“Ôrí” es­treia na mos­tra de ci­ne­ma Elas no Ecrã

Pe­lí­cu­la re­tra­ta a afir­ma­ção da cul­tu­ra ne­gra no Bra­sil e o con­cei­to con­tem­po­râ­neo de qui­lom­bo

Jornal de Angola - - CULTURA - FRAN­CIS­CO PEDRO |

Fo­ram on­ze anos de pes­qui­sa e fil­ma­gens pa­ra que a ci­ne­as­ta bra­si­lei­ra Ra­quel Ger­ber con­ce­bes­se o documentário “Ôrí”, cu­ja es­treia em An­go­la acon­te­ceu on­tem, no au­di­tó­rio do Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la, nos Co­quei­ros, Bai­xa de Lu­an­da.

Além dos mo­vi­men­tos afro­des­cen­den­tes que, en­tre as dé­ca­das de 1970 e 1980, já dis­cu­ti­am aber­ta­men­te - em cir­cui­to da uni­ver­si­tá­rio - o fe­nó­me­no dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al no Bra­sil, “Ôrí” faz também uma in­cur­são his­tó­ri­ca da pro­ve­ni­ên­cia dos ne­gros bra­si­lei­ros, a par­tir do Ma­li e das zo­nas cos­tei­ras de Se­ne­gal e An­go­la.

O fil­me evo­ca de for­ma poé­ti­ca a via ma­rí­ti­ma do Atlân­ti­co, em que atra­ves­sa­ram mi­lha­res de afri­ca­nos pa­ra Amé­ri­ca, quer por ima­gens iné­di­tas, quer pe­la nar­ra­ção na voz de Be­a­triz Nas­ci­men­to, uma das mais pro­e­mi­nen­tes ac­ti­vis­tas bra­si­lei­ras con­tra a dis­cri­mi­na­ção da cul­tu­ra ne­gra.

Ôrí sig­ni­fi­ca cabeça, um ter­mo de ori­gem io­ru­bá, po­vo da África Oci­den­tal, que, por ex­ten­são, também de­sig­na a cons­ci­ên­cia ne­gra na sua re­la­ção com o tem­po, a história e a me­mó­ria. O documentário, que mos­tra a história dos mo­vi­men­tos ne­gros no Bra­sil en­tre 1977 e 1988, foi lan­ça­do pe­la pri­mei­ra vez em 1989. Ac­tu­al­men­te, o fil­me aju­da os pro­fes­so­res bra­si­lei­ros, nas uni­ver­si­da­des e en­si­no se­cun­dá­rio, pa­ra abor­da­rem a cul­tu­ra afri­ca­na sem pre­con­cei­to, na dis­ci­pli­na de História da África, in­se­ri­da obri­ga­to­ri­a­men­te nas es­co­las públicas e não só.

Ses­sões de can­dom­blé, mú­si­ca po­pu­lar (na rua) com Gil­ber­to Gil, e gru­pos de Car­na­val também fi­gu­ram en­tre as ce­nas do documentário, que tem a du­ra­ção de 93 mi­nu­tos, e vol­ta ser exi­bi­do sex­ta-fei­ra, às 16 ho­ras, no au­di­tó­rio do CCBA. O fil­me per­mi­te o res­ga­te das raí­zes afri­ca­nas do Bra­sil, apon­ta a im­por­tân­cia dos qui­lom­bos na for­ma­ção da na­ci­o­na­li­da­de, bem co­mo pro­põe um con­cei­to con­tem­po­râ­neo de qui­lom­bo, ou se­ja, os qui­lom­bos ur­ba­nos, com fo­to­gra­fia ori­gi­nal de Jorge Bo­danzky e Pedro Far­kas.

Pro­gra­ma

De­vi­do a im­por­tân­cia pe­da­gó­gi­ca de “Ôri”, a Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção Con­ti­nu­a­da, Al­fa­be­ti­za­ção e Di­ver­si­da­de, no Bra­sil, ne­go­ci­ou o lan­ça­men­to do fil­me na TV Es­co­la, pa­ra que os pro­fes­so­res usem o fil­me pa­ra abor­dar a imen­sa ri­que­za do con­ti­nen­te afri­ca­no pa­ra além dos es­te­reó­ti­pos.

A Mos­tra de Ci­ne­ma no Feminino Elas no Ecrã tem as en­tra­das li­vres. Por dia são exi­bi­dos dois fil­mes, sen­do o pri­mei­ro às 16hoo e o se­gun­do às 19h00. On­tem, a fic­ção an­go­la­na “Na ci­da­de va­zia”, de Ma­ria João Gan­ga, foi exi­bi­da na aber­tu­ra do pro­gra­ma.

