OPEP dis­pos­ta a alar­gar cor­tes

Pro­mes­sa de re­du­ção é ame­a­ça­da pe­la al­ta da pro­du­ção nor­te-ame­ri­ca­na

Jornal de Angola - - PARTADA -

Os mem­bros da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP) têm uma “for­te dis­po­si­ção” de es­ten­der o pe­río­do de du­ra­ção do acor­do pa­ra cor­tar a pro­du­ção da ma­té­ria-pri­ma, quan­do as au­to­ri­da­des do “car­tel” se reu­ni­rem em Maio pró­xi­mo, afir­mou o mi­nis­tro da Ener­gia da Ará­bia Sau­di­ta, Kha­lid al-Fa­lih.

Os mem­bros da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP) têm uma “for­te dis­po­si­ção” de es­ten­der o pe­río­do de du­ra­ção do acor­do pa­ra cor­tar a pro­du­ção da ma­té­ria-pri­ma, quan­do as au­to­ri­da­des do “car­tel” se reu­ni­rem em Maio pró­xi­mo, afir­mou, em en­tre­vis­ta, o mi­nis­tro de Ener­gia da Ará­bia Sau­di­ta, Kha­lid al-Fa­lih.

Os paí­ses pro­du­to­res de pe­tró­leo de den­tro e de fo­ra da OPEP já de­mons­tram um “de­sem­pe­nho im­pres­si­o­nan­te” pa­ra con­ter o flu­xo de bar­ris no mer­ca­do, des­de o acor­do al­can­ça­do no fi­nal de 2016, pa­ra re­du­zir a pro­du­ção to­tal em 1,2 mi­lhões de bar­ris por dia, disse Kha­lid al-Fa­lih.

O mi­nis­tro sau­di­ta disse ain­da que ele e as ou­tras au­to­ri­da­des mo­ni­to­ri­zam de perto os ní­veis de stocks de pe­tró­leo, an­tes de de­ci­dir se es­ten­dem os cor­tes. Os stocks não têm re­cu­a­do co­mo es­pe­ra­vam os mem­bros da OPEP, mas ain­da há tem­po pa­ra is­so mu­dar an­tes da pró­xi­ma reu­nião do car­tel, re­fe­riu.

Kha­lid al-Fa­lih disse que os mem­bros acre­di­tam que o acor­do, apoi­a­do pe­las na­ções de fo­ra do gru­po, en­tre elas a Rússia, fun­ci­o­na bem e leva a cor­tes acen­tu­a­dos na pro­du­ção. “As mi­nhas con­ver­sas com co­le­gas da OPEP e de fo­ra do gru­po dão um al­to grau de con­fi­an­ça de que o de­sem­pe­nho im­pres­si­o­nan­te que te­mos vis­to irá me­lho­rar” em ter­mos de cum­pri­men­to dos cor­tes, disse. Fon­tes li­ga­das ao as­sun­to dis­se­ram que a OPEP de­ba­te em pri­va­do, nas úl­ti­mas se­ma­nas, se am­plia a du­ra­ção dos cor­tes. O Kuwait foi o pri­mei­ro país do Gol­fo Pér­si­co ali­a­do da Ará­bia Sau­di­ta a pe­dir a ex­ten­são dos cor­tes. O Irão, mem­bro da OPEP, também pe­diu is­so, em­bo­ra o pró­prio país não te­nha uma me­ta de cor­te na pro­du­ção.

Al­guns mem­bros da OPEP não cum­pri­ram as su­as me­tas, mas a Ará­bia Sau­di­ta cor­tou além do pro­me­ti­do. Se­gun­do a OPEP, o país re­du­ziu a sua pro­du­ção em 800 mil bar­ris por dia des­de Ou­tu­bro, cer­ca de 300 mil bar­ris por dia a mais que o com­bi­na­do.Na se­ma­na pas­sa­da, em pri­va­do, Kha­lid al-Fa­lih fa­lou com as au­to­ri­da­des da Rússia e do Ira­que e mos­trou-se frus­tra­do com o pro­gres­so len­to pa­ra o cor­te na pro­du­ção des­tes, se­gun­do fon­tes li­ga­das ao as­sun­to. Pes­so­as ba­li­za­das no as­sun­to con­fir­ma­ram que os dois paí­ses as­se­gu­ra­ram que es­tão com­pro­me­ti­dos com o cor­te.

In­ves­ti­do­res

Os con­tra­tos fu­tu­ros de pe­tró­leo ope­ram com al­gu­ma es­ta­bi­li­da­de, em meio a si­na­li­za­ções de que a Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo po­de es­ten­der os cor­tes de pro­du­ção e os al­tos”stocks” dos Estados Unidos.

Os pre­ços mantém-se pró­xi­mos dos me­no­res pa­ta­ma­res em três me­ses e meio, num am­bi­en­te de dú­vi­das so­bre se o acor­do da OPEP con­se­gue mes­mo di­mi­nuir os stocks da ma­té­ria-pri­ma que têm su­bi­do nos úl­ti­mos me­ses.

“O fo­co mantém-se nos al­tos ní­veis dos stocks mun­di­ais que, de acor­do com o úl­ti­mo re­la­tó­rio da OPEP, per­ma­ne­cem em 278 mi­lhões de bar­ris aci­ma da mé­dia mó­vel de cin­co anos em Ja­nei­ro”, afir­mou Mi­cha­el Poul­sen, ge­ren­te de ris­co de pe­tró­leo da Glo­bal Risk Ma­na­ge­ment.

A pro­mes­sa do car­tel de re­du­zir a sua pro­du­ção, em­bo­ra pa­re­ça es­tar man­ti­da, é ame­a­ça­da pe­la al­ta da pro­du­ção nor­te-ame­ri­ca­na. Se­gun­do o Departamento de Ener­gia (DoE), a pro­du­ção lo­cal já ul­tra­pas­sou o nível de no­ve mi­lhões de bar­ris por dia e deve atin­gir 9,7 mi­lhões de bar­ris dia em um ano.

“Em­bo­ra a pro­du­ção nor­te-ame­ri­ca­na não de­va con­se­guir re­por os cor­tes pro­me­ti­dos es­te ano, es­ta­mos aber­tos a pos­si­bi­li­da­de de que ela sur­pre­en­da pa­ra ci­ma”, es­cre­veu Vi­vek Dhar, es­tra­te­gis­ta de ma­té­ri­as­pri­mas do Com­monwe­alth Bank. “Por ou­tro la­do, com a que­da dos pre­ços do WTI pa­ra bai­xo de 50 dó­la­res por bar­ril, o cres­ci­men­to da ex­trac­ção nos EUA po­de co­me­çar a de­sa­ce­le­rar”, con­cluiu.

EDMUNDO EUCÍLIO|BENGO|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pro­du­to­res de­mons­tram um de­sem­pe­nho im­pres­si­o­nan­te pa­ra con­ter o flu­xo no mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.