Mun­do ce­le­bra ho­je Dia para a Pre­ser­va­ção da Ca­ma­da de Ozo­no

Ho­je é o Dia Mun­di­al para a Pre­ser­va­ção da Ca­ma­da de Ozo­no, um pro­ble­ma glo­bal, em­bo­ra pa­re­ça le­sar a uns mais do que a ou­tros. O mun­do aca­ba de ver os efei­tos do fu­ra­ção tro­pi­cal Ir­ma

Jornal de Angola - - PARTADA - Os­val­do Gonçalves /* (*) In­for­ma­ções dis­po­ní­veis na Net

O ter­mo en­trou no vo­ca­bu­lá­rio da mai­o­ria dos paí­ses há re­la­ti­va­men­te pou­co tem­po, mais ou me­nos a se­guir à as­si­na­tu­ra, em Mon­tre­al, Ca­na­dá, do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al so­bre Subs­tân­ci­as que Pre­ju­di­cam a Ca­ma­da de Ozo­no, em 1987. An­tes dis­so e da pro­cla­ma­ção do Dia Mun­di­al para a Pre­ser­va­ção da Ca­ma­da do Ozo­no, a 16 de Se­tem­bro, pou­co ou na­da se fa­la­va no Ozo­no, que con­ti­nua a ser tra­ta­do co­mo um pro­ble­ma alheio pe­la mai­o­ria das pes­so­as e das so­ci­e­da­des.

A ver­da­de é que, ao con­trá­rio do tom de des­pre­o­cu­pa­ção que se pre­ten­de fazer vin­car quan­do se re­fe­re que tal ou qual “tam­bém acon­te­ce nas me­lho­res fa­mí­li­as”, por pi­or que se­ja o azar, a con­tí­nua de­gra­da­ção da ca­ma­da de Ozo­no, é um pro­ble­ma glo­bal, em­bo­ra pa­re­ça le­sar a uns mais do que a ou­tros, o que nos im­pe­le a fa­zer­mos re­cur­so ao adá­gio mui­to usa­do pe­los que se di­zem mais atentos a to­dos os fe­nó­me­nos da vi­da: “não acre­di­to em bru­xas, mas que elas exis­tem, exis­tem!”.

O mun­do aca­ba de fi­car pre­so aos ecrãs dos te­le­vi­so­res de­vi­do aos efei­tos do fu­ra­ção tro­pi­cal Ir­ma, que de­vas­tou a re­gião das Ca­raí­bas e atin­giu a Flo­ri­da, nos Es­ta­dos Uni­dos. Ir­ma, foi o fu­ra­cão mais for­te já re­gis­ta­do na ba­cia do Oce­a­no Atlân­ti­co fo­ra do Ca­raí­bas e gol­fo do Mé­xi­co, es­tan­do em­pa­ta­do com o fu­ra­cão do La­bor Day co­mo o mais po­ten­te ci­clo­ne a fazer land­fall já re­gis­ta­do na ba­cia atlân­ti­ca, as­sim co­mo o mais for­te fu­ra­cão atlân­ti­co em ter­mos de ven­tos má­xi­mos sus­ten­ta­dos des­de o Wil­ma, em 2005, e o mais in­ten­so em ter­mos de pres­são des­de o De­an, em 2007, as­sim co­mo o pri­mei­ro de tal in­ten­si­da­de a fazer land­fall em qual­quer pon­to da ba­cia Atlân­ti­ca des­de o Fé­lix em 2007. Ir­ma é tam­bém o pri­mei­ro fu­ra­cão de ca­te­go­ria 5 a afec­tar as Ilhas de So­ta­ven­to se­ten­tri­o­nais, e o se­gun­do re­gis­ta­do a atin­gir Cu­ba com tal in­ten­si­da­de, após um fu­ra­cão re­gis­ta­do em 1924. Adi­ci­o­nal­men­te, Ir­ma fez land­fall Flo­ri­da Keys com ven­tos de 215 km/h, e uma pres­são de 929 mbar, tor­nan­do-o o fu­ra­cão mais for­te a atin­gir a Fló­ri­da em ter­mos de ve­lo­ci­da­de do ven­to des­de o Char­ley em 2004, e o mais in­ten­so a atin­gir aque­le es­ta­do em ter­mos de pres­são at­mos­fé­ri­ca des­de o An­drew em 1992.

Em me­te­o­ro­lo­gia, land­fall é quan­do um ci­clo­ne tro­pi­cal (fu­ra­cões, tem­pes­ta­des ci­cló­ni­cas, tu­fões, etc.) ou tam­bém uma trom­ba de água mo­ve-se so­bre ter­ra de­pois de es­tar so­bre água. Quan­do uma trom­ba de água tor­ná­di­ca faz land­fall, ele é clas­si­fi­ca­do co­mo um tor­na­do e en­tão po­de cau­sar da­nos a cons­tru­ções em ge­ral.