Ho­je há também es­treia com a exi­bi­ção da fic­ção “Que ho­ras ela vol­ta?”, da bra­si­lei­ra An­na Muy­la­ert e, às 19h00, “Os pais gri­tam so­cor­ro”, fic­ção an­go­la­na de Al­ber­ti­na Ca­pi­tan­go. “Que ho­ras ela vol­ta”, do gé­ne­ro dra­ma, tra­ta dos con­fli­tos que acon­te­cem en­tre uma em­pre­ga­da do­més­ti­ca e os seus pa­trões de clas­se mé­dia, cri­ti­can­do as de­si­gual­da­des da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra.A es­treia mun­di­al acon­te­ceu em 2015, no Sun­dan­ce Film Fes­ti­val, em Utah, nos Estados Unidos. A lon­ga-me­tra­gem es­tre­ou nos ci­ne­mas de se­te paí­ses eu­ro­peus an­tes de che­gar ao Bra­sil. No ano da sua es­treia, o fil­me foi o es­co­lhi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra do Bra­sil en­tre as 8 lon­gas-me­tra­gens pa­ra dis­pu­tar o Os­car de me­lhor fil­me estrangeiro da edi­ção de 2016.

Ama­nhã vão ser exi­bi­dos “Um pas­seio ines­que­cí­vel”, de Anal­ti­na Dias, e a re­pe­ti­ção de “Na ci­da­de va­zia”. Na quin­ta-fei­ra os ci­né­fi­los vão as­sis­tir “Os pais gri­tam So­cor­ro”, de Al­ber­ti­na Ca­pi­tan­go, e “Que ho­ras ela vol­ta?”, de An­na Muy­la­ert No en­cer­ra­men­to, pa­ra além de “Ôrí”, pas­sa no­va­men­te o fil­me “Um pas­seio ines­que­ci­vel” de Anal­ti­na Dias.

Par­ce­ria

A Mos­tra de Ci­ne­ma no Feminino, se­gun­do Sér­gio de Oliveira, se­cre­tá­rio pa­ra For­ma­ção da As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos Pro­fis­si­o­nais de Ci­ne­ma e Au­di­o­vi­su­ais (Apro­ci­ma) mar­ca o ar­ran­que da par­ce­ria en­tre o CCBA e a Apro­ci­ma.

“Te­mos um acor­do com o Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la, que vem des­de fir­ma­do em Agos­to de 2016. Es­te ano de­fi­ni­dos vá­ri­as ac­ti­vi­da­des em con­jun­to, co­mo “Kam­ba do Ci­ne­ma”, “Fil­mo­gra­fi­as”, pro­mo­ção de cur­sos in­ten­si­vos e a re­a­li­za­ção de mos­tras de ci­ne­ma”, re­fe­riu Sér­gio de Oliveira, tendo adi­an­ta­do que “Elas no Ecrã” vai ser uma ac­ti­vi­da­de re­gu­lar, sem­pre no mês de Mar­ço, pa­ra in­cen­ti­var que mais mulheres adi­ram pa­ra o uni­ver­so do ci­ne­ma an­go­la­no, pois exis­tem pou­cas mulheres en­tre as di­fe­ren­tes pro­fis­sões da Sétima Ar­te, com des­ta­que pa­ra a re­a­li­za­ção. Acres­cen­tou que no fi­nal des­te mês, a Apro­ci­ma vai lan­çar um pro­jec­to de for­ma­ção es­sen­ci­al­men­te pa­ra mulheres.

“Des­de que se­jam mem­bros da Apro­ci­ma, va­mos alar­gar a for­ma­ção a to­das as ida­des, pa­ra que aos pou­cos ha­ja equi­lí­brio en­tre os fa­ze­do­res de ci­ne­ma”, disse sem deixar de ape­lar às mulheres pa­ra apos­ta­rem na car­rei­ra de re­a­li­za­do­ras sem pre­con­cei­to. A mos­tra Elas no Ecrã é co-or­ga­ni­za­do pe­lo Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la, Ci­ne­ma­te­ca Na­ci­o­nal e a As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos Pro­fis­si­o­nais de Ci­ne­ma e Au­di­o­vi­su­al (Apro­ci­ma).

DR

Ci­ne­as­ta e so­ció­lo­ga bra­si­lei­ra Ra­quel Ger­ber (à di­rei­ta) abor­da nos seus fil­mes pro­fun­das re­fle­xões cul­tu­rais e de or­dem an­tro­po­ló­gi­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.