E e in­de­pen­den­te

Jornal de Angola - - ARQUIVO HISTÓRICO -

Njin­je, na Zâm­bia. Des­fe­cho: a Zâm­bia de­ci­diu re­ti­rar as ba­ses da SWAPO do seu ter­ri­tó­rio;

10 de Ju­nho de 1980. As SADF ata­ca­ram as ba­ses da SWAPO no sul de An­go­la, de­sig­na­da­men­te no Ion­de, Cu­a­ma­to e Mu­lem­ba. Des­fe­cho: a SWAPO perde as su­as ba­ses avan­ça­das, com bai­xas na or­dem de 380 mor­tos;

30 de Ju­lho de 1980. As SADF ata­ca­ram as ba­ses da SWAPO no sul de An­go­la, em Chi­ta­do e Ru­a­ca­ná. Des­fe­cho: as ba­ses são des­truí­das pe­las SADF;

de 20 de Ju­nho a prin­cí­pi­os de Agos­to de 1981. As SADF ata­ca­ram as ba­ses lo­gís­ti­cas da SWAPO na par­te sul da pro­vín­cia do Cu­ne­ne. Des­fe­cho: em­bo­ra as ba­ses da SWAPO te­nham si­do des­truí­das e a sua lo­gís­ti­ca des­man­te­la­da, o PLAN con­se­guiu eva­cu­ar as ba­ses an­tes do iní­cio do ata­que. Quan­do a ope­ra­ção ter­mi­nou mui­to pou­co ti­nha si­do al­can­ça­do;

23 de Agos­to de 1981. As SADF ata­ca­ram as ba­ses da SWAPO em Xan­gon­go e Ond­ji­va, pro­vín­cia do Cu­ne­ne. Des­fe­cho: gran­de par­te do ter­ri­tó­rio do Cu­ne­ne, in­cluin­do Ond­ji­va, foi ocu­pa­do du­ran­te 7 anos;

de 8 de De­zem­bro de 1983 a 13 de Ja­nei­ro de 1984. As SADF ata­ca­ram as ba­ses mi­li­ta­res da SWAPO em Te­cha­mu­te­te, Cu­ve­lai, Qui­te­ve, Caha­ma e Xan­gon­go. Des­fe­cho: as SADF são du­ra­men­te re­cha­ça­das, o que obri­gou os po­lí­ti­cos da RSA

Ope­ra­ção Scep­tic, Ope­ra­ção Klip­klop, Ope­ra­ção Car­na­ti­on, Ope­ra­ção Pro­tea, Ope­ra­ção As­ka­ri,

a sen­ta­rem-se à me­sa de ne­go­ci­a­ções com o Go­ver­no an­go­la­no, em Fe­ve­rei­ro de 1984, em Lu­sa­ka, pa­ra dis­cu­ti­rem uma pos­sí­vel ces­sa­ção de hos­ti­li­da­des na fron­tei­ra sul de An­go­la;

A Re­pú­bli­ca de Mo­çam­bi­que, re­pre­sen­ta­da pe­lo Pre­si­den­te Sa­mo­ra Moi­sés Ma­chel, e a África do Sul, re­pre­sen­ta­da pe­lo seu Pre­si­den­te, Pe­ter Wil­lem Botha, as­si­nam a 16 de Mar­ço de 1984 os Acor­dos de Nko­ma­ti. Des­fe­cho: gran­de par­te dos di­ri­gen­tes e com­ba­ten­tes do ANC são ex­pul­sos de Mo­çam­bi­que. São aco­lhi­dos por An­go­la. (Quan­do ho­je o im­pé­rio So­nae, do mul­ti­mi­li­o­ná­rio Bel­mi­ro de Aze­ve­do, cu­jo jor­nal “Pú­bli­co” su­por­tou a gu­er­ra de Sa­vim­bi con­tra An­go­la, se ga­ba ci­ni­ca­men­te de es­co­lher Mo­çam­bi­que pa­ra es­tar “lon­ge de An­go­la”, pe­ne­tran­do pe­la Huí­la, não é sur­pre­sa)

Ope­ra­ção Nko­ma­ti. A so­be­ra­nia na Jam­ba

A aven­tu­ra bé­li­ca das SADF na Frente Su­do­es­te de An­go­la foi tra­va­da. Da­da a rá­pi­da evo­lu­ção do dis­po­si­ti­vo das FAPLA, as SADF vi­ram-se im­pos­si­bi­li­ta­das de pros­se­gui­rem a sua aven­tu­ra bé­li­ca na­que­la di­rec­ção.

