For­ta­le­cer as mulheres

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

For­ta­le­cer o po­der eco­nó­mi­co das mulheres co­mo pres­su­pos­to pa­ra as­se­gu­rar o bem-es­tar das fa­mí­li­as, so­bre­tu­do nas co­mu­ni­da­des ru­rais, cons­ti­tui a me­lhor es­tra­té­gia pa­ra er­ra­di­car o de­sem­pre­go, a po­bre­za e a fo­me. Em nu­me­ro­sas co­mu­ni­da­des, o en­vol­vi­men­to das mulheres, en­quan­to mai­or seg­men­to da po­pu­la­ção an­go­la­na, é con­di­ção "si­ne qua non" pa­ra que as cri­an­ças e ve­lhos te­nham al­go pa­ra co­mer. Tem si­do gra­ças ao tra­ba­lho ab­ne­ga­do de nu­me­ro­sas mulheres nas ac­ti­vi­da­des agrí­co­las, pes­cas e co­mér­cio que a vi­da e o dia a dia das co­mu­ni­da­des ga­nha al­gum sen­ti­do. Nas zo­nas ur­ba­nas, ca­da vez mais, e fru­to das exi­gên­ci­as ac­tu­ais, o tra­ba­lho das mulheres dei­xou de ser um cos­tu­me dos tem­pos mo­der­nos, pas­san­do a uma ne­ces­si­da­de in­clu­si­ve pa­ra au­men­tar a pro­du­ção.

Com as mulheres ac­ti­va­men­te en­vol­vi­das nas di­fe­ren­tes es­fe­ras, An­go­la po­de re­gis­tar os me­lho­res ní­veis de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. As mulheres re­pre­sen­tam a mai­o­ria da po­pu­la­ção, ra­zão pe­la qu­al cons­ti­tu­em igual­men­te o gru­po so­bre o qu­al mais in­ci­de os prin­ci­pais in­di­ca­do­res sociais ne­ga­ti­vos. A po­bre­za, o de­sem­pre­go, a fo­me, a pre­va­lên­cia de de­ter­mi­na­das do­en­ças, afec­tam na­tu­ral­men­te o mai­or seg­men­to da po­pu­la­ção e por via dis­so aque­les mem­bros da fa­mí­lia com ne­ces­si­da­des mais pre­men­tes, as cri­an­ças e os ve­lhos. Tendo em aten­ção es­ta re­a­li­da­de, as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do pu­se­ram-se em cam­po pa­ra es­tu­dar e en­sai­ar um con­jun­to de ac­ções par in­ver­ter es­ta tris­te re­a­li­da­de que, em mui­tas co­mu­ni­da­des, per­sis­te ain­da co­mo um de­sa­fio.

Pas­sou a ser uma re­a­li­da­de ine­gá­vel que re­for­çar o pa­pel das mulheres aca­ba por pro­por­ci­o­nar às fa­mí­li­as con­di­ções dig­nas de so­bre­vi­vên­cia, aten­den­do a que nu­me­ro­sas fa­mí­li­as têm pre­ci­sa­men­te as mulheres co­mo prin­ci­pal ele­men­to que as­se­gu­ra o seu ga­nha-pão. Não há dú­vi­da de que, em to­dos es­tes de­sen­vol­vi­men­tos, as po­lí­ti­cas do Exe­cu­ti­vo con­tri­buí­ram também pa­ra mu­dan­ças e me­lho­ri­as da con­di­ção da mu­lher a to­dos os ní­veis de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne. O pro­ces­so de aus­cul­ta­ção da mu­lher ru­ral, lan­ça­do em 2014 nu­ma ini­ci­a­ti­va pes­so­al do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, es­ten­deu-se por to­do o país e con­tri­buiu pa­ra au­men­tar o nú­me­ro de mulheres na gestão de pe­que­nos ne­gó­ci­os, com­ba­ter o anal­fa­be­tis­mo e po­ten­ci­ar as ini­ci­a­ti­vas lo­cais ge­ra­do­ras de ren­di­men­to.

