Pre­ços do cru­de in­du­zem dé­fi­ces or­ça­men­tais

Cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to vai con­ti­nu­ar a ser im­pul­si­o­na­do pe­lo sec­tor pe­tro­lí­fe­ro

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

Os bai­xos pre­ços do pe­tró­leo nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais vão fa­zer com que o Or­ça­men­to Geral do Es­ta­do (OGE) con­ti­nue a apre­sen­tar dé­fi­ces sig­ni­fi­ca­ti­vos en­tre 2017 e 2021, aler­tou a Economist Intelligence Unit (EIU).

A Economist Intelligence Unit adi­an­ta no mais re­cen­te re­la­tó­rio so­bre An­go­la que, aten­den­do à fra­ca di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, o cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) vai con­ti­nu­ar a ser em­pur­ra­do pe­lo sec­tor pe­tro­lí­fe­ro e re­gis­tar uma ta­xa mé­dia de 2,8 por cen­to no pe­río­do en­tre 2017 e 2021, se com­pa­ra­do com a ta­xa de 4,1 por cen­to con­ta­bi­li­za­da no pe­río­do de 2012 a 2016.

A Economist Intelligence Unit avan­ça que a ta­xa de in­fla­ção deve man­ter-se ele­va­da, não obs­tan­te a re­du­ção dos sub­sí­di­os pú­bli­cos aos com­bus­tí­veis e a des­va­lo­ri­za­ção con­ti­nu­a­da da mo­e­da na­ci­o­nal, de­ven­do, de­pois de se si­tu­ar em 22 por cen­to es­te ano, de­sa­ce­le­rar até se si­tu­ar em apenas um dí­gi­to, em 2021, com 7,7 por cen­to.

A des­va­lo­ri­za­ção da mo­e­da na­ci­o­nal, o kwan­za, deve ter ten­dên­cia a abran­dar, re­la­ti­va­men­te aos va­lo­res atin­gi­dos em 2015/2016. Con­tu­do, diz a ins­ti­tui­ção, a fal­ta de dó­la­res no mer­ca­do ofi­ci­al deve fa­zer com que o in­ter­va­lo re­la­ti­va­men­te aos pre­ços pra­ti­ca­dos no mer­ca­do pa­ra­le­lo se man­te­nha re­la­ti­va­men­te ele­va­do. A Economist Intelligence Unit afir­ma no do­cu­men­to que o con­tro­lo da in­fla­ção vai con­ti­nu­ar a ser um dos gran­des ob­jec­ti­vos do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), que en­tre Ja­nei­ro de 2015 e Ju­nho de 2016 au­men­tou em 700 pontos ba­se a ta­xa de ju­ro de re­fe­rên­cia do mer­ca­do (Ta­xa BNA) pa­ra 16 por cen­to.

“No­vos au­men­tos da ta­xa de ju­ro de re­fe­rên­cia de­vem ter lu­gar na pri­mei­ra me­ta­de do in­ter­va­lo em aná­li­se (2017/2021), aten­den­do aos efei­tos so­bre a in­fla­ção de uma mo­e­da fra­ca, se bem que ve­nham a ser mo­de­ra­dos por pres­sões go­ver­na­men­tais, no sen­ti­do de ser adop­ta­da uma po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria me­nos res­tri­ti­va”, lê-se no re­la­tó­rio da EIU.

O cres­ci­men­to do PIB deve atin­gir o pon­to mais ele­va­do des­te pe­río­do em 2018, com uma ta­xa de 3,5 por cen­to. De­pois dis­so, es­se cres­ci­men­to deve os­ci­lar en­tre 2,8 por cen­to, em 2018 e 2021, e 2,5 por cen­to, em 2020, se­gun­do as pre­vi­sões da Economist Intelligence Unit.

No mês de Fe­ve­rei­ro, a Economist Intelligence Unit ti­nha pre­vis­to que o dé­fi­ce or­ça­men­tal de­via man­ter-se re­la­ti­va­men­te ele­va­do no pe­río­do en­tre 2017 e 2021, bai­xan­do no en­tan­to pa­ra va­lo­res com­pre­en­di­dos en­tre 5,6 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to es­te ano e 4,3 por cen­to no úl­ti­mo ano do in­ter­va­lo, de­pois de se ter si­tu­a­do em 6,6 por cen­to em 2016.

A Economist Intelligence Unit disse que a ocor­rên­cia des­tes dé­fi­ces fi­ca a de­ver-se à con­ti­nu­a­da bai­xa dos pre­ços do pe­tró­leo, o prin­ci­pal pro­du­to de ex­por­ta­ção do país, com a EIU a afir­mar que ten­de­rão a des­cer com a pas­sa­gem dos anos em aná­li­se, de­vi­do a uma me­nor pres­são no sen­ti­do da re­a­li­za­ção da des­pe­sa pú­bli­ca.

O cres­ci­men­to eco­nó­mi­co deve con­ti­nu­ar a es­tar ba­se­a­do na evo­lu­ção da pro­du­ção e dos pre­ços do pe­tró­leo, uma vez que as ini­ci­a­ti­vas no sen­ti­do da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca têm apenas um efei­to di­mi­nu­to em ter­mos glo­bais. Pe­lo que, o cres­ci­men­to médio no pe­río­do 2017/2021 deve ron­dar 2,8 por cen­to.

A mo­e­da an­go­la­na deve con­ti­nu­ar a so­frer des­va­lo­ri­za­ções, de­vi­do a fal­ta de di­vi­sas, de­cor­ren­te da con­ti­nu­a­da bai­xa dos pre­ços do pe­tró­leo, man­ten­do-se ele­va­do o afas­ta­men­to en­tre as ta­xas de câm­bio ofi­ci­ais e os pre­ços pra­ti­ca­dos nos mer­ca­dos pa­ra­le­los.

A ba­lan­ça cor­ren­te de An­go­la, adi­an­tou a Economist Intelligence Unit, deve man­ter-se de­fi­ci­tá­ria no pe­río­do 2017/2021, se­guin­do “gros­so mo­do” a evo­lu­ção dos pre­ços do bar­ril de pe­tró­leo, si­tu­an­do-se nu­ma mé­dia de 6,5 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to.

ANTÓNIO JOÃO |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Ocor­rên­ci­as de dé­fi­ces de­vi­do ao pre­ço do pe­tró­leo ten­dem a di­mi­nuir com o tem­po pe­la me­nor pres­são na re­a­li­za­ção da des­pe­sa pú­bli­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.