Se­guin­do as di­rec­ti­vas da Gu­er­ra To­tal dos ideó­lo­gos do apartheid, as SADF re­sol­ve­ram en­tão abrir as ac­ções na di­rec­ção su­des­te, no sen­ti­do Ma­vin­ga/Cuito Cuanavale/ Me­non­gue, usan­do es­sen­ci­al­men­te as for­ças e os mei­os da UNITA pa­ra obri­ga­rem o Comando das FAPLA a di­vi­dir a po­de­ro­sa for­ça que se for­mou na di­rec­ção Caha­ma/Ond­ji­va/Ru­a­ca­ná. Si­mul­ta­ne­a­men­te, de­ci­dem con­ti­nu­ar a ata­car a in­fra­es­tru­tu­ra pe­tro­lí­fe­ra ao lon­go da cos­ta ma­rí­ti­ma an­go­la­na, tal co­mo ocor­reu com as ope­ra­ções “Ama­zon” e “Kers­lig” (Can­dle­light), di­rec­ci­o­na­das pa­ra afec­tar a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra que per­mi­tia a An­go­la apoi­ar a lu­ta da SWAPO, do ANC, da FRETLIN, da Frente Po­li­sá­rio e da OLP.

De 1984 a 1987 se­guem-se no­vas ope­ra­ções es­pe­ci­ais de­sen­ca­de­a­das pe­lo re­gi­me ra­cis­ta de Pre­tó­ria :

A 2 de De­zem­bro de 1984, du­as equi­pas das For­ças Es­pe­ci­ais das SADF re­a­li­za­ram um ata­que pa­ra des­truir a pon­te so­bre o Rio Kwan­za. Des­fe­cho: a ope­ra­ção fra­cas­sa, da­do o dis­po­si­ti­vo mi­li­tar que as FAPLA ha­vi­am ins­ta­la­do pa­ra pro­te­ger a pon­te;

A 21 de Maio de 1985, o 4.º Re­gi­men­to de Reconhecimento das SADF re­a­li­zou um ata­que con­tra a Ca­bin­da Gulf. Des­fe­cho: fra­cas­sou a ten­ta­ti­va de sa­bo­tar as ins­ta­la­ções pe­tro­lí­fe­ras em Ma­lon­go, per­ten­cen­tes à Ca­bin­da Gulf.

O re­gi­me ra­cis­ta co­me­ça, nes­ta al­tu­ra, a pro­var o sa­bor da der­ro­ta.

A cri­a­ção da Jam­ba, um pro­jec­to con­jun­to da CIA e do Apartheid apre­sen­ta­do co­mo bas­tião da UNITA de Jo­nas Sa­vim­bi, de on­de as FA­LA pas­sa­ram a lan­çar a ac­ti­vi­da­de com­ple­men­tar, obri­ga­ram as FAPLA a abrir a 6ª Re­gião Mi­li­tar, no Su­des­te do pais, com o fo­co cen­tra­do na de­fe­sa da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e da so­be­ra­nia na­ci­o­nal.

Fei­to is­so, de Agos­to de 1985 a Agos­to de 1987 as FAPLA de­sen­ca­de­a­ram uma sé­rie de ope­ra­ções pa­ra de­sa­lo­jar as for­ças mi­li­ta­res da UNITA que se en­con­tra­vam co­lo­ca­das em Ma­vin­ga e na Jam­ba, sob pro­tec­ção das SADF. A mais po­de­ro­sa des­tas ope­ra­ções, de­sig­na­da “Sau­de­mos Ou­tu­bro”, teve o seu iní­cio a 3 de Agos­to de 1987, nu­ma ofen­si­va de­ci­di­da e co­ra­jo­sa que par­tiu do Cuito Cuanavale, em di­rec­ção a Ma­vin­ga e Jam­ba. Fa­ce ao avan­ço de­ter­mi­na­do das for­ças pa­trió­ti­cas, ven­do as po­si­ções dos seus ali­a­dos ame­a­ça­das, as SADF saí­ram em so­cor­ro das FA­LA.

