Van­da­li­za­ção tra­va pro­jec­tos da EPAL

Jornal de Angola - - DESPORTO - VIC­TO­RI­NO JOAQUIM |

Gran­de par­te dos equi­pa­men­tos ins­ta­la­dos pa­ra le­var água aos con­su­mi­do­res no âm­bi­to das 700 mil ligações domiciliares re­a­li­za­das pe­la Em­pre­sa Pú­bli­ca de Água de Lu­an­da (EPAL) es­tá a ser van­da­li­za­do por po­pu­la­res, de­nun­ci­ou on­tem o por­ta­voz da em­pre­sa.

Do­min­gos Paciência, que fa­la­va no fi­nal de uma vi­si­ta efec­tu­a­da por vá­ri­os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al aos pro­jec­tos em cur­so no âm­bi­to de mais um ani­ver­sá­rio da EPAL, a ser co­me­mo­ra­do no pró­xi­mo dia 30, ex­pli­cou que a van­da­li­za­ção das con­du­tas e con­ta­do­res tem es­ta­do a cri­ar di­fi­cul­da­des na exe­cu­ção do pro­jec­to das 700 mil ligações domiciliares e a cau­sar pre­juí­zos avul­ta­dos à em­pre­sa.

“Os tu­bos, con­ta­do­res e ou­tros equi­pa­men­tos são di­a­ri­a­men­te van­da­li­za­dos pe­los po­pu­la­res”, disse, de­nun­ci­an­do, por ou­tro la­do, que há ci­da­dãos que, mes­mo já es­tan­do a be­ne­fi­ci­ar do abas­te­ci­men­to de água, se re­cu­sam a fa­zer o con­tra­to e a pa­gar a ta­xa de li­ga­ção.

“Exis­tem ain­da ins­ti­tui­ções públicas e pri­va­das que não pa­gam o con­su­mo de água. É um pre­juí­zo que to­dos os dias a EPAL en­fren­ta”, disse o por­ta-voz, acres­cen­tan­do que das 700 mil ligações domiciliares pre­vis­tas, mais de 400 mil já es­tão con­cluí­das.

Do­min­gos Paciência mos­trou-se pre­o­cu­pa­do com o ele­va­do nú­me­ro de cli­en­tes de­ve­do­res na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, prin­ci­pal­men­te, os mo­ra­do­res dos quar­tei­rões U, R, Ze X, que têm obri­ga­do a EPAL a fa­zer cam­pa­nhas de cor­tes se­lec­ti­vos, de­pois de se­rem no­ti­fi­ca­dos. Ou­tros são pu­ni­dos com o pa­ga­men­to de mul­tas. “Mes­mo de­pois do cor­te de abas­te­ci­men­to de água, al­guns cli­en­tes da EPAL têm re­cor­ri­do à aju­da de chi­ne­ses pa­ra, à re­ve­lia, con­ti­nu­a­rem a be­ne­fi­ci­ar do abas­te­ci­men­to. Es­ta si­tu­a­ção também tem ocor­ri­do na Cen­tra­li­da­de do Se­que­le”, disse.

Quan­to à si­tu­a­ção de abas­te­ci­men­to de água à Ur­ba­ni­za­ção Vi­da Pa­cí­fi­ca, o por­ta-voz ex­pli­cou que a res­pon­sa­bi­li­da­de da EPAL é en­vi­ar água àque­la lo­ca­li­da­de, ca­ben­do a dis­tri­bui­ção aos apar­ta­men­tos a uma en­ti­da­de pri­va­da, que tem a gestão do tan­que que re­ce­be a água for­ne­ci­da pe­la EPAL.

Pa­ra pôr fim a es­ta si­tu­a­ção, as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, dis­tri­tais e co­mu­nais, atra­vés do seu sec­tor de fis­ca­li­za­ção, fo­ram exor­ta­das a sen­si­bi­li­zar os mu­ní­ci­pes pa­ra o pa­ga­men­to do con­su­mo de água e evi­tar a van­da­li­za­ção dos equi­pa­men­tos.

A ou­tra ques­tão que também tem pre­ju­di­ca­do a EPAL é o ga­rim­po de água que ocor­re em di­ver­sos pontos da pro­vín­cia de Lu­an­da, prin­ci­pal­men­te, em Vi­a­na, Ca­cu­a­co e Be­las. “Ape­sar do apoio da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, pen­sa­mos que es­ta si­tu­a­ção também deve ser com­ba­ti­da pe­la fis­ca­li­za­ção das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e co­mu­nais”, acres­cen­tou.

O al­to ín­di­ce de ga­rim­po tem pro­vo­ca­do per­das enor­mes na pro­du­ção do pre­ci­o­so lí­qui­do, re­sul­tan­do na di­mi­nui­ção da água que che­ga à re­si­dên­cia dos con­su­mi­do­res. “Nu­ma pro­du­ção de 40 mi­lhões de li­tros de água pro­du­zi­da, só 20 ou dez mi­lhões de li­tros é que che­gam às re­si­dên­ci­as dos con­su­mi­do­res”, exem­pli­fi­cou.

So­bre a Bar­ra­gem de Laú­ca, Do­min­gos Paciência disse que o en­chi­men­to que es­tá em cur­so da al­bu­fei­ra não com­pro­me­te o tra­ba­lho de cap­ta­ção de água pa­ra dis­tri­bui­ção.

O rio Bengo, on­de a Es­ta­ção de Tra­ta­men­to de Água de Qui­fan­gon­do faz a cap­ta­ção do lí­qui­do pa­ra dis­tri­buir pa­ra os cen­tros de dis­tri­bui­ção de Ca­cu­a­co, Ca­zen­ga, Mar­çal e Mai­an­ga, es­tá em al­to nível. De igual mo­do, o rio Cuanza, que abas­te­ce a zo­na de Bom Jesus, Ki­lam­ba, Ki­ku­xi, Lu­an­da-Sul e Su­des­te, es­tá também em al­to nível, sem re­gis­to de es­ti­a­gens.

Os jor­na­lis­tas vi­si­ta­ram os cen­tros de dis­tri­bui­ção de água da Mai­an­ga, Mar­çal, Ca­zen­ga e a Es­ta­ção de Tra­ta­men­to de Água de Qui­fan­gon­do. Du­ran­te a vi­si­ta os jor­na­lis­tas cons­ta­ta­ram o an­da­men­to das obras de re­qua­li­fi­ca­ção em cur­so e in­te­ra­gi­ram com os res­pon­sá­veis das obras.

O en­ge­nhei­ro Da­ni­el Nu­nes, di­rec­tor do pro­jec­to de Qui­fan­gon­do, ex­pli­cou que, com a mon­ta­gem de no­vos equi­pa­men­tos elec­tro­me­câ­ni­cos, a Es­ta­ção vai pro­du­zir 140 mi­lhões de li­tros de água por se­gun­do. Com o equi­pa­men­to an­ti­go, de­vi­do ao tem­po de uso, a es­ta­ção pro­du­zia, uni­ca­men­te, cer­ca de 70 a 80 mi­lhões de li­tros de água.

Quan­to aos cen­tros de dis­tri­bui­ção, a mai­or par­te das in­fra-es­tru­tu­ras es­tá em fa­se de con­clu­são das obras de re­es­tru­tu­ra­ção e am­pli­a­ção e de­vem ter­mi­nar ain­da es­te ano.

MO­TA AM­BRÓ­SIO|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Tu­bos e ou­tros equi­pa­men­tos da Em­pre­sa Pú­bli­ca de Águas são van­da­li­za­dos to­dos os dias

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.