Cri­se de re­fu­gi­a­dos é a que mais cres­ce no mun­do

SI­TU­A­ÇÃO NO SU­DÃO DO SUL On­da de vi­o­lên­cia en­tre Go­ver­no e re­bel­des e fo­me cau­sa­da pe­la se­ca agu­di­za­ram fe­nó­me­no

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Al­to-Co­mis­sa­ri­a­do das Na­ções Uni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (ACNUR) con­cluiu que a cri­se de re­fu­gi­a­dos no Su­dão do Sul “cres­ce mais rá­pi­do no mun­do”, após re­ve­lar que Mar­ço atin­giu o pi­co de 5 mil pes­so­as a ten­ta­rem fu­gir do país num só dia e que uma mé­dia de 2,8 mil sul-su­da­ne­ses pe­de abri­go a ca­da 24 ho­ras em na­ções vi­zi­nhas.

A agên­cia cha­mou a aten­ção dos paí­ses pa­ra o que con­si­de­ra co­mo "cri­se dos re­fu­gi­a­dos que cres­ce mais rá­pi­do" no mun­do de­pois de su­bli­nhar que até bem re­cen­te­men­te, as no­vas che­ga­das por dia eram de cer­ca de du­as mil pes­so­as.

Em Fe­ve­rei­ro, o to­tal atin­giu seis mil sul-su­da­ne­ses.

Qua­se me­ta­de dos re­cém-che­ga­dos atra­ves­sou a fron­tei­ra pa­ra o Ugan­da, que en­fren­ta uma si­tu­a­ção crí­ti­ca no nor­te.

As ins­ta­la­ções de trân­si­to pa­ra os re­cém-che­ga­dos es­tão a fi­car so­bre­lo­ta­das e as chu­vas re­cen­tes agra­vam a mi­sé­ria.

Es­ta si­tu­a­ção ocor­re oito me­ses após a erup­ção da mais re­cen­te on­da de vi­o­lên­cia en­tre o Go­ver­no e gru­pos re­bel­des no Su­dão do Sul e de­vi­do a fo­me cau­sa­da pe­la se­ca.

Se­gun­do o Al­to-Co­mis­sa­ri­a­do das Na­ções Uni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos, o nú­me­ro de sul-su­da­ne­ses no Ugan­da che­ga a 1,6 mi­lhões, uma ta­xa con­si­de­ra­da “alar­man­te” nu­ma re­gião mar­ca­da pe­la po­bre­za e pe­la fal­ta de re­cur­sos pa­ra li­dar com o nú­me­ro de pes­so­as que fo­gem. Ou­tros paí­ses de aco­lhi­men­to de sul-su­da­ne­ses são Su­dão, Etió­pia, Qué­nia, Re­pu­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) e Re­pú­bli­ca Cen­tro-Afri­ca­na (RCA).

Res­ga­tes no Me­di­ter­râ­neo

Até on­tem, mais de três mil imi­gran­tes ti­nham si­do sal­vos nas úl­ti­mas 48 ho­ras no Ca­nal da Si­cí­lia, fran­ja de mar que liga o nor­te de África a Itá­lia, con­fir­ma­ram fon­tes da guar­da cos­tei­ra que co­or­de­na os res­ga­tes na zo­na do Me­di­ter­râ­neo.

As mes­mas fon­tes dis­se­ram à agên­cia no­ti­ci­o­sa es­pa­nho­la Efe que pre­vê-se que o nú­me­ro ve­nha a au­men­tar, aten­den­do a que du­ran­te a ma­dru­ga­da e ma­nhã es­ta­vam a ser re­a­li­za­dos mais res­ga­tes.

Nas ope­ra­ções do fim de se­ma­na, num to­tal de 24, par­ti­ci­pa­ram tan­to uni­da­des da guar­da cos­tei­ra ita­li­a­na, co­mo da mis­são eu­ro­peia Eu­nav­for­med e bar­cos de or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais. O bar­co Dat­ti­lo da guar­da cos­tei­ra res­ga­tou 1.477 pes­so­as, as quais vão de­sem­bar­car nas pró­xi­mas ho­ras no porto de Au­gus­ta, na Si­cí­lia.

Du­ran­te a ma­dru­ga­da de do­min­go, o bar­co Aqua­rius da Sos Me­di­ter­ra­nee e da Mé­di­cos Sem Fron­tei­ras res­ga­tou 946 pes­so­as, que es­ta­vam à de­ri­va em se­te lan­chas pneu­má­ti­cas e em dois bo­tes, as quais de­vem che­gar ho­je de ma­nhã ao porto de Ca­tâ­nia.