A cri­a­ção dos con­se­lhos pro­vin­ci­ais de aus­cul­ta­ção foi dos re­sul­ta­dos mais en­co­ra­ja­do­res em to­do es­se pro­ces­so, aten­den­do ao pa­pel que es­sa es­tru­tu­ra de­sem­pe­nha no en­ca­mi­nha­men­to e ori­en­ta­ção de ac­ções co­or­de­na­das a nível das pro­vín­ci­as, sem­pre no sen­ti­do da me­lho­ria da con­di­ção da mu­lher e por ex­ten­são da fa­mí­lia. An­go­la evo­luiu mui­to na cri­a­ção de le­gis­la­ção que pro­gres­si­va­men­te con­tri­bui pa­ra for­ta­le­cer o po­der eco­nó­mi­co das mulheres, uma re­a­li­da­de que deve con­ti­nu­ar a ser en­co­ra­ja­da.

Há dias, na ci­da­de de No­va Ior­que, du­ran­te a 61.ª Ses­são da Co­mis­são so­bre a Con­di­ção da Mu­lher (CSW), que de­cor­re até ao dia 24, a mi­nis­tra da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, Fi­lo­me­na Del­ga­do, re­a­fir­mou o com­pro­mis­so do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no.

Tra­tan­do-se da mai­o­ria da po­pu­la­ção an­go­la­na, o Exe­cu­ti­vo en­ca­ra co­mo es­tra­té­gi­co o en­vol­vi­men­to das mulheres nos pro­ces­sos de de­ci­são eco­nó­mi­ca que in­ci­dam di­rec­ta­men­te so­bre em­pre­go, pro­du­ção agrí­co­la, con­ces­são de cré­di­to, al­fa­be­ti­za­ção. As mulheres es­tão em me­lho­res con­di­ções pa­ra, na bus­ca das so­lu­ções pa­ra os seus prin­ci­pais de­sa­fi­os, con­tri­buí­rem elas também pa­ra a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas públicas com o ob­jec­ti­vo de re­for­çar o seu po­der. E os re­sul­ta­dos, até on­de nos en­con­tra­mos re­la­ti­va­men­te a es­tes pro­gres­sos, de­mons­tram que o ca­mi­nho pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de pas­sa pe­las op­ções e ac­ções de­sen­ca­de­a­das, tendo em li­nha de con­ta o pa­pel das mulheres. Co­mo so­ci­e­da­de ga­nha­mos mais quan­do mulheres e ho­mens es­tão la­do a la­do a con­tri­buir pa­ra o au­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to, em vez da re­a­li­da­de até en­tão co­nhe­ci­da em que a tra­di­ci­o­nal di­vi­são so­ci­al do tra­ba­lho re­me­tia a mu­lher aos de­ve­res do­més­ti­cos.

Re­la­ti­va­men­te à nos­sa re­a­li­da­de, o im­por­tan­te é con­ti­nu­ar a ata­car as ba­ses em que as­sen­tam a me­lho­ria da con­di­ção da mu­lher, o re­for­ço do seu pa­pel tra­ba­lha­dor e em­pre­sa­ri­al, par­tin­do de fac­to­res pri­mor­di­ais co­mo o com­ba­te ao anal­fa­be­tis­mo, a pa­ri­da­de na fa­mí­lia e na co­mu­ni­da­de, bem co­mo a igual­da­de de tra­ta­men­to. Au­gu­ra­mos que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, as fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res ga­ran­tam con­di­ções e apoi­em to­das as ini­ci­a­ti­vas que vi­sem for­ta­le­cer o po­der das mulheres. Es­ta­mos to­dos a ele­var a con­di­ção de An­go­la co­mo Es­ta­do que ra­ti­fi­cou nu­me­ro­sos Tra­ta­dos e Con­ven­ções que en­co­ra­jam as mulheres, bem co­mo apri­mo­rou a sua le­gis­la­ção pa­ra me­lhor res­pon­der aos de­sa­fi­os ac­tu­ais.

O fim úl­ti­mo de to­das es­sas ini­ci­a­ti­vas, além de li­ber­tar e com­ple­men­tar as atri­bui­ções dos ho­mens, pas­sa pe­la me­lho­ria da con­di­ção de to­da a so­ci­e­da­de, co­mo já su­ce­de. Afi­nal pre­ten­de­mos to­dos que An­go­la avan­ce co­mo uma so­ci­e­da­de mo­der­na em que ho­mens e mulheres te­nham as mes­mas opor­tu­ni­da­des, di­rei­tos e de­ve­res se­me­lhan­tes, co­mo ates­tam as leis, e jun­tos con­tri­bu­am pa­ra o bem es­tar e o pro­gres­so de to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.