De­pu­ta­dos da UNITA vão ocu­par os lu­ga­res

Jornal de Angola - - PARTADA - Ber­nar­di­no Man­je

A UNITA vai to­mar os seus 51 lu­ga­res na As­sem­bleia Na­ci­o­nal re­sul­tan­tes das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to. A ga­ran­tia foi da­da on­tem pe­lo pre­si­den­te do par­ti­do, Isaías Samakuva, quan­do re­a­gia ao acór­dão do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal que in­de­fe­riu o pe­di­do do mai­or par­ti­do na opo­si­ção pa­ra a im­pug­na­ção das úl­ti­mas elei­ções. Isaías Samakuva ad­mi­tiu não ter si­do fá­cil a de­ci­são, mas afir­mou que mais va­le es­tar no Par­la­men­to do que fa­zer opo­si­ção dis­tan­te da Ca­sa das Leis.

Ape­sar de dis­cor­dar com os re­sul­ta­dos das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to, a UNITA vai to­mar os seus lu­ga­res na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. A ga­ran­tia foi da­da on­tem pe­lo pre­si­den­te do par­ti­do, Isaías Samakuva, quan­do re­a­gia ao acór­dão do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal que in­de­fe­riu o pe­di­do do mai­or par­ti­do na opo­si­ção pa­ra a im­pug­na­ção das úl­ti­mas elei­ções.

Na quar­ta-fei­ra, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal jul­gou im­pro­ce­den­tes os re­cur­sos da UNITA, co­li­ga­ção CA­SA-CE, PRS e FNLA pa­ra im­pug­na­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais e de­cla­rou que as elei­ções ge­rais fo­ram li­vres, trans­pa­ren­tes, uni­ver­sais e jus­tas, nos ter­mos pre­vis­tos pe­la Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca e pe­la Lei, e de­cor­re­ram sob um ade­qua­do ní­vel or­ga­ni­za­ti­vo, par­ti­ci­pa­ti­vo e or­dei­ro. O ple­ná­rio do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal con­cluiu ain­da ha­ver for­tes in­dí­ci­os de fal­si­fi­ca­ção nos do­cu­men­tos apre­sen­ta­dos pe­la UNITA pa­ra pro­var o re­cur­so in­ter­pos­to jun­to da­que­le ór­gão.

Isaías Samakuva ad­mi­tiu não ter si­do fá­cil a de­ci­são , mas afir­mou que mais va­le es­tar no Par­la­men­to do que fa­zer opo­si­ção dis­tan­te da Ca­sa das leis. "A lu­ta con­tra a cor­rup­ção, a po­bre­za, o de­sem­pre­go e a ex­clu­são é fei­ta na As­sem­bleia Na­ci­o­nal e não atra­vés de sim­ples dis­cur­sos", con­si­de­rou o po­lí­ti­co, su­bli­nhan­do que es­ta lu­ta vai ser em­pre­en­di­da den­tro e fo­ra das ins­ti­tui­ções.

A po­si­ção do mai­or par­ti­do na opo­si­ção to­ma­da na úl­ti­ma reu­nião do Co­mi­té Per­ma­nen­te da Co­mis­são Po­lí­ti­ca, não foi, con­tu­do, aco­lhi­da de ime­di­a­to por to­dos os mi­li­tan­tes presentes no com­ple­xo Sovs­mo, em Vi­a­na, on­de de­cor­reu o ac­to. Uma boa par­te de­fen­dia que os de­pu­ta­dos da UNITA não to­mas­sem os as­sen­tos na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pa­ra pro­tes­tar con­tra os re­sul­ta­dos elei­to­rais. Es­ta ati­tu­de se­ria re­for­ça­da com a re­a­li­za­ção de ma­ni­fes­ta­ções, en­tre­tan­to de­sa­con­se­lha­das por Isaías Samakuva.

"Gos­ta­mos de uma ju­ven­tu­de as­sim (ac­ti­va ou re­so­lu­ta), mas tam­bém gos­ta­mos da ju­ven­tu­de que sa­be e gos­ta de ou­vir os mais-ve­lhos", afir­mou o lí­der da UNITA, in­sis­tin­do que uma opo­si­ção res­pon­sá­vel de­ve ser fei­ta na As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

O en­tão can­di­da­to a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tam­bém dei­xou cla­ro que a de­ci­são de que os de­pu­ta­dos da UNITA to­mem as­sen­to na As­sem­bleia Na­ci­o­nal não de­ve ser en­ten­di­da co­mo uma ne­ces­si­da­de de sa­tis­fa­ção de ne­ces­si­da­des pes­so­ais. "Há quem li­mi­te a nos­sa pre­sen­ça na As­sem­bleia Na­ci­o­nal com a boa vi­da ou com os Le­xus (vi­a­tu­ras a se­rem atri­buí­das aos de­pu­ta­dos)", dis­se Samakuva, su­bli­nhan­do que es­ta não é a pre­ten­são do seu par­ti­do.

JOÃO GOMES | EDIÇÕES NO­VEM­BRO UNITA ga­ran­te a pre­sen­ça dos de­pu­ta­dos no Par­la­me­to

PAULO MULAZA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO Pre­si­den­te da UNITA pro­me­te “lu­ta” na As­sem­bleia Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.