Des­de o iní­cio do ano, fo­ram res­ga­ta­dos 15.852 imi­gran­tes, mais 67 por cen­to do que em igual pe­río­do do ano pas­sa­do, se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or. A emer­gên­cia da imi­gra­ção não ces­sa e o Go­ver­no ita­li­a­no cal­cu­la que, ao lon­go des­te ano, che­guem a Itá­lia du­zen­tos e cin­quen­ta mil imi­gran­tes, ou se­ja, mais se­ten­ta mil do que em 2016.

Cri­an­ças ame­a­ça­das

En­tre­tan­to, na vés­pe­ra, o Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a In­fân­cia (UNICEF) aler­tou pa­ra ame­a­ças en­fren­ta­das por cri­an­ças mi­gran­tes e re­fu­gi­a­das. Se­gun­do a agên­cia da ONU, um ano após o en­cer­ra­men­to das fron­tei­ras de paí­ses da re­gião dos Bal­cãs e após a de­cla­ra­ção en­tre Turquia e a União Eu­ro­peia pa­ra in­ter­rom­per gran­des flu­xos mi­gra­tó­ri­os, me­no­res en­fren­tam ris­cos mai­o­res de de­por­ta­ção, de­ten­ção, ex­plo­ra­ção e pri­va­ção.

Um ano de­pois do en­cer­ra­men­to das fron­tei­ras de paí­ses da re­gião dos Bal­cãs e da de­cla­ra­ção en­tre Turquia e União Eu­ro­peia pa­ra in­ter­rom­per gran­des flu­xos mi­gra­tó­ri­os, cri­an­ças re­fu­gi­a­das e mi­gran­tes en­fren­tam ris­cos mai­o­res de de­por­ta­ção, de­ten­ção, ex­plo­ra­ção e pri­va­ção. O di­rec­tor re­gi­o­nal da agên­cia, Afshan Khan, disse que “em­bo­ra te­nha ha­vi­do uma gran­de que­da no nú­me­ro geral de cri­an­ças en­tran­do na Europa des­de Mar­ço do ano pas­sa­do, houve um au­men­to nas ame­a­ças e di­fi­cul­da­des que cri­an­ças re­fu­gi­a­das e mi­gran­tes de­vem su­por­tar”.

Pa­ra Afshan Khan, a ques­tão vi­rou “um cír­cu­lo vi­ci­o­so: cri­an­ças fo­gem de so­fri­men­to e aca­bam ou fu­gin­do de no­vo ou en­fren­tan­do de­ten­ção ou com­ple­ta ne­gli­gên­cia”.

O também co­or­de­na­dor es­pe­ci­al pa­ra a cri­se de re­fu­gi­a­dos e mi­gran­tes na Europa ex­pli­cou que a equi­pa do Unicef na Gré­cia re­gis­tou ní­veis pro­fun­dos de an­gús­tia e frus­tra­ção en­tre cri­an­ças e as su­as fa­mí­li­as e que ape­sar de me­lho­ri­as re­cen­tes nas con­di­ções de vi­da, al­gu­mas cri­an­ças de­sa­com­pa­nha­das em abri­gos so­frem stress psi­co­ló­gi­cos, com al­tos ín­di­ces de an­si­e­da­de, agres­são e vi­o­lên­cia.

A agên­cia, que também ci­ta com­por­ta­men­tos de al­to ris­co co­mo uso de dro­gas e pros­ti­tui­ção, re­fe­re que a gu­er­ra, a des­trui­ção, a mor­te de amigos e fa­mi­li­a­res e uma vi­a­gem pe­ri­go­sa, exa­cer­ba­dos por con­di­ções de vi­da ruins em cam­pos na Gré­cia ou pro­ce­di­men­tos de asi­lo lon­gos po­dem le­var a pro­ble­mas de stress pós-trau­má­ti­co.

O Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a In­fân­cia, em par­ce­ria com o go­ver­no gre­go e or­ga­ni­za­ções não­go­ver­na­men­tais par­cei­ras, dão pri­o­ri­da­de ao apoio ade­qua­do pa­ra cri­an­ças mi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos, pa­ra aten­der às su­as ne­ces­si­da­des psi­cos­so­ci­ais e de saú­de men­tal.

TONY KARUMBA|AFP

Sul-su­da­ne­ses que fo­gem da na­ção mais jo­vem do mun­do pre­ci­sam de aju­da hu­ma­ni­tá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.