A men­ti­ra e a re­a­li­da­de dos cin­tos de cas­ti­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MARCELO NAGY | EFE

A ima­gem do ca­va­lei­ro me­di­e­val que par­te ru­mo às cru­za­das e dei­xa pa­ra trás a sua ama­da ale­gre e bo­ni­ta pro­te­gi­da por um cin­to de cas­ti­da­de não pas­sa de uma men­ti­ra his­tó­ri­ca e um mi­to sur­gi­do no sé­cu­lo XVIII pa­ra exem­pli­fi­car o obs­cu­ran­tis­mo des­sa épo­ca.

Es­te é o ar­gu­men­to da ex­po­si­ção “His­tó­ri­as secretas do cin­to de cas­ti­da­de. Mi­to e re­a­li­da­de”, que fi­ca­rá em car­taz até Agos­to no Mu­seu Ka­to­na Józ­sef de Kecs­ke­mét, ao sul de Bu­da­pes­te, ca­pi­tal da Hun­gria.

Na mos­tra, aber­ta apenas pa­ra mai­o­res de 16 anos, es­tão ex­pos­tos 20 exem­plos des­tes cin­tu­rões e de ou­tros ma­te­ri­ais pa­ra ex­pli­car co­mo nas­ceu es­te mi­to du­ran­te o Ilu­mi­nis­mo e co­mo es­tes ob­jec­tos evo­luí­ram de­pois.

No mu­seu, os vi­si­tan­tes de­pa­ram-se com bru­tais ob­jec­tos de me­tal com ca­de­a­dos e ori­fí­ci­os pro­te­gi­dos por den­tes de me­tal, e a pri­mei­ra per­gun­ta que surge é co­mo é que as su­as su­pos­tas usuá­ri­as po­di­am so­bre­vi­ver a eles.

“O mi­to do cin­to de cas­ti­da­de sur­giu du­ran­te o Ilu­mi­nis­mo pa­ra que es­te mo­vi­men­to se afir­mas­se co­mo uma con­tra­par­ti­da à obs­cu­ra Idade Mé­dia”, ex­pli­cou Ka­ta­lin Végh, sub-di­rec­to­ra do Mu­seu Ka­to­na Józ­sef.

In­clu­si­ve a Gran­de En­ci­clo­pé­dia Fran­ce­sa, edi­ta­da a par­tir de 1751, as­se­gu­ra­va que na Idade Mé­dia o uso do cin­to es­ta­va ge­ne­ra­li­za­do, o que con­tri­buiu pa­ra cor­ro­bo­rar es­te mi­to.

De fac­to, até uma épo­ca tão re­cen­te co­mo a dé­ca­da 90, con­si­de­ra­va-se ain­da co­mo um fac­to que na Idade Mé­dia, du­ran­te as cru­za­das, as mulheres eram obri­ga­das a usar es­ses apa­ra­tos pa­ra as­se­gu­rar a sua fi­de­li­da­de du­ran­te a au­sên­cia dos es­po­sos.

Não só na cul­tu­ra po­pu­lar, mas também ar­ti­gos ci­en­tí­fi­cos e os pró­pri­os mu­seus ali­men­ta­ram um mi­to que con­tra­diz o bom sen­so.

Só ao ob­ser­vá-los fi­ca cla­ro que o uso des­tes ob­jec­tos cau­sa­ria fe­ri­men­tos, in­clu­si­ve mor­tais, pe­lo con­tac­to com o me­tal e que são in­com­pa­tí­veis com a hi­gi­e­ne pes­so­al, por is­so cau­sa­ri­am in­fec­ções.

Além dis­so, os ca­de­a­dos que os fe­cham po­dem ser fa­cil­men­te aber­tos, anu­lan­do a sua su­pos­ta mis­são pro­tec­to­ra.

