Quan­do uma re­cla­ma­ção dá lu­gar à es­tu­pe­fac­ção

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal jul­gou im­pro­ce­den­tes os re­cur­sos de con­ten­ci­o­so elei­to­ral das qua­tro prin­ci­pais for­ma­ções po­lí­ti­cas da opo­si­ção e, con­fes­so, não pos­so dei­xar de ex­pri­mir uma cer­ta es­tu­pe­fac­ção pe­lo fac­to de os juí­zes te­rem con­cluí­do ha­ver for­tes in­dí­ci­os de fal­si­fi­ca­ção nos do­cu­men­tos apre­sen­ta­dos pe­los par­ti­dos UNITA e PRS.

A per­ple­xi­da­de, que me pa­re­ce ser mes­mo ge­ral, as­sen­ta no fac­to de, sal­va­guar­dan­do o prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia, de di­fí­cil pro­ba­bi­li­da­de nes­sas si­tu­a­ções, quer a UNITA quer o PRS se te­rem per­mi­ti­do re­cor­rer à frau­de, que tan­to di­zem con­de­nar, para ten­tar con­ven­cer o tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de que a Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral não fez o seu trabalho com com­pe­tên­cia.

E é tris­te ve­ri­fi­car que du­as for­ma­ções po­lí­ti­cas do ca­li­bre da UNITA e do PRS te­nham, ao apre­sen­ta­rem do­cu­men­tos de ido­nei­da­de du­vi­do­sa, trans­mi­ti­do à so­ci­e­da­de um exem­plo que não de­ve ser se­gui­do, em que fi­ca pa­ten­te a má­xi­ma se­gun­do a qual “vale tu­do…”

É bom fri­sar que não se con­tes­ta o di­rei­to da opo­si­ção de re­cla­mar. Re­cla­mar faz par­te da de­mo­cra­cia, do Es­ta­do de Di­rei­to e De­mo­crá­ti­co que nos pro­pu­se­mos cons­truir. Não é is­so que es­tá em cau­sa. O que pre­o­cu­pa é, com que fun­da­men­tos re­cla­mar, que ele­men­tos de pro­va apre­sen­tar e se es­sas pro­vas são su­fi­ci­en­te­men­te idó­ne­as para pro­du­zir os efei­tos de­se­ja­dos. E quan­do se fa­la de pro­vas idó­ne­as, fa­la­mos de pro­vas ir­re­fu­tá­veis.

O que se viu, foi tu­do me­nos is­so.

Foi o aden­sar da cul­tu­ra de sus­pei­ção que to­mou de as­sal­to, de há uns tem­pos a es­ta par­te, al­gu­mas men­tes fér­teis em as­so­ci­ar o no­me de An­go­la a tu­do o que de ne­ga­ti­vo acon­te­ce, até mes­mo à com­pra de ovos con­ta­mi­na­dos que, afi­nal, há mais de qua­tro anos não os im­por­ta­mos.

E por­que vi­nha da opo­si­ção, e por­que tu­do o que vem da opo­si­ção é para dar cré­di­to, uns tan­tos ilu­mi­na­dos se em­pe­nha­ram em fazer sua a voz dos re­cla­man­tes e en­car­re­ga­ram-se de am­pli­fi­car o que, afi­nal, ou­tros mui­tos sa­bi­am, de an­te­mão, ser só uma gri­ta­ria. Um jo­go para es­con­der uma ver­da­de in­có­mo­da: o fac­to de, to­da ela jun­ta, a opo­si­ção não ter con­se­gui­do 50% dos vo­tos pos­sí­veis.

Não es­tou a ver o con­jun­to de per­so­na­li­da­des e en­ti­da­des es­tran­gei­ras que re­co­nhe­ce­ram os re­sul­ta­dos das elei­ções e fe­li­ci­ta­ram o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca elei­to a fa­ze­rem-no se não ti­ves­sem reu­ni­das as in­for­ma­ções es­sen­ci­ais so­bre o mo­do co­mo elas fo­ram pre­pa­ra­das, so­bre a tec­no­lo­gia, o soft­ware e a com­po­nen­te de se­gu­ran­ça e fi­a­bi­li­da­de do equi­pa­men­to em­pre­gues, so­bre as em­pre­sas en­vol­vi­das e a se­ri­e­da­de e o grau de pro­fis­si­o­na­lis­mo em­pe­nha­dos, en­fim, to­da uma so­ma de so­lu­ções des­ti­na­das a re­du­zir à mar­gem mí­ni­ma even­tu­ais er­ros.

Tal­vez a opo­si­ção não con­tas­se com is­so e, vai daí o ter-se em­bru­lha­do em im­bró­gli­os des­ne­ces­sá­ri­os que aca­bam por lhe pe­na­li­zar mo­ral­men­te quan­do vêm à su­per­fí­cie re­ve­la­ções de ter vi­ci­a­do as pro­vas le­va­das a tri­bu­nal, o que, bem ana­li­sa­das as coi­sas, é mais gra­ve do que so­frer um de­sai­re elei­to­ral.

Se, não sen­do Go­ver­no, se an­da a ra­su­rar as ac­tas, quan­do for, que va­li­da­de te­rão os do­cu­men­tos por si pro­du­zi­dos? Que se­gu­ran­ça vai trans­mi­tir aos ci­da­dãos?

A so­ci­e­da­de an­go­la­na es­tá ca­da vez mais exi­gen­te e a pres­são para que ha­ja mu­dan­ças é não só sen­ti­da a vá­ri­os ní­veis co­mo tam­bém é le­gí­ti­ma.

Se ao MPLA se exi­ge uma no­va pos­tu­ra, uma no­va for­ma de go­ver­na­ção, que aban­do­ne cer­tas prá­ti­cas e re­a­li­ze com mai­or efi­cá­cia os pro­gra­mas só­cio-eco­nó­mi­cos des­ti­na­dos a sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des dos ci­da­dãos, não me pa­re­ce que, uma vez pro­va­da a acu­sa­ção, a so­ci­e­da­de pas­se a ver com bons olhos uma opo­si­ção que não he­si­ta em re­cor­rer à fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos de pro­va com o ob­jec­ti­vo de en­ga­nar o tri­bu­nal e qu­e­rer apa­re­cer jun­to do pú­bli­co co­mo ten­do con­se­gui­do ou­tros re­sul­ta­dos.

De tu­do is­to per­mi­to-me con­cluir que pre­ci­sa­mos tam­bém de uma ou­tra opo­si­ção, mais sé­ria e res­pon­sá­vel, que sai­ba re­co­nhe­cer tam­bém e cor­ri­gir os seus er­ros, pois as­sim a de­mo­cra­cia e o país sa­em tam­bém a ga­nha.

De tu­do is­to per­mi­to-me con­cluir que pre­ci­sa­mos tam­bém de uma ou­tra opo­si­ção, mais sé­ria e res­pon­sá­vel, que sai­ba re­co­nhe­cer tam­bém e cor­ri­gir os seus er­ros, pois as­sim a de­mo­cra­cia e o país sa­em tam­bém a ga­nha

Rui Fer­rei­ra Pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal CAR­LOS VIEGA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.