Obri­ga­do, Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O país pre­pa­ra-se para tes­te­mu­nhar den­tro de di­as uma tran­si­ção iné­di­ta, pa­cí­fi­ca e res­pon­sá­vel, ali­cer­ça­da no com­pro­mis­so do re­a­fir­mar pe­ran­te a Áfri­ca e o Mun­do do po­vo ma­du­ro em que nos tor­na­mos.

O fei­to que se avi­zi­nha sa­be à ce­re­ja no to­po do bo­lo, fru­to de um pas­sa­do mar­ca­do por tem­pos e mo­men­tos tu­mul­tu­o­sos e vi­cis­si­tu­des que en­fren­ta­ram os se­nho­res jo­vens co­mo eu, on­tem me­ni­nos e ado­les­cen­tes, sem pers­pec­ti­vas ou pro­jec­tos de vi­da ne­nhuns. Não por­que era proi­bi­do so­nhar, mas sim por­que não ha­via co­mo so­nhar!

Sou da ge­ra­ção que mui­to ce­do e à vol­ta da fo­guei­ra foi obri­ga­da a per­ce­ber com os pais, avôs e ti­os, res­ga­tar di­fi­cil­men­te o país das mãos de quem nun­ca o de­via to­mar.

Sou da ge­ra­ção que apren­deu a ler e a es­cre­ver de­bai­xo das ár­vo­res e sen­ta­dos na la­ta va­zia de lei­te Ni­do, que ca­da um trans­por­ta­va de ca­sa para a es­co­la. No meu tem­po, no ma­ta­bi­cho, e não pe­que­no-al­mo­ço, o ome­le­te no pão era o res­to de óleo uti­li­za­do na fri­tu­ra do pei­xe e o lei­te um ca­ne­cão de ca­fé. Quan­do o ar­roz ou o mi­lho tor­ra­do com o chá subs­ti­tuís­sem o pão, já nos dá­va­mos por fe­li­zes e, se as nos­sas mães nos brin­das­sem com os pas­téis de pei­xe ca­bu­e­nha ou mi­ca­tes, nos ga­bá­va­mos jun­to de ami­gos e co­le­gas.

Sou da ge­ra­ção em que as­sis­tir de­se­nhos ani­ma­dos Lo­bo Pa­te­ta na TV a pre­to e bran­co, atra­vés da ja­ne­la do vi­zi­nho, era a me­lhor pren­da do dia. Ir ao ci­ne­ma para as­sis­tir ma­ti­née e ver o filme de Bam­bi­no e Tri­ni­tá, San­do­kan, os Qua­tro Tan­quis­tas e ou­tros mais era um lu­xo. Novelas co­mo Bem-Ama­do, Ro­que San­tei­ro e Ca­bo­cla eram para os adul­tos.

Na mi­nha ge­ra­ção, o alu­no ou es­tu­dan­te uti­li­za­va a mes­ma ca­mi­sa, ca­mi­so­la, calças ou cal­ções ao lon­go da se­ma­na para ir à es­co­la, o cal­ça­do ti­nha ape­li­dos de vi­a­tu­ras mi­li­ta­res co­mo En­je­za, Ural, Ga­ze, Wa­zi e “Bi­ca Bi­don” en­tre ou­tros. An­dar de car­ro não era para quem qui­ses­se, mas sim para quem pu­des­se. Lem­bra-me de so­nhar an­dar num La­da, Ni­va, Land Ro­ver, Re­nault, Mer­ce­des dos anos 80 e Wa­zi. Po­rém, o so­nho fi­ca­va mes­mo pe­lo ma­chim­bom­bo da ETP e de­pois TCUL, qua­se sem­pre abar­ro­ta­do, já que os táxis, vul­go can­don­guei­ros, não exis­ti­am.

Obri­ga­do, Pre­si­den­te pe­las uni­ver­si­da­des que aco­lhem mi­lha­res de jo­vens pe­lo país, os hos­pi­tais que, ape­sar das li­mi­ta­ções de qua­dros, são de re­fe­rên­cia pe­lo equi­pa­men­to e tec­no­lo­gia de pon­ta.