Ape­sar des­se de­sa­fio à ló­gi­ca, mu­seus co­mo o Bri­tish Mu­seum de Lon­dres e o Ger­ma­nis­ches Na­ti­o­nal­mu­seum de Nu­rem­berg, na Alemanha, con­ti­nu­am a ex­por as su­as res­pec­ti­vas co­lec­ções de cin­tu­rões de cas­ti­da­de até à se­gun­da me­ta­de da dé­ca­da de 90.

A par­tir des­te mo­men­to, o in­te­res­se da ci­ên­cia con­cen­trou-se em de­ter­mi­nar a épo­ca de fa­bri­co des­tes ob­jec­tos, “al­go que, com uma sim­ples aná­li­se de ma­te­ri­al, é pos­sí­vel ave­ri­guar”, disse Végh.

“De­pois dis­so, des­co­briu-se que to­dos es­ses ob­jec­tos eram fal­si­fi­ca­ções do sé­cu­lo XIX”, ex­pli­cou o res­pon­sá­vel do mu­seu.

O mi­to do cin­to de cas­ti­da­de tem também a sua ori­gem nos tex­tos da Ro­ma clás­si­ca que fa­lam de fi­tas, cin­tu­rões e cor­das de cas­ti­da­de, e de Vé­nus, que, se­gun­do os pes­qui­sa­do­res ac­tu­ais, não são mais que sím­bo­los, e não des­cri­ções de ob­jec­tos re­ais.

“São sím­bo­los de vir­gin­da­de e cas­ti­da­de”, res­sal­tou Végh, que acres­cen­tou que “se al­guém usas­se o cin­to de cas­ti­da­de, sig­ni­fi­ca­va que es­sa pes­soa era ino­cen­te”.

Vá­ri­os pes­qui­sa­do­res, co­mo Be­ne­dek Var­ga, di­rec­tor do Mu­seu de Me­di­ci­na Sem­melweis em Bu­da­pes­te (de on­de pro­vêm os ob­jec­tos ex­pos­tos), ques­ti­o­na­ram to­do es­te mi­to, re­a­li­zan­do pes­qui­sas his­tó­ri­cas, li­te­rá­ri­as e ci­en­tí­fi­cas.

A con­clu­são é que, na li­te­ra­tu­ra me­di­e­val, in­clu­si­ve em au­to­res de tex­tos eró­ti­cos, co­mo Boc­cac­cio e Ra­be­lais, o cin­to de cas­ti­da­de apa­re­ce mui­to pou­cas ve­zes e sem­pre com um cla­ro sen­ti­do sim­bó­li­co.

O pró­prio Mu­seu Sem­melweis re­co­nhe­ce es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de dos mu­seus na cri­a­ção des­te mi­to e afir­mou que es­tas ins­ti­tui­ções não só con­ser­vam o pas­sa­do, mas às ve­zes também uma história ima­gi­ná­ria.

Mas o que era um mi­to trans­for­mou-se em re­a­li­da­de sé­cu­los mais tar­de, quan­do no fi­nal do sé­cu­lo XIX a mas­tur­ba­ção era vis­ta co­mo um pe­ca­do e o cin­to era um re­mé­dio.

Há in­for­ma­ção de que até aos pri­mei­ros anos do sé­cu­lo XX fo­ram apre­sen­ta­das vá­ri­as pa­ten­tes de di­fe­ren­tes cin­tu­rões de cas­ti­da­de, cu­ja mis­são era evi­tar que os jo­vens se mas­tur­bas­sem.

Es­tes cin­tu­rões “mo­der­nos”, nos quais o cou­ro subs­ti­tui o me­tal, também ser­vi­am, ou pre­ten­di­am ser­vir, pa­ra pro­te­ger as mulheres de abu­sos e vi­o­lên­cia se­xu­al, num mo­men­to no qu­al elas pas­sa­ram a ocu­par es­pa­ços que, até en­tão, eram ex­clu­si­vos dos ho­mens, co­mo as fá­bri­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.