Fun­do So­be­ra­no man­tém ele­va­da ava­li­a­ção so­bre trans­pa­rên­cia

Jornal de Angola - - PARTADA -

Pe­lo se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo, o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la man­te­ve uma clas­si­fi­ca­ção ele­va­da de oi­to em 10 pontos no Ín­di­ce de Trans­pa­rên­cia do SWFI.

O Fun­do So­be­ra­no de An­go­la (FSDEA) man­te­ve, pe­lo se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo, uma clas­si­fi­ca­ção ele­va­da de oi­to nu­ma es­ca­la de até 10 pontos no Ín­di­ce de Trans­pa­rên­cia do Ins­ti­tu­to de Fun­dos So­be­ra­nos (SWFI).

Ao bom de­sem­pe­nho no ran­king co­nhe­ci­do por Ín­di­ce de Trans­pa­rên­cia Li­na­burgMa­du­ell, o FSDEA jun­ta o de­sem­pe­nho po­si­ti­vo das de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras que con­fir­mam 2016 co­mo o pri­mei­ro ano em que o fun­do re­gis­tou um lucro lí­qui­do de 44 mi­lhões de dó­la­res, de­pois do re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo de - 134 mi­lhões de dó­la­res em 2015.

A clas­si­fi­ca­ção ba­seia-se num cri­té­rio de 10 pontos, in­cluin­do a di­vul­ga­ção das po­lí­ti­cas de in­ves­ti­men­to e fi­na­li­da­de de ca­da Fun­do So­be­ra­no, a sua fon­te de ca­pi­tal, a sua su­per­vi­são re­gu­la­men­tar, os seus re­la­tó­ri­os anu­ais re­gu­la­res e au­di­ta­dos de for­ma in­de­pen­den­te, os seus pa­drões éti­cos, as su­as es­tra­té­gi­as, a lo­ca­li­za­ção dos seus in­ves­ti­men­tos e a re­mu­ne­ra­ção da equi­pa de ges­tão.

De acor­do com Hu­go Gonçalves, mem­bro do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do FSDEA, a ava­li­a­ção po­si­ti­va do FSDEA pe­la SWFI é pro­va do seu com­pro­mis­so de adop­ção dos mais al­tos pa­drões de re­la­tó­ri­os fi­nan­cei­ros a ní­vel mun­di­al. “Es­ta de­cla­ra­ção re­flec­te a opi­nião que ana­lis­tas in­ter­na­ci­o­nais e gran­des ins­ti­tui­ções e in­ves­ti­do­res têm so­bre a es­tra­té­gia de in­ves­ti­men­to na­ci­o­nal, re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal do fun­do. Com a adop­ção com­ple­ta do IFRS em 2016 (um ano an­tes do pra­zo), as de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras do FSDEA são ago­ra me­lhor com­pa­rá­veis e con­sis­ten­tes com as de ou­tras ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras in­ter­na­ci­o­nais.” Pri­mei­ro ano de lucro En­ten­de o ad­mi­nis­tra­dor do FSDEA que, ape­sar de te­rem si­do fei­tos pro­gres­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos na ob­ten­ção de re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal im­par­ci­al da sua trans­pa­rên­cia e res­pon­sa­bi­li­da­de, a re­pu­ta­ção do fun­do de­pen­de, em úl­ti­ma aná­li­se, do seu de­sem­pe­nho. “Em 2016, re­gis­tá­mos o pri­mei­ro ano de lucro lí­qui­do po­si­ti­vo de 44 mi­lhões de dó­la­res, um au­men­to rá­pi­do do re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo de -134 mi­lhões de dó­la­res em 2015.”

Hu­go Gonçalves sa­li­en­ta que, fei­tas as con­tas, o de­sem­pe­nho do fun­do em 2016 in­cluiu uma mar­gem bru­ta de 109 mi­lhões de dó­la­res em com­pa­ra­ção com os -40 mi­lhões de dó­la­res em 2015 e os 22 mi­lhões de dó­la­res da sua car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos lí­qui­dos, va­lor lí­qui­do de to­das as ta­xas e co­mis­sões. O fun­do tam­bém res­pon­deu a vá­ri­as ques­tões so­bre as su­as des­pe­sas ope­ra­ci­o­nais du­ran­te os pri­mei­ros anos, com uma que­da de 40 por cen­to em 2016 em re­la­ção a 2015, uma di­mi­nui­ção nos cus­tos de ins­ta­la­ção. O fun­do olha ago­ra para 2018 e para o fu­tu­ro com ac­ti­vos de até 4,99 mil mi­lhões de dó­la­res, aci­ma de 4,75 mil mi­lhões em 2015. Além dis­so, o va­lor do Fun­do de In­ves­ti­men­tos au­men­tou em 0,26 mil mi­lhões em re­la­ção ao ano an­te­ri­or. Apos­ta acer­ta­da Cli­ma di­fí­cil O FSDEA tam­bém re­gis­tou um de­sen­vol­vi­men­to po­si­ti­vo na ges­tão de ac­ti­vos, ape­sar das in­cer­te­zas do mer­ca­do, um am­bi­en­te ma­cro­e­co­nó­mi­co com­ple­xo, de­fla­ção no va­lor da mo­e­da an­go­la­na, pre­ços vo­lá­teis do pe­tró­leo e a alo­ca­ção es­tra­té­gi­ca de ac­ti­vos do fun­do li­mi­ta­da a ape­nas 15 por cen­to. Ao mu­dar a sua alo­ca­ção em 2017 de mo­do a in­cluir mai­or per­cen­ta­gem de ac­ti­vos e re­du­zir ren­di­men­tos fi­xos, co­me­çou a re­sul­tar em me­lho­ri­as.

JOÃO MAR­COS | VOA Re­cu­pe­ra­dos em ape­nas três anos os re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos acu­mu­la­dos do FSDEA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.