No­vo teste ba­lís­ti­co cau­sa in­dig­na­ção na co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal

Co­reia do Nor­te man­tém o pro­gra­ma de en­sai­os com ar­mas ape­sar do reforço das san­ções de­cre­ta­das pe­lo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das ao vol­tar a efec­tu­ar um lan­ça­men­to de mís­sil que so­bre­vo­ou o ter­ri­tó­rio do Ja­pão

Jornal de Angola - - PARTADA -

O no­vo teste ba­lís­ti­co efec­tu­a­do pe­la Co­reia do Nor­te des­po­le­tou on­tem uma for­te con­de­na­ção da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal com o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, An­tó­nio Gu­ter­res, a qua­li­fi­car a ac­ção co­mo uma “ma­ni­fes­ta vi­o­la­ção” das re­so­lu­ções do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça por par­te de Pyongyang.

O lan­ça­men­to acon­te­ceu na noi­te de quin­ta-fei­ra a par­tir de um aeroporto de Su­nam. O mís­sil so­bre­vo­ou a ilha ja­po­ne­sa de Hok­kai­do e caíu 20 mi­nu­tos de­pois em águas do oce­a­no Pa­cí­fi­co, a cer­ca de dois mil qui­ló­me­tros do Ca­bo Eri­mo, ter­ri­tó­rio ni­pó­ni­co, ten­do per­cor­ri­do 3.700 km, no to­tal. Por meio do seu por­ta-voz, Gu­ter­res ex­pres­sou a sua con­de­na­ção pe­lo fac­to e pe­diu aos lí­de­res nor­te-co­re­a­nos que ces­sem es­tas prá­ti­cas.

“Es­ta ma­ni­fes­ta vi­o­la­ção das re­so­lu­ções do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça acon­te­ce di­as de­pois da Co­reia do Nor­te ter efec­tu­a­do o seu sex­to teste nu­cle­ar”, lem­brou o co­mu­ni­ca­do.

Na no­ta, Gu­ter­res faz um ape­lo ao go­ver­no de Pyongyang para que acei­te “ex­plo­rar o re­a­ta­men­to de um diá­lo­go sin­ce­ro so­bre a des­nu­cle­a­ri­za­ção” na re­gião. O co­mu­ni­ca­do re­fe­re que An­tó­nio Gu­ter­res irá dis­cu­tir es­te te­ma du­ran­te as reu­niões que vão de­cor­rer na se­de das Na­ções Uni­das na pró­xi­ma se­ma­na por oca­sião do de­ba­te anu­al de al­to ní­vel da As­sem­bleia-Ge­ral. Pou­co após saber des­te lan­ça­men­to, o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça anun­ci­ou a con­vo­ca­ção de uma reu­nião de ur­gên­cia, com o ob­jec­ti­vo de re­a­li­zar con­sul­tas à por­ta fe­cha­da.

O no­vo de­sa­fio nor­te­co­re­a­no ocor­reu de­pois do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ter apro­va­do, na pas­sa­da se­gun­da fei­ra um no­vo pa­co­te de san­ções eco­nó­mi­cas con­tra o Go­ver­no de Pyongyang pe­lo teste nu­cle­ar do úl­ti­mo dia 3 de Se­tem­bro. Ape­lo da China A China con­de­nou on­tem o mais re­cen­te lan­ça­men­to de mís­sil da Co­reia do Nor­te, que so­bre­vo­ou o Ja­pão, e pe­diu “mo­de­ra­ção” às par­tes en­vol­vi­das no ac­tu­al con­fli­to com o go­ver­no do Pre­si­den­te Kim Jong-Un, no­ti­ci­ou a Fran­ce Press.

“Pe­quim opõe-se à vi­o­la­ção pe­la Co­reia do Nor­te das re­so­lu­ções do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça (da ONU) e ao uso de tec­no­lo­gia de mís­seis ba­lís­ti­cos para dis­pa­ros”, de­cla­rou a por­ta-voz do Mi­nis­té­rio chi­nês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Hua Chunying, que pe­diu às “par­tes en­vol­vi­das que ac­tu­em com mo­de­ra­ção”

Um pou­co an­tes, o se­cre­tá­rio-ge­ral da OTAN, Je­an Stol­ten­berg, pe­diu “uma res­pos­ta mun­di­al”.

