O va­lor da pa­la­vra da­da

Jornal de Angola - - PARTADA - OSVALDO GONÇALVES |

Acor­dei com um pen­sa­men­to cla­ro, não sei ao cer­to se pro­du­to de um so­nho, mas, re­sul­ta­do, te­nho a cer­te­za, de uma con­ver­sa an­ti­ga, a res­pei­to da Pa­la­vra da­da. Lem­bro-me de ter di­to que, mais do que uma dí­vi­da mo­ne­tá­ria, ca­so dis­so se tra­te, es­ta­mos di­an­te de al­go mais pro­fun­do: a Pa­la­vra. “No prin­cí­pio era o Ver­bo, e o Ver­bo es­ta­va com Deus, e o Ver­bo era Deus.”(João 1.1).

Por mais que se fa­le a res­pei­to, não se tra­ta de uma sim­ples ope­ra­ção de deve e ha­ver, é al­go mui­to mais pro­fun­do por se tra­tar de um ac­to de de­mons­tra­ção de con­fi­a­ça, em que se hi­po­te­ca um bem su­pe­ri­or, de va­lor ines­ti­má­vel.

Mais do que uma dí­vi­da ma­te­ri­al, a pa­la­vra da­da, so­bre­tu­do, quan­do ce­di­da, con­fi­a­da de for­ma pa­cí­fi­ca, não po­de ser con­fun­di­da com um bem rou­ba­do ou fur­ta­do, is­to é, al­go que nos se­ja re­ti­ra­do com­pul­si­va ou sor­ra­tei­ra­men­te. A dí­vi­da, quan­do pro­mes­sa, é o Ver­bo, o nos­so Ver­bo, que de­po­si­ta­mos em pá­gi­na alheia; a pes­soa não se apro­pria de um bem nos­so, nós é que a tor­na­mos fi­el de­po­si­tá­ria de um bem su­pre­mo.

Por nor­ma, acha­mos por bem re­to­car a pro­sa, usan­do pa­ra is­so laivos de po­e­sia e fa­ze­mos jus do que, ain­da que no sub­cons­ci­en­te, re­me­te­mos pa­ra o que de mais pu­ro e sa­gra­do, lo­go equi­va­len­te ou mes­mo si­nó­ni­mo de tão gran­de va­lor, jul­ga­mos pos­suir, a nos­sa Hon­ra. Em ter­mos ju­rí­di­cos, po­de en­ten­der-se a dí­vi­da, re­sul­tan­te ou acom­pa­nhan­te de pro­mes­sa, co­mo pas­so pa­ra uma bur­la. Fi­lo­so­fi­ca­men­te, a Dí­vi­da, pa­re­des-mei­as com a Pro­mes­sa, aba­na a es­tru­tu­ra de qualquer re­la­ção, por in­cluir no es­pó­lio, a Hon­ra de ca­da um.

Em geral, a con­trac­ção de uma dí­vi­da ma­te­ri­al é fei­ta a par de uma ga­ran­tia da­da por via da pa­la­vra, es­cri­ta ou di­ta, aque­la que, de fac­to, ser­ve mais co­mo cha­ve pa­ra abrir os cor­dões à bol­sa alheia, além do que não exis­tem acor­dos ver­da­dei­ros sem sor­ri­sos, por mais que se­ja uma sim­ples ex­po­si­ção dos mar­fins.

Sa­be­mos da es­tó­ria de uma mu­lher que moía car­vão ve­ge­tal sem­pre que o ma­ri­do, ba­cha­rel em Direito, mas apenas so­li­ci­ta­dor, fos­se fe­char um con­tra­to. Co­mo era fu­ma­dor, o “ca­ra-me­ta­de” ti­nha os den­tes ama­re­le­ci­dos e pa­ra ela con­ta­va mui­to a bran­cu­ra do sor­ri­so.

