas edu­ca­ti­vas atra­vés das ex­po­si­ções tem­po­rá­ri­as.

Ál­va­ro Ge­or­ge re­co­nhe­ceu que o fun­ci­o­na­men­to do De­pó­si­to Cen­tral, bem co­mo as con­di­ções de pre­ser­va­ção e se­gu­ran­ça do acer­vo, não de­vem ser­vir so­men­te a ge­ra­ção que o cons­ti­tuiu mas tam­bém as ge­ra­ções à fren­te, pe­lo que to­dos os mei­os de­vem ser em­pre­gues pa­ra que as co­lec­ções du­rem mui­tos sé­cu­los.

O De­pó­si­to Cen­tral

O no­vo edi­fí­cio é cons­ti­tuí­do por uma fa­cha­da ar­ro­ja­da de ven­ti­la­ção na­tu­ral. Es­te con­cei­to de fa­cha­da pro­por­ci­o­na um bom iso­la­men­to tér­mi­co, re­du­zin­do os gas­tos ener­gé­ti­co, com tem­pe­ra­tu­ras in­ter­nas mais ame­nas. O ruí­do ex­ter­no é re­du­zi­do e as van­ta­gens são mui­tas na me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va do con­for­to do edi­fí­cio.

O De­pó­si­to pre­ten­de ser uma ex­ten­são con­tem­po­râ­nea ao con­jun­to clás­si­co exis­ten­te, por for­mas a ga­ran­tir a har­mo­nia das par­tes ao ní­vel for­mal e de uti­li­za­ção. O edi­fí­cio é di­vi­di­do em qua­tro pi­sos. Tem o es­pa­ço do es­ta­ci­o­na­men­to, áre­as téc­ni­cas (cis­ter­nas, gru­po ge­ra­dor, de­pó­si­to de ga­só­leo e qua­dro ge­ral de elec­tri­ci­da­de).

Tem um aces­so fá­cil pa­ra a car­ga e des­car­gas ao mon­ta-car­gas e uma co­mu­ni­ca­ção de ser­vi­ço pa­ra o edi­fí­cio que de­ve es­tar em con­so­nân­cia com a li­ga­ção ao Mu­seu Na­ci­o­nal de An­tro­po­lo­gia.

NU­NO FLASH

Se­cre­tá­rio de Es­ta­do ga­ran­te que o De­pó­si­to Cen­tral per­mi­te dar uma no­va di­nâ­mi­ca ao Mu­seu

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.