Pro­fes­so­res ca­pa­ci­ta­dos so­bre em­pre­en­de­do­ris­mo

NO CUANDO CUBANGO Dis­ci­pli­na traz múl­ti­plas van­ta­gens à vi­da dos es­tu­dan­tes e so­bre­tu­do das co­mu­ni­da­des

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - LOU­REN­ÇO BULE |

Pro­fes­so­res do pri­mei­ro e se­gun­do ci­clos dos mu­ni­cí­pi­os de Me­non­gue e Cu­chi, na pro­vín­cia do Cuando Cubango, es­tão me­lhor pre­pa­ra­dos em ma­té­ria li­ga­da ao em­pre­en­de­do­ris­mo no en­si­no, ao par­ti­ci­pa­rem nu­ma ac­ção for­ma­ti­va.

Pro­mo­vi­da pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de In­ves­ti­ga­ção e De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção (INIDE), a ac­ção for­ma­ti­va teve co­mo pro­pó­si­to me­lho­rar o de­sem­pe­nho dos do­cen­tes na trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos nas es­co­las.

Mi­nis­tra­da pe­las for­ma­do­res do INIDE, Ana Be­la Ri­car­do e He­le­na Fer­nan­des Jar­dim, du­ran­te o ci­clo for­ma­ti­vo abor­da­ram te­mas so­bre os mé­to­dos de en­si­no e a ava­li­a­ção em ma­té­ri­as de em­pre­en­de­do­ris­mo, pla­no em­pre­en­de­dor e ori­en­ta­ção pa­ra iden­ti­fi­ca­ção de opor­tu­ni­da­des em­pre­en­de­do­ras.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção em exer­cí­cio, Ben­ja­mim Manuel Ngue­jia, ex­pli­cou que a dis­ci­pli­na de em­pre­en­de­do­ris­mo traz múl­ti­plas van­ta­gens na vi­da dos es­tu­dan­tes e das co­mu­ni­da­des, so­bre­tu­do nes­ta fa­se de cri­se eco­nó­mi­ca, on­de qualquer ini­ci­a­ti­va ino­va­do­ra po­de re­sul­tar na ob­ten­ção de re­cei­tas.

O res­pon­sá­vel disse ser im­por­tan­te que os do­cen­tes que es­tão a mi­nis­trar au­las nes­ta cadeira es­te­jam bem pre­pa­ra­dos e ca­pa­ci­ta­dos, por for­ma a par­ti­lhar e au­men­tar os co­nhe­ci­men­tos dos alu­nos, da­da a sua im­por­tân­cia e in­fluên­cia nou­tros sec­to­res da vi­da so­ci­al e eco­nó­mi­ca do país. Sus­ten­tou que a for­ma­ção di­ri­gi­da aos do­cen­tes cir­cuns­cre­ve-se nos ob­jec­ti­vos que vi­sam po­ten­ci­ar os pro­fes­so­res em ma­té­ri­as de em­pre­en­de­do­ris­mo, pa­ra que a ac­ti­vi­da­de edu­ca­ti­va, nes­ta área do sa­ber, se­ja co­ro­a­da de êxi­tos. A cadeira de em­pre­en­de­do­ris­mo foi in­tro­du­zi­da no pri­mei­ro e se­gun­do ci­clos de en­si­no em to­do o país, a par­tir de 2010, mas no Cuando Cubango teve iní­cio apenas em 2014. Ac­tu­al­men­te fo­ram já for­ma­dos 50 pro­fes­so­res nes­ta dis­ci­pli­na, que tem vin­do a pro­du­zir re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os, a jul­gar pe­las re­a­li­za­ções e in­ven­ções dos alu­nos.

De acor­do com Ben­ja­mim Manuel Ngue­jia, o sec­tor da Edu­ca­ção na pro­vín­cia con­si­de­ra o en­si­no do em­pre­en­de­do­ris­mo co­mo uma al­ter­na­ti­va que, re­fe­riu, des­de a sua im­ple­men­ta­ção no país, tem con­tri­buí­do pa­ra a mu­dan­ça de ati­tu­de das pes­so­as, no mo­do de agir e mul­ti­pli­car de­sa­fi­os na vi­da so­ci­al, po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e cul­tu­ral. Os pro­gra­mas de em­pre­en­de­do­ris­mo, se­gun­do o res­pon­sá­vel, exi­gem que ha­ja pro­fes­so­res al­ta­men­te ca­pa­ci­ta­dos pa­ra que as ma­té­ri­as se­jam trans­mi­ti­das com ri­gor, pa­ra que os alu­nos pos­sam ab­sor­ver rapidamente os co­nhe­ci­men­tos e co­lo­car em prática tu­do aqui­lo que apren­de­ram ao ser­vi­ço das po­pu­la­ções ou da co­mu­ni­da­de em que es­tão in­se­ri­dos.

Sa­lá­ri­os con­dig­nos

Os for­man­dos re­co­men­da­ram mais ac­ções do gé­ne­ro pa­ra per­mi­tir o en­vol­vi­men­to de ou­tras ins­ti­tui­ções públicas e pri­va­das na apren­di­za­gem da dis­ci­pli­na, pa­ra que a sua apli­ca­ção, nos mais va­ri­a­dos do­mí­ni­os da vi­da so­ci­al e eco­nó­mi­ca do país, se­ja mais pro­vei­to­sa.

Dis­se­ram ser im­por­tan­te que se va­lo­ri­ze e se es­ti­mu­le os co­or­de­na­do­res das dis­ci­pli­nas de em­pre­en­de­do­ris­mo, pro­mo­ven­do-os nas de­vi­das ca­te­go­ri­as, pa­ra que pos­sam usu­fruir de or­de­na­dos de acor­do com o es­for­ço apli­ca­do no exer­cí­cio das su­as fun­ções.

Os pro­fes­so­res pe­di­ram que ha­ja um mai­or ri­gor nas es­co­las do pri­mei­ro e se­gun­do ci­clos na in­di­ca­ção de co­le­gas que são se­lec­ci­o­na­dos pa­ra fre­quen­ta­rem ac­ções for­ma­ti­vas.

Con­si­de­ram ser fun­da­men­tal o acom­pa­nha­men­to des­tes pa­ra que no fi­nal de ca­da cur­so apre­sen­tem uma sín­te­se que deve ser afi­xa­da na vi­tri­na, por for­ma a ga­ran­tir e com­pro­var a sua in­te­gral for­ma­ção.

NICOLAU VAS­CO|ME­NON­GUE|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Cadeira de em­pre­en­de­do­ris­mo foi in­tro­du­zi­da em to­do o país há se­te anos e no Cuando Cubango fo­ram for­ma­dos de­ze­nas de pro­fes­so­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.