No ca­so de ci­clo­nes tro­pi­cais, es­tes ape­nas são clas­si­fi­ca­dos co­mo fa­zen­do land­fall quan­do seu olho (o cen­tro do ci­clo­ne, na au­sên­cia do olho) mo­ve-se so­bre ter­ra. O lu­gar exac­to on­de ocor­reu um land­fall so­fre os mai­o­res im­pac­tos. É exac­ta­men­te na área on­de ocor­re o land­fall que re­ce­be os ven­tos mais for­tes en­con­tra­dos na pa­re­de do olho, on­de acon­te­ce o pi­co de ele­va­ção da ma­ré de tem­pes­ta­de e tam­bém on­de ocor­rem as chu­vas mais for­tes. É exac­ta­men­te no momento do land­fall que os ci­clo­nes tro­pi­cais começam a per­der in­ten­si­da­de, pois per­dem a sua prin­ci­pal fon­te de ener­gia, as águas mor­nas na su­per­fí­cie do mar.

O ob­jec­ti­vo das Na­ções Uni­das ao ce­le­brar o Dia Mun­di­al do Ozo­no, cri­a­do em 1994, é aler­tar so­bre a des­trui­ção da Ca­ma­da de Ozo­no e pro­cu­rar so­lu­ções para pro­te­gê-la. A Ca­ma­da de Ozo­no é um es­cu­do ga­so­so frá­gil que pro­te­ge o glo­bo das ra­di­a­ções so­la­res, pre­ser­van­do as­sim a vi­da na Ter­ra. Ca­be aos go­ver­nos, às in­dús­tri­as e às or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, a ta­re­fa de unir es­for­ços para eli­mi­nar os pro­du­tos quí­mi­cos res­pon­sá­veis pe­la des­trui­ção da Ca­ma­da de Ozo­no.

Nu­ma mensagem di­vul­ga­da no ano pas­sa­do a pro­pó­si­to da da­ta, ONU re­fe­rir que o Pro­to­co­lo de Mon­tre­al so­bre Subs­tân­ci­as que des­tro­em a Ca­ma­da de Ozo­no “es­tá lar­ga­men­te re­co­nhe­ci­do co­mo um dos tra­ta­dos am­bi­en­tais mais bem-su­ce­di­dos da his­tó­ria”. O do­cu­men­to, adi­an­ta­va, tem ho­je am­pla ra­ti­fi­ca­ção uni­ver­sal, e “es­ta­be­le­ce um con­tro­lo ju­ri­di­ca­men­te vin­cu­la­do à pro­du­ção e ao con­su­mo na­ci­o­nais de subs­tân­ci­as que es­go­tam o ozo­no”.

A ONU acres­cen­ta­va na mensagem que “des­co­ber­tas ci­en­tí­fi­cas re­cen­tes re­ve­la­ram a im­por­tân­cia do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al”, sem o qual e os acor­dos as­so­ci­a­dos, “os ní­veis at­mos­fé­ri­cos de subs­tân­ci­as no­ci­vas à ca­ma­da de ozo­no po­de­ri­am ter au­men­ta­do vin­do mes­mo a du­pli­car em 2050. A ac­ção con­cer­ta­da tem pre­ve­ni­do mi­lhões de ca­sos de can­cro de pele.

O pro­to­co­lo tem tam­bém con­tri­buí­do, di­zia, de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va para o com­ba­te às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, uma vez que mui­tas das subs­tân­ci­as que des­tro­em a ca­ma­da de ozo­no são poderosos ga­zes com efei­to de es­tu­fa. “As al­te­ra­ções cli­má­ti­cas es­tão a afec­tar as co­mu­ni­da­des, a eco­no­mia e os ecos­sis­te­mas em to­do o mun­do”, pon­tu­a­li­za­va a ONU, que lan­çou, na oca­sião um rep­to a to­dos os paí­ses: “É es­sen­ci­al que ac­tu­e­mos para ate­nu­ar a ame­a­ça com a mes­ma união e de­ter­mi­na­ção que te­mos para en­fren­tar os pe­ri­gos da des­trui­ção do ozo­no”. Co­mo se po­de de­pre­en­der do tom uti­li­za­do pe­las Na­ções Uni­das na sua mensagem no ano pas­sa­do, o Mun­do tem mui­to que apren­der nes­ta ma­té­ria e para tal é im­por­tan­te que se ins­pi­re nos es­for­ços que já fei­tos para pre­ser­var a ca­ma­da de ozo­no para apli­car me­di­das ao ní­vel glo­bal. De no­tar que a mai­o­ria das pes­so­as as­so­cia de for­ma res­tri­ti­va o pro­ble­ma da de­gra­da­ção da ca­ma­da de ozo­no às do­en­ças da pele, con­fe­rin­do­lhe fo­ros de en­fer­mi­da­de de afec­ta ape­nas os fre­quen­ta­do­res das prai­as e aque­les que pas­sam mais tem­po ex­pos­tos aos rai­os so­la­res. Se­rá, pois, de re­pe­tir aos in­cau­tos que por mais que me­nos­pre­zem os ma­les cau­sa­dos, eles são co­mo as bru­xas.

Ob­jec­ti­vo das Na­ções Uni­das é aler­tar so­bre a des­trui­ção da Ca­ma­da de Ozo­no e pro­cu­rar so­lu­ções para pro­te­gê-la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.