CEDEAO apoia diá­lo­go para re­for­mas po­lí­ti­cas

Opo­si­ção ame­a­ça com no­vas ma­ni­fes­ta­ções após uma mo­bi­li­za­ção po­pu­lar mas­si­va na se­ma­na pas­sa­da

Jornal de Angola - - MUNDO -

A Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEA) vai en­vol­ver-se no pro­ces­so de re­so­lu­ção da cri­se to­go­le­sa com vis­ta a um des­fe­cho fa­vo­rá­vel da ques­tão das re­for­mas po­lí­ti­cas exi­gi­das pe­los par­ti­dos da opo­si­ção, anun­ci­ou o pre­si­den­te da co­mis­são da re­fe­ri­da ins­ti­tui­ção.

Alain de Sou­za, que vi­si­tou na quar­ta­fei­ra úl­ti­ma Lo­mé, dis­se no­tar “uma von­ta­de de diá­lo­go”, con­vi­dan­do as­sim o Go­ver­no e a opo­si­ção à “cal­ma e à não-vi­o­lên­cia para ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país.”

No seu en­ten­der, o To­go atra­ves­sa uma cri­se de con­fi­an­ça en­tre os pro­ta­go­nis­tas po­lí­ti­cos, exor­tan­do-os a apos­ta­rem no diá­lo­go e a fa­ze­rem con­ces­sões para que as re­for­mas e a al­ter­nân­cia sejam fei­tas em paz.

Alain de Sou­za ins­tou os par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção e a mai­o­ria pre­si­den­ci­al a jun­ta­rem-se no Par­la­men­to e “tra­ba­lha­rem ra­pi­da­men­te em paz.”

“Se há di­li­gên­ci­as a fazer, es­ta­re­mos ainda pre­sen­tes”, ga­ran­tiu de­pois de su­bli­nhar que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal não po­de fi­car de bra­ços cru­za­dos, no­me­a­da­men­te a Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEAO), cu­jo pre­si­den­te da con­fe­rên­cia dos Che­fes de Es­ta­do é o Pre­si­den­te to­go­lês, Fau­re Es­so­zim­na Gnas­sing­bé.

Os par­ti­dos da opo­si­ção to­go­le­sa anu­la­ram na sex­ta-fei­ra uma reu­nião de ca­rác­ter in­for­ma­ti­vo, em Lo­mé, com vis­ta a per­mi­tir uma “mai­or mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção” nas ma­ni­fes­ta­ções pro­gra­ma­das para a pró­xi­ma se­ma­na, no­ti­ci­ou a AFP.

Num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do na quin­ta-fei­ra, os opo­si­to­res acu­sam o Go­ver­no de “fe­char-se nu­ma tei­mo­sia e nu­ma diversão co­mo é de hábito”, após os de­ba­tes na As­sem­bleia Na­ci­o­nal no iní­cio da se­ma­na.

Es­ta co­li­ga­ção de 14 par­ti­dos da opo­si­ção exi­ge a im­ple­men­ta­ção de re­for­mas e a saí­da do Pre­si­den­te Fau­re Gnas­sing­bé, após uma mo­bi­li­za­ção po­pu­lar mas­si­va em to­do o país na se­ma­na pas­sa­da.

Ainda na se­ma­na pas­sa­da, o Go­ver­no ten­tou apa­zi­guar a ten­são, ao pro­por um pro­jec­to de lei à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, li­mi­tan­do os man­da­tos pre­si­den­ci­ais a um escrutínio a du­as vol­tas.

To­da­via, es­te pro­jec­to de re­for­ma não é re­tro­ac­ti­vo, per­mi­tin­do a Fau­re Gnas­sing­bé, no po­der des­de 2005, após ter subs­ti­tuí­do o seu pai, o ge­ne­ral Gnas­sing­bé Eya­dé­ma, que go­ver­nou du­ran­te 38 anos, con­cor­rer nas pró­xi­mas du­as elei­ções.

Je­an-Pi­er­re Fa­bre, o che­fe de fi­la da opo­si­ção, de­nun­ci­ou o pro­jec­to de re­for­ma cons­ti­tu­ci­o­nal do Go­ver­no e pe­diu uma “re­mo­bi­li­za­ção.”

O Go­ver­no, por seu tur­no, ape­lou os to­go­le­ses à “cal­ma e à mo­de­ra­ção”, du­ran­te uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa re­a­li­za­da na quar­ta-fei­ra on­de con­de­nou a “es­ca­la­da de vi­o­lên­cia fí­si­ca e ver­bal em jei­to de in­sur­rei­ção.”

Pre­si­den­te da co­mis­são da CEDEAO exor­tou o Go­ver­no e a opo­si­ção to­go­le­sa a ini­ci­a­rem um diá­lo­go para su­pe­rar a cri­se

O pro­jec­to de re­for­ma cons­ti­tu­ci­o­nal exi­gi­do pe­los par­ti­dos da opo­si­ção so­bre a li­mi­ta­ção dos man­da­tos pre­si­den­ci­ais começa a ser ana­li­sa­do em bre­ve, anun­ci­ou na quar­ta-fei­ra, o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal to­go­le­sa, Da­ma Dra­ma­ni, que evo­cou um ca­so de “for­ça mai­or” e de pa­tri­o­tis­mo.

Vá­ri­os lí­de­res da opo­si­ção afir­mam já não acre­di­tar no diá­lo­go após mais de dez anos de es­pe­ra e ape­lam a no­vas ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res para 20 e 21 de Se­tem­bro.

Ma­ni­fes­ta­ções mas­si­vas ocor­re­ram em Lo­mé e nas pro­vín­ci­as a 6 e 7 de Se­tem­bro, con­vo­ca­das por uma co­li­ga­ção de 14 par­ti­dos, para so­li­ci­tar a im­ple­men­ta­ção de re­for­mas e a saí­da do Pre­si­den­te Fau­re Gnas­sing­bé.

As for­ças da or­dem mo­bi­li­za­ram cen­te­nas de efe­ti­vos para ga­ran­tir a tran­qui­li­da­de e evi­tar da­nos con­tra as in­fra-es­tru­tu­ras es­ta­tais e pri­va­das.

A Po­lí­cia to­go­le­sa pro­me­te pro­te­ger as vi­das e bens das po­pu­la­ções ao mes­mo tem­po que ape­la os ci­da­dãos a evi­ta­rem con­cen­tra­ções e ac­tos que ame­a­çem a paz e tra­qui­li­da­des pú­bli­cas. A cri­se po­lí­ti­ca ame­a­ça não ape­nas o To­go, mas ou­tros paí­ses da re­gião da CEDEAO.

PIUS UTOMI EKTPEI | AFP For­ças de se­gu­ran­ça to­go­le­sas pro­me­tem ga­ran­tir a tran­qui­li­da­de em to­do o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.