Um sor­ri­so aju­da nos con­tra­tos por deixar trans­pa­re­cer cer­ta con­fi­an­ça en­tre as par­tes e a bran­cu­ra dos den­tes dá mai­or vi­são ao sor­ri­so, co­mo a au­ro­ra que des­pon­ta no fi­nal de uma noi­te de bréu. Mas, co­mo di­ria a ve­lha pei­xei­ra, além da es­ca­ma lu­zi­dia, tem de se ver a ver­me­lhi­dão da guel­ra pa­ra sa­ber se a lambula é boa pa­ra o mu­fe­te.

Não bas­ta, pois, ter boa ca­ra, há que ter também co­ra­ção. Por nor­ma, é com a pei­xei­ra que o pes­ca­dor apren­de as ma­nhas usa­das em ter­ra, mas é ele o pri­mei­ro a re­cor­dar que a men­ti­ra tem per­na cur­ta. É mais fá­cil apa­nhar um men­ti­ro­so que um co­xo, pois es­te, mes­mo a man­car, põe-se a mi­lhas de dis­tân­cia sem­pre que se sen­te acos­sa­do, en­quan­to o al­dra­bão per­ma­ne­ce no lo­cal, con­fi­an­te de que uma no­va men­ti­ra da­rá cre­di­bi­li­da­de à pri­mei­ra e por aí em di­an­te, até ser apa­nha­do com a bo­ca na bo­ti­ja.

Les­to ou man­co, o men­ti­ro­so com­pul­si­vo, além de psi­co­pa­ta, é um cri­a­dor, uma es­pé­cie de re­pen­tis­ta que subs­ti­tui ca­da ver­so ri­ma­do por uma no­va men­ti­ra, até dar for­ma a um cas­te­lo de cartas que ele mes­mo acre­di­ta ser ver­da­dei­ro. Por nor­ma, o men­ti­ro­so com­pul­si­vo tem ter­cei­ros co­mo al­vo, mas a mai­or ví­ti­ma da men­ti­ra aca­ba por ser ele mes­mo, cré­du­lo da ve­ra­ci­da­de de um fac­to cri­a­do por si pró­prio.

Ver­da­dei­ro men­ti­ro­so é aque­le que de tan­to men­tir aca­ba por acre­di­tar em si mes­mo. No iní­cio, ele sa­be ser um fac­to cri­a­do, mas de­pois, pas­sa a con­si­de­rá-lo ver­da­dei­ro. O men­ti­ro­so com­pul­si­vo dri­bla qualquer in­ter­ro­ga­tó­rio dos ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia e con­se­gue su­plan­tar o de­tec­tor de men­ti­ras, pois tem al­dra­ba­dos os pró­pri­os im­pul­sos ner­vo­sos.

E quan­do o pró­prio corpo acei­ta a in­ver­da­de co­mo fac­to, so­bram in­cau­tos. Até por­que, na mai­o­ria das ve­zes, os di­tos des­pre­ve­ni­dos são“pri­mos di­rei­tos” dos al­dra­bões, gen­te que há mui­to re­ti­rou o não men­tir da lista de im­pe­ra­ti­vos ca­te­gó­ri­cos e, se ain­da não fi­ze­ram da fal­si­da­de uma ar­te, pa­ra lá ten­dem, ma­lem­bi­za­dos apenas pe­lo sor­teio das opor­tu­ni­da­des.

Não men­tir por me­do de ser apa­nha­do não anu­la de to­do o chei­ro a en­xo­fre que se diz exa­la­rem os ac­tos di­a­bó­li­cos. En­quan­to é sa­gra­do o res­pei­to pe­la pa­la­vra da­da, é mun­da­na a es­cor­re­ga­de­la na cas­ca da men­ti­ra. A úni­ca di­fe­ren­ça en­tre aque­le que men­te sim­ples­men­te e o men­ti­ro­so com­pul­si­vo es­tá na for­ma co­mo de­mons­tra a sa­tis­fa­ção. Di­ría­mos que aque­le que men­te, sor­ri di­an­te da con­su­ma­ção do fac­to, en­quan­to o men­ti­ro­so com­pul­si­vo ri-se da ví­ti­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.