É aí que a África do Sul de­sen­ca­deia as su­as mais importantes ope­ra­ções mi­li­ta­res que cul­mi­na­ram na Ba­ta­lha do Cuito Cuanavale. Os com­ba­tes ti­ve­ram co­mo epi­cen­tro o Tri­ân­gu­lo do Tum­po. Fi­cou pa­ra a história mi­li­tar do con­ti­nen­te afri­ca­no co­mo um dos mais in­ten­sos cho­ques de dois exér­ci­tos, va­len­te­men­te tra­va­do pe­los an­go­la­nos.

Pa­ra o fu­tu­ro fi­ca o re­gis­to das ope­ra­ções re­a­li­za­das com mei­os mais re­for­ça­dos:

Ope­ra­ção Elec­tro­de. Ope­ra­ção Ar­gon. Ope­ra­ção Es­pe­ci­al Co­o­lid­ge.

Re­a­li­za­da por uma equi­pa de For­ças Es­pe­ci­ais do 4º Re­gi­men­to de Reconhecimento Sul-Afri­ca­no, en­tre 24 e 28 de Agos­to de 1987. Des­fe­cho: as SADF não con­se­gui­ram des­truir to­tal­men­te a pon­te so­bre o rio Cuito, em­bo­ra a ac­ção te­nha di­fi­cul­ta­do o apoio lo­gís­ti­co às FAPLA em ofen­si­va;

Lan­ça­da pe­las SADF a 13 de Se­tem­bro de 1987, teve um des­fe­cho con­trá­rio ao pre­ten­di­do: os sul-afri­ca­nos não con­se­gui­ram ex­plo­rar o êxi­to, re­ce­an­do que as FAPLA con­se­guis­sem re­gres­sar a Ma­vin­ga em 1988;

De­sen­ca­de­a­da pe­las SADF a 3 de Ja­nei­ro de 1988, a ten­ta­ti­va das SADF de pas­sa­rem pe­lo Tri­ân­gu­lo do Tum­po, num

Ope­ra­ção Mo­du­ler. Ope­ra­ção Ho­o­per.

pri­mei­ro e se­gun­do ata­que, é du­pla­men­te re­cha­ça­da pe­las FAPLA;

Fei­ta pe­las SADF a 23 de Mar­ço de 1988. Des­fe­cho: as SADF lan­çam o ter­cei­ro ata­que con­tra o Tum­po. Pa­ra além de se­rem re­cha­ça­das pe­las FAPLA, as SADF dei­xam três tan­ques Oli­fants no ter­re­no;

Ope­ra­ção Pac­ker.

Re­a­li­za­da pe­las SADF no pla­nal­to do Cham­bin­ga, em Abril de 1988. De­pois de se­rem der­ro­ta­das no Tri­ân­gu­lo do Tum­po, as SADF ba­tem em re­ti­ra­da do Su­des­te de An­go­la.

Ope­ra­ção Dis­pla­ce. For­ça­dos a ne­go­ci­ar

Co­mo mos­tra o pas­sa­do, os su­la­fri­ca­nos re­mo­ve­ram o céu e a ter­ra pa­ra im­pe­di­rem a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia. De­pois de to­das as su­as ten­ta­ti­vas te­rem si­do, por fim, frus­tra­das no Tri­ân­gu­lo do Tum­po, só e uni­ca­men­te pe­los va­lo­ro­sos com­ba­ten­tes das FAPLA, o ca­mi­nho da li­ber­da­de pa­ra os na­mi­bi­a­nos fi­cou de­fi­ni­ti­va­men­te aber­to. As SADF e as tro­pas de Sa­vim­bi fo­ram ina­pe­la­vel­men­te ver­ga­das.

