Me­ta­de da po­pu­la­ção da RCA pre­ci­sa de aju­da de emer­gên­cia

Con­fron­tos no úl­ti­mo tri­mes­tre re­sul­ta­ram em cen­te­nas de mor­tes e des­lo­ca­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

A mi­nis­tra pa­ra o Bem Es­tar e Re­con­ci­li­a­ção da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA) dis­se ter­ça-fei­ra, em Ge­ne­bra, que qua­se me­ta­de da po­pu­la­ção do seu país pre­ci­sa de as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria.

Vir­gi­nie Bai­koua fa­la­va ao la­do do co­or­de­na­dor hu­ma­ni­tá­rio da ONU pa­ra a RCA, Fabrizio Ho­chs­child, que pe­diu “mais aten­ção e apoio” da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pa­ra o que con­si­de­rou “uma cri­se hu­ma­ni­tá­ria es­que­ci­da”.

A RCA, apesar do imen­so po­ten­ci­al agrí­co­la, tem das mais al­tas ta­xas de des­nu­tri­ção cró­ni­ca do mun­do, que afec­ta uma en­tre du­as cri­an­ças, “é dos paí­ses mais po­bres e ne­gli­gen­ci­a­dos do mun­do, e os con­fli­tos ape­nas pi­o­ram a si­tu­a­ção”, re­fe­riu o re­pre­sen­tan­te da ONU.

Nos úl­ti­mos três me­ses, ocor­re­ram seis con­fron­tos que re­sul­ta­ram em cen­te­nas de mor­tes e de­ze­nas de mi­lha­res de de­sa­lo­ja­dos, as ta­xas de mor­ta­li­da­de ma­ter­na e in­fan­til es­tão en­tre as mais al­tas do mun­do e a in­se­gu­ran­ça, o fra­co aces­so à água po­tá­vel e a cui­da­dos de saú­de es­tão en­tre os gran­des pro­ble­mas da RCA, afir­mou.

Fabrizio Ho­chs­child in­for­mou que um en­tre 10 cen­tro-afri­ca­nos vi­ve co­mo re­fu­gi­a­do e a mai­o­ria pro­cu­rou abri­go nos Ca­ma­rões, e des­ta­cou que “es­for­ços hu­ma­ni­tá­ri­os são crí­ti­cos pa­ra es­ta­bi­li­zar a RCA nu­ma al­tu­ra que são tra­ta­das as ques­tões po­lí­ti­cas, de de­sen­vol­vi­men­to e de se­gu­ran­ça”.

O Pla­no de Res­pos­ta Hu­ma­ni­tá­ria da ONU pa­ra aten­der a RCA no pró­xi­mo ano e aju­dar 1,6 mi­lhões de ci­vis cus­ta 400 mi­lhões de dó­la­res, con­cluiu Fabrizio Ho­chs­child.

A Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Unids anun­ci­a­ram no iní­cio do mês, nu­ma Con­fe­rên­cia de do­a­do­res re­a­li­za­da em Bru­xe­las pa­ra aju­dar os cen­tro-afri­ca­nos, que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal en­vi­ou “si­nais for­tes” de apoio aos es­for­ços de paz e de de­sen­vol­vi­men­to com a pro­mes­sa - ain­da não cum­pri­da - de dis­po­ni­bi­li­zar 2,28 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra a RCA.

Cri­an­ças são afec­ta­das

An­tes da con­fe­rên­cia de do­a­do­res de Bru­xe­las, que ini­ci­al­men­te pre­ten­dia con­se­guir 3 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra a RCA, o UNICEF re­ve­lou que as cri­an­ças re­pre­sen­tam me­ta­de dos 850 mil cen­tro-afri­ca­nos des­lo­ca­dos in­ter­nos ou re­fu­gi­a­dos nos paí­ses vi­zi­nhos, e que mais de um ter­ço das cri­an­ças não fre­quen­ta a es­co­la.

Aque­la agência da ONU aler­tou que pe­lo me­nos 41por cen­to dos me­no­res de cin­co anos so­frem de des­nu­tri­ção cró­ni­ca e que des­de 2013 en­tre seis mil e 10 mil fo­ram re­cru­ta­dos por gru­pos re­bel­des ar­ma­dos cen­tro-afri­ca­nos. Pa­ra re­ver­ter o qua­dro, o UNICEF de­fen­de que as cri­an­ças se­jam prioridade no pla­no de re­cu­pe­ra­ção, que de­ve dar pri­ma­zia à saú­de e à edu­ca­ção pa­ra os mais vul­ne­rá­veis.

As de­si­gual­da­des eco­nó­mi­cas, a dis­pa­ri­da­de de opor­tu­ni­da­des en­tre as po­pu­la­ções ur­ba­nas e ru­rais e ten­sões ét­ni­cas “ali­men­ta­ram um res­sen­ti­men­to que ain­da per­du­ra” e o con­fli­to ini­ci­a­do em 2102, re­fe­riu o UNICEF. “As ques­tões da jus­ti­ça, da pro­tec­ção e do com­ba­te à cor­rup­ção são fun­da­men­tais pa­ra a cons­tru­ção de um país que pro­te­ja os seus ci­da­dãos e re­for­ce o Es­ta­do de di­rei­to”, con­cluiu o co­mu­ni­ca­do do UNICEF.

Vi­o­lên­cia con­tí­nua

Na se­ma­na pas­sa­da, pe­lo me­nos 85 pes­so­as mor­re­ram e 76 fi­ca­ram fe­ri­das nos mais re­cen­tes con­fron­tos en­tre gru­pos ar­ma­dos ri­vais cen­tro­a­fri­ca­nos na re­gião de Bria, anun­ci­ou ter­ça-fei­ra o Con­se­lho Es­pe­ci­al das Na­ções Uni­das pa­ra a pre­ven­ção do ge­no­cí­dio e con­fir­mou o por­ta­voz ofi­ci­al da pre­si­dên­cia da RCA, Al­bert Mop­kem.

A vi­o­lên­cia en­tre fac­ções ri­vais Se­le­ka, de mai­o­ria mu­çul­ma­na, co­me­çou há uma se­ma­na na ci­da­de de Bria, a 400 qui­ló­me­tros a nor­des­te de Ban­gui, e cau­sou 85 mor­tos, ci­vis, 76 fe­ri­dos e cer­ca de 11.000 pes­so­as fo­ram obri­ga­das a sair da lo­ca­li­da­de.

Os con­fron­tos opõem dois gru­pos ar­ma­dos que sur­gi­ram da an­ti­ga co­li­ga­ção re­bel­de Se­le­ka, a Fren­te Pa­trió­ti­ca pa­ra o Re­nas­ci­men­to da RCA (FPRC), li­de­ra­da por Nour­re­di­ne Adam, e a União pa­ra a Paz na RCA (UPC), por Ali Da­rass.

Da­dos es­ti­mam que a RCA é dos paí­ses mais po­bres do mun­do. A ONU tem no país cer­ca de 12.500 efec­ti­vos na sequên­cia de vi­o­lên­cia sec­tá­ria que eclo­diu em Mar­ço de 2013, após o afas­ta­men­to do Pre­si­den­te Fran­çois Bo­zi­ze, cris­tão, pe­la ali­an­ça re­bel­de Se­le­ka, mu­çul­ma­na.

AFP

Si­tu­a­ção de con­fli­to na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na pro­vo­ca mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos e des­lo­ca­dos in­ter­nos in­cluin­do mu­lhe­res e cri­an­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.