Obri­ga­do, Pre­si­den­te, por­que, ho­je, a mai­o­ria das nos­sas cri­an­ças têm as três re­fei­ções por dia e al­gu­mas até o lan­che, as­sis­tem de­se­nhos ani­ma­dos na TV a co­res em ca­sa e não atra­vés da ja­ne­la do vi­zi­nho. As nos­sas cri­an­ças não uti­li­zam a mes­ma ca­mi­so­la ao lon­go da se­ma­na para irem à es­co­la, não sa­bem o que é re­par­tir uma ga­so­sa para três pes­so­as e, mes­mo não ha­ven­do fes­tas, têm sem­pre brin­que­dos, ao con­trá­rio dos que re­ce­bía­mos de for­ma ale­a­tó­ria nas es­co­las. Obri­ga­do Pre­si­den­te por nos fazer sen­tir de no­vo que, mes­mo que as nos­sas pa­la­vras não sejam ou­vi­das, pe­lo me­nos são pro­nun­ci­a­das, pós is­so nos dá mais for­ça e nos faz crer num fu­tu­ro me­lhor.

Obri­ga­do, Pre­si­den­te por ig­no­rar to­dos que, no qua­dro da li­ber­da­de de ex­pres­são, o jul­gam, mar­gi­na­li­zam, se di­ri­gem a Vos­sa Excelência sem o mí­ni­mo de con­si­de­ra­ção. A es­tes, per­doe, Se­nhor Pre­si­den­te.

Des­can­se, Se­nhor Pre­si­den­te, por­que nin­guém con­se­gue apa­gar com um sim­ples cor­rec­tor as cen­tra­li­da­des cons­truí­das pe­lo país, as bar­ra­gens, as es­tra­das e de­mais me­lho­ri­as que dia após dia se mul­ti­pli­cam por es­ta nos­sa lin­da An­go­la.

Os mes­mos que fin­gem não lhe re­co­nhe­cer mé­ri­to, es­que­cem-se que Vos­sa Excelência nun­ca dis­se que es­tá tu­do bem em An­go­la, an­tes pe­lo con­trá­rio, e os re­gis­tos não nos dei­xam men­tir. Sem­pre ape­lou e exi­giu dos seus co­la­bo­ra­do­res mais de­di­ca­ção para so­lu­ção dos pro­ble­mas a bem da po­pu­la­ção, co­mo dis­se o sau­do­so Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to: "O mais im­por­tan­te é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo". O se­nhor, com a hu­mil­da­de com que nos acos­tu­mou, re­co­nhe­ceu ha­ver cor­rup­ção no país e aler­tou para que se com­ba­tes­se. Sua Excelência nun­ca me­diu es­for­ços para que hou­ves­se mais e me­lhor edu­ca­ção, saú­de, luz, água, sa­ne­a­men­to e ou­tras ne­ces­si­da­des fun­da­men­tais a fa­vor do po­vo que tan­to ama.

A vos­sa mis­são es­tá cum­pri­da. Não te­nho dú­vi­das que, se de­pen­des­se úni­ca e sim­ples­men­te de sua Excelência, An­go­la se­ria me­lhor, mas es­tou con­fi­an­te na de­ter­mi­na­ção e fir­me­za do Pre­si­den­te elei­to em me­lho­rar o que es­tá bem e cor­ri­gir o que es­tá mal!

Obri­ga­do, Pre­si­den­te, por­que não há bor­ra­cha nem exis­te cor­rec­tor que apa­gue o vos­so le­ga­do. Sua Excelência foi, é e se­rá sem­pre dos mai­o­res exem­plos de bom ci­da­dão, bom pa­tri­o­ta, não só em An­go­la, mas em Áfri­ca e qui­çá no Mun­do.

OBRI­GA­DO ZÉ DÚ!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.