Os ra­cis­tas sul-afri­ca­nos fo­ram for­ça­dos a sen­tar-se à me­sa de ne­go­ci­a­ções e a sua der­ro­ta fi­cou se­la­da com a as­si­na­tu­ra dos Acor­dos de No­va Ior­que a 22 de De­zem­bro de 1988. A ce­ri­mó­nia de No­va Ior­que deu ori­gem à apli­ca­ção ime­di­a­ta e sem mais de­lon­gas da Re­so­lu­ção 435/78 do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, con­di­ção “si­ne qua non” pa­ra a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia.

A im­por­tân­cia de An­go­la em to­do es­te pro­ces­so foi con­fir­ma­da pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te da Na­mí­bia, Sam Nu­jo­ma, nu­ma en­tre­vis­ta ex­clu­si­va con­ce­di­da à Angop pu­bli­ca­da a 1 de Agos­to de 2015: “An­go­la não só pro­vi­den­ci­ou-nos as ba­ses de re­ta­guar­da pa­ra ser­mos ca­pa­zes de lan­çar uma lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção efi­caz co­mo também deu apoio po­lí­ti­co, ma­te­ri­al e mo­ral à nos­sa lu­ta até al­can­çar­mos a li­ber­da­de e a in­de­pen­dên­cia ge­nuí­na... O MPLA aju­dou a SWAPO a lu­tar pe­la in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia pa­ra der­ru­bar o sis­te­ma do apartheid, que até en­tão vi­go­ra­va e is­so só foi pos­sí­vel de­pois da vitória do Cuito Cuanavale”.

Quan­do ques­ti­o­na­do so­bre qu­al o me­lhor mo­men­to da sua tra­jec­tó­ria co­mo lí­der da SWAPO, Sam Nu­jo­ma res­pon­deu: “Os me­lho­res mo­men­tos fo­ram o reconhecimento da SWAPO co­mo o úni­co e au­tên­ti­co re­pre­sen­tan­te do po­vo da Na­mí­bia, mas o mais im­por­tan­te foi quan­do nós con­se­gui­mos a vitória fi­nal, com a der­ro­ta do re­gi­me mi­no­ri­tá­rio do apartheid da África do Sul na ba­ta­lha de­ci­si­va do Cuito Cuanavale, que deu a li­ber­da­de e a ver­da­dei­ra in­de­pen­dên­cia à Na­mí­bia no dia 21 Mar­ço de 1990 e le­vou ao des­man­te­la­men­to do ‘apartheid’ na África do Sul em Abril de 1994”.

Os da­dos his­tó­ri­cos são in­des­men­tí­veis. Co­mo com­pro­vam os his­to­ri­a­do­res, de 1966 a 1990 fo­ram 24 anos difíceis. Du­ran­te es­se pe­río­do, o po­vo na­mi­bi­a­no não vi­rou cos­tas à sua lu­ta pe­la au­to­de­ter­mi­na­ção. Pa­ra al­can­çar a in­de­pen­dên­cia, con­tou com a aju­da in­con­di­ci­o­nal e pres­ti­mo­sa de An­go­la. Com es­te fei­to, An­go­la de­sem­pe­nhou um pa­pel fun­da­men­tal pa­ra a li­ber­ta­ção de África da do­mi­na­ção co­lo­ni­al. O Zim­babwe e a Na­mí­bia tor­na­ram-se in­de­pen­den­tes e Nelson Man­de­la foi li­ber­ta­do.

Ao con­tri­buir pa­ra o pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção na África do Sul, An­go­la po­de re­go­zi­jar-se e di­zer: “As mi­nhas mãos co­lo­ca­ram pe­dras nos ali­cer­ces do mun­do / me­re­ço o meu pe­da­ço de pão”, co­mo di­zia o Po­e­ta Mai­or Dr. António Agos­ti­nho Ne­to, na sua obra “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça”. Ain­da al­guém du­vi­da?

Os an­go­la­nos ce­le­bram em Mar­ço, mês da mu­lher, dois gran­des acon­te­ci­men­tos: a pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia, a 21 de Mar­ço de 1990, e a vitória das FAPLA na Ba­ta­lha do Cuito Cuanavale, a 23 de Mar­ço de 1988. Vol­ta­re­mos ao te­ma nos pró­xi­mos dois dias.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.