Exe­cu­ti­vo ga­ran­te pro­tec­ção e res­pei­to dos di­rei­tos hu­ma­nos

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Exe­cu­ti­vo angolano es­tá a im­ple­men­tar po­lí­ti­cas e pro­gra­mas pa­ra ga­ran­tir a efec­ti­va­ção dos di­rei­tos fun­da­men­tais con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção e nos Tra­ta­dos In­ter­na­ci­o­nais, afir­mou on­tem, em Luanda, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Bento Bembe fez a afir­ma­ção na aber­tu­ra da me­sa re­don­da so­bre as re­co­men­da­ções não acei­tes por An­go­la no re­la­tó­rio da Re­vi­são Pe­rió­di­ca Uni­ver­sal (RPU), um me­ca­nis­mo do Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos das Na­ções Uni­das de apri­mo­ra­men­to da si­tu­a­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos no país.

O me­ca­nis­mo de RPU cons­ti­tui um ins­tru­men­to cons­tru­ti­vo e efi­caz de apri­mo­ra­men­to da si­tu­a­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos no país. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do re­fe­riu que os avan­ços re­cen­tes re­gis­ta­dos por An­go­la mos­tram que os di­rei­tos hu­ma­nos e o de­sen­vol­vi­men­to são com­ple­men­ta­res e re­for­çam­se mu­tu­a­men­te.

“É com gran­de sa­tis­fa­ção que ve­mos ho­je uma An­go­la a cres­cer. Con­de­na­mos to­da e qual­quer vi­o­la­ção e es­ta­mos em­pe­nha­dos em ga­ran­tir o aces­so às po­lí­ti­cas pú­bli­cas por to­dos os ci­da­dãos”, de­cla­rou.

Os an­go­la­nos acre­di­tam e tra­ba­lham pa­ra uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral na so­ci­e­da­de e no Es­ta­do, em fa­vor de uma cul­tu­ra de paz, de­mo­cra­cia e de di­rei­tos hu­ma­nos, re­fe­riu Bento Bembe, lem­bran­do que a pro­tec­ção e a pro­mo­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos, con­sa­gra­das na Car­ta Mag­na, cons­ti­tu­em fun­da­men­tos do Es­ta­do angolano.

“No mais re­cen­te pe­río­do de nos­sa his­tó­ria, An­go­la es­co­lheu a de­mo­cra­cia e os di­rei­tos hu­ma­nos co­mo ca­mi­nho ina­ba­lá­vel”, as­se­ve­rou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos, elu­ci­dan­do que a con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia an­go­la­na alia os di­rei­tos ci­vis e po­lí­ti­cos aos eco­nó­mi­cos, so­ci­ais e cul­tu­rais, num pro­ces­so de in­clu­são so­ci­al que ga­ran­te a in­di­vi­si­bi­li­da­de dos di­rei­tos hu­ma­nos.

A es­te res­pei­to, des­ta­cou a tra­jec­tó­ria de cons­tru­ção com­par­ti­lha­da de po­lí­ti­cas pú­bli­cas com a participação da so­ci­e­da­de ci­vil, por meio da aus­cul­ta­ção a to­das as ca­ma­das so­ci­ais.

Lem­brou ain­da que An­go­la pos­sui um pro­jec­to de de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal no qual in­te­ra­gem o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e o apro­fun­da­men­to da in­clu­são so­ci­al e dos di­rei­tos hu­ma­nos.

“An­go­la aten­deu a mai­o­ria dos com­pro­mis­sos as­su­mi­dos no qua­dro da re­a­li­za­ção dos ob­jec­ti­vos de de­sen­vol­vi­men­to do mi­lé­nio, in­te­gran­do ao seu cum­pri­men­to à pers­pec­ti­va dos di­rei­tos hu­ma­nos”, afir­mou.

Des­de o es­ta­be­le­ci­men­to do me­ca­nis­mo (em 2006), con­ti­nu­ou, An­go­la foi ava­li­a­da du­as ve­zes: em 2010 e 2015, sen­do que na úl­ti­ma apre­ci­a­ção, apro­va­da por una­ni­mi­da­de pe­los mem­bros do Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos, o país re­ce­beu 226 re­co­men­da­ções, das quais to­mou no­ta de 34, cu­jos te­mas fo­ram on­tem ana­li­sa­dos.

Das re­co­men­da­ções não acei­tes, fo­ram ana­li­sa­das “A des­cri­mi­na­li­za­ção da ca­lú­nia e a di­fa­ma­ção”, “Ins­ti­tui­ção na­ci­o­nal pa­ra os di­rei­tos hu­ma­nos, de acor­do com os prin­cí­pi­os de Pa­ris”, “A Con­ven­ção pa­ra a pre­ven­ção e re­pres­são do cri­me de ge­no­cí­dio e o Es­ta­tu­to de Ro­ma” e “A ade­são à prá­ti­ca so­bre a ini­ci­a­ti­va de trans­pa­rên­cia nas in­dús­tri­as ex­trac­ti­vas”.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Bento Bembe fa­lou das po­lí­ti­cas do Exe­cu­ti­vo pa­ra a efec­ti­va­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.