O nas­ci­men­to das gran­des ci­da­des

Jornal de Angola - - PARTADA - LU­CI­A­NO RO­CHA |

As gran­des ci­da­des, pó­los de atrac­ção de pes­so­as de vá­ri­as ori­gens ge­o­grá­fi­cas e so­ci­ais, cons­ti­tu­em sem­pre, por is­so mes­mo, um mo­sai­co de costumes, fa­la­res e cores que a vão trans­for­man­do gra­du­al­men­te até se­rem ti­dos co­mo nor­mais.

Luanda não é - ja­mais po­dia ser - ex­cep­ção. Olhe-se pa­ra as gran­des me­tró­po­les e com­pro­va-se is­so. São Pau­lo, Rio de Ja­nei­ro, Buenos Aires, Lis­boa, Pa­ris, No­va Ior­que são exem­plos flagrantes des­ta re­a­li­da­de. Não há pro­gra­mas, nem Pla­nos Di­rec­to­res, que im­pe­çam as trans­for­ma­ções. Quan­do mui­to po­dem dar-lhes al­gu­ma “ar­ru­ma­ção”, mas sem­pre ten­do em con­ta, e acei­tan­do, de­ter­mi­na­das me­ta­mor­fo­ses, per­ce­ben­do-as. Qual­quer da­que­las gran­des ci­da­des não eram o que são ho­je se não ti­ves­sem aco­lhi­do gen­tes de ou­tros lu­ga­res, com ou­tras for­mas de vi­ver, na mai­o­ria das ve­zes, pe­lo me­nos de iní­cio, mal acei­tes.

A gran­de al­te­ra­ção re­gis­ta­da nas úl­ti­mas dé­ca­das em Luanda tor­na­se mais evi­den­te por mo­ti­vos que ape­nas não per­ce­be quem não quer. A guer­ra de­vas­ta­do­ra que nos im­pu­se­ram le­vou mi­lhões de com­pa­tri­o­tas a re­fu­gi­a­rem-se na ca­pi­tal, a zo­na mais se­gu­ra do país, trans­for­man­do-a em to­dos os sen­ti­dos. O ka­lu­an­da aco­lheu-os. Viu-os ao la­do da ca­sa cons­truí­rem “abri­gos” de tá­bu­as mal pre­ga­das, cha­pas, pa­pe­lões, ole­a­dos. A rua on­de mo­ra­va trans­for­ma­da em mer­ca­do de vender tu­do o que era pos­sí­vel vender. En­trar-lhe no quin­tal, no al­mo­ço de sá­ba­do, chei­ros de co­mi­da que não co­nhe­cia, fa­las que não en­ten­dia e foi so­li­dá­rio. Quan­do o cau­dal de trân­si­to au­men­tou ba­ra­fus­tou, mas não os cul­pou. Aos pou­cos in­te­grou­os. Re­ce­beu-lhes há­bi­tos, uni­ram fa­mí­li­as, mis­tu­ra­ram pa­la­da­res e sons. Ri­ram jun­tos. Jun­tos la­men­ta­ram a guer­ra que lhes rou­bou en­tes que­ri­dos, uni­ram so­nhos de uma Pá­tria de paz, re­con­ci­li­a­ção, pro­gres­so. Ain­da no tem­po de em­bos­ca­das a qual­quer mo­men­to os que vi­e­ram das pro­vín­ci­as, prin­ci­pal­men­te os ma­tu­en­ses, quan­do even­tu­al­men­te re­ce­bi­am en­co­men­das não fo­ram egoís­tas. Re­tri­buí­ram a solidariedade e re­par­ti­ram-nas com o vi­zi­nho da ca­pi­tal.

Jun­tos co­me­mo­ra­ram o ca­lar dos ti­ros e de mãos da­das co­me­ça­ram a re­cons­truir o país, tor­na­ram tran­si­tá­veis os ca­mi­nhos mi­na­dos, re­er­gue­ram pontes, es­co­las, hos­pi­tais, re­fi­ze­ram ci­da­des, em­be­le­za­ram-nas. Quan­do o ka­lu­an­da per­gun­ta­va aos fu­gi­dos da guer­ra por que não vol­ta­vam à ter­ra e dei­xa­vam a con­fu­são da ca­pi­tal, mui­tos res­pon­di­am-lhe com con­vic­ção que a ter­ra de­les “agora é Luanda e os fi­lhos, até ne­tos, já nas­ce­ram aqui, não dá mais pa­ra co­me­çar tu­do de no­vo”. Ti­nham ra­zão. São eles, tam­bém, que es­tão a fa­zer nas­cer a no­va Luanda, a gran­de me­tró­po­le, com to­dos os prós e con­tras, co­mo to­das as ou­tras de qual­quer par­te do mun­do. Bem à ma­nei­ra an­go­la­na, quan­do se vi­si­tam na ho­ra de se en­con­tra­rem gos­tam de fa­lar “co­mo é fa­mí­lia?” e na des­pe­di­da “es­ta­mos jun­tos”.

Os fi­lhos de am­bos es­tu­da­ram nas mes­mas es­co­las, nas mes­mas uni­ver­si­da­des, gos­tam de ham­búr­gue­res, piz­zas, co­las, ku­du­ro, tar­ra­chi­nha, guet­to zouk e ri­em dos pais que não dis­pen­sam os al­mo­ços de sá­ba­do que ter­mi­nam quan­do a lua já es­tá can­sa­da, jo­gam su­e­ca e re­vi­vem far­ras de bo­le­ros, sem­bas e tan­gos, mui­tas ve­zes em sa­lões de ter­ra ba­ti­da. Bor­ri­fa­da, pa­ra não le­van­tar po­ei­ra.

A no­va Luanda que es­tá a nas­cer não é so­men­te a das cen­tra­li­da­des, ar­ra­nha-céus, cen­tros co­mer­ci­ais, ho­téis, res­tau­ran­tes, vi­as rá­pi­das, zun­guei­ras que não zun­gam e ven­dem sen­ta­das no pas­seio, ven­de­do­ras de sal­dos que tran­sac­ci­o­nam di­nhei­ro que fal­ta nos ban­cos e ca­sas de câm­bio, car­ros que não an­dam nas ho­ras de ir tra­ba­lhar e re­gres­sar a ca­sa, tra­fu­lhas, cor­rup­tos e cor­rup­to­res. É tam­bém a do cru­za­men­to de fa­las, chei­ros, sa­bo­res, cores, há­bi­tos - tra­zi­dos, en­con­tra­dos, in­ven­ta­dos - , de mu­dan­ças ir­re­ver­sí­veis. Sem­pre com es­pe­ran­ça e um sor­ri­do nos lá­bi­os, mes­mo em al­tu­ras de ter rai­vas e von­ta­de de cho­rar.

As gran­des ci­da­des nas­cem as­sim. Mes­mo que o par­to se­ja do­lo­ro­so e pro­lon­ga­do. Luanda não fo­ge à re­gra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.