“O dis­pa­ro do mís­sil da Co­reia do Nor­te é ou­tra vi­o­la­ção das re­so­lu­ções da ONU que proí­bem a Pyongyang o de­sen­vol­vi­men­to de ar­mas ba­lís­ti­cas e nu­cle­a­res”, es­cre­veu Stol­ten­berg no Twit­ter. Es­ta “im­por­tan­te ame­a­ça con­tra a paz e a se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal pe­de uma res­pos­ta mun­di­al”, acres­cen­tou. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do ame­ri­ca­no, Rex Til­ler­son, con­de­nou “o pro­vo­ca­dor” lan­ça­men­to do mís­sil e ins­tou “to­das as Na­ções”, so­bre­tu­do a China e a Rús­sia a apli­ca­rem “no­vas me­di­das” para con­ter Pyongyang. “Pe­di­mos a to­das as Na­ções que adop­tem no­vas me­di­das con­tra a Co­reia do Nor­te de Kim Jong-un”, afir­mou Rex Til­ler­son, num co­mu­ni­ca­do emi­ti­do pe­lo De­par­ta­men­to de Es­ta­do. Pu­tin e Ma­cron Os Pre­si­den­tes rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, e fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, ape­la­ram a “ne­go­ci­a­ções di­rec­tas” com a Co­reia do Nor­te para di­mi­nuir as ten­sões na re­gião da pe­nín­su­la co­re­a­na, anun­ci­ou o Krem­lin.

No de­cur­so de um con­tac­to te­le­fó­ni­co, os dois Che­fes de Es­ta­do “es­ti­ve­ram de acor­do em re­la­ção ao ca­rác­ter inad­mis­sí­vel do pros­se­gui­men­to de uma es­ca­la­da” na pe­nín­su­la co­re­a­na, avan­çou o Krem­lin num co­mu­ni­ca­do.

O tex­to acres­cen­ta que Ma­cron e Pu­tin tam­bém ma­ni­fes­ta­ram “a ne­ces­si­da­de de re­sol­ver es­ta si­tu­a­ção ex­tre­ma­men­te com­pli­ca­da ex­clu­si­va­men­te por mei­os po­lí­ti­cos e di­plo­má­ti­cos, atra­vés do rei­ní­cio das ne­go­ci­a­ções di­rec­tas”.

Em pa­ra­le­lo, os dois pre­si­den­tes “con­de­na­ram fir­me­men­te as ac­ções pro­vo­ca­tó­ri­as das au­to­ri­da­des da Co­reia do Nor­te, que vi­o­lam de for­ma gros­sei­ra, as re­so­lu­ções do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das”.

Ao re­a­gir ao no­vo dis­pa­ro de um mís­sil nor­te-coreano, o Qu­ai d'Or­say, se­de da di­plo­ma­cia fran­ce­sa, tam­bém se pro­nun­ci­ou por um reforço das san­ções di­ri­gi­das à Co­reia do Nor­te.

“A Fran­ça es­tá pron­ta a tra­ba­lhar, de­sig­na­da­men­te no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das e da União Eu­ro­peia, no reforço das me­di­das des­ti­na­das a con­ven­cer Pyongyang que não tem qual­quer in­te­res­se nu­ma es­ca­la­da, e con­du­zi-lo à me­sa das ne­go­ci­a­ções”, re­fe­riu a por­ta-voz Agnès Ro­ma­net-Es­pag­ne.

Os Pre­si­den­tes rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, e fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, ape­la­ram a “ne­go­ci­a­ções di­rec­tas” com a Co­reia do Nor­te para di­mi­nuir as ten­sões na re­gião da pe­nín­su­la co­re­a­na

AR­TE | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Mís­sil ba­lís­ti­co nor­te-coreano de mé­dio al­can­ce per­cor­reu mais de dois mil qui­ló­me­tros em vin­te mi­nu­tos e caiu per­to do Ca­bo Eri­mo no Oce­a­no Pa­cí­fi­co COMPILAÇÃO DE DA­DOS: EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.