Ma­cron pe­de ra­pi­dez no pro­ces­so de paz

Pre­si­den­te da Fran­ça, Em­ma­nu­el Ma­cron, e o da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin, ana­li­sa­ram a si­tu­a­ção militar na Síria, on­de os gru­pos ex­tre­mis­tas co­mo o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” já per­de­ram pra­ti­ca­men­te to­das as po­si­ções de­vi­do à ofen­si­va do Exér­ci­to

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Pre­si­den­te da Fran­ça, Em­ma­nu­el Ma­cron, pe­diu on­tem ao seu ho­mó­lo­go rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, nu­ma con­ver­sa ao te­le­fo­ne, que avan­ce mais de­pres­sa pa­ra as ne­go­ci­a­ções re­ais que sir­vam pa­ra re­sol­ver a guer­ra ci­vil na Síria.

“Ma­cron sa­li­en­tou a ne­ces­si­da­de de que se avan­ce mais rá­pi­do pa­ra que se ini­ci­em ne­go­ci­a­ções re­ais no mar­co do pro­ces­so de Ge­ne­bra sob o am­pa­ro da ONU. O pro­ces­so po­lí­ti­co é a úni­ca via que per­mi­te uma estabilização du­ra­dou­ra”, in­for­mou a Pre­si­dên­cia fran­ce­sa num co­mu­ni­ca­do.

Os dois lí­de­res tam­bém con­ver­sa­ram so­bre a ten­são na Pe­nín­su­la da Coreia e con­cor­da­ram com a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção pe­ran­te as pro­vo­ca­ções re­pe­ti­das do Go­ver­no de Pyongyang, se­gun­do os as­ses­so­res de Em­ma­nu­el Ma­cron.

O Pre­si­den­te fran­cês re­fe­riu ain­da a im­por­tân­cia do pa­pel da Rús­sia nes­ta crise pa­ra uma res­pos­ta unâ­ni­me e fir­me da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, que es­tá quase sem mei­os pa­ra con­tro­lar os tes­tes de Pyongyang.

Na crise da Ucrâ­nia, se­gun­do o Pre­si­den­te fran­cês, o tra­ba­lho con­ti­nua no mar­co do for­ma­to de Nor­man­dia, que re­me­te ao pri­mei­ro en­con­tro en­tre os lí­de­res de Ucrâ­nia, Rús­sia, Fran­ça e Ale­ma­nha em Ju­nho de 2014 após a ane­xa­ção da Cri­meia. Se­gun­do a no­ta, Emam­nu­el Ma­cron con­gra­tu­lou-se com o fac­to de o diá­lo­go com a Rús­sia ter pro­gre­di­do des­de que se en­con­trou com o Pre­si­den­te Vla­di­mir Pu­tin no Pa­lá­cio de Ver­sa­lhes no mês de Maio. Paris acre­di­ta que Mos­co­vo é um ac­tor com gran­de in­fluên­cia na po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal, ca­paz de aju­dar a en­con­trar uma so­lu­ção po­lí­ti­ca na crise com Pyongyang mas tam­bém na crise ucra­ni­a­na, on­de a in­te­gra­ção da Cri­meia à Rús­sia ain­da é uma gran­de di­fe­ren­ça na re­la­ção com o Oci­den­te. “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” O “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” (“EI”) per­deu em qua­tro me­ses 70 por cen­to da su­per­fí­cie que con­tro­la­va na Síria, on­de ac­tu­al­men­te é al­vo de ofen­si­vas do Exér­ci­to na­ci­o­nal e seus ali­a­dos e de mi­lí­ci­as cur­das apoi­a­das pe­los Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, in­for­mou on­tem o Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio de Direitos Hu­ma­nos (OSDH).

Des­de o úl­ti­mo dia 6 de Maio, os ter­ro­ris­tas dei­xa­ram de con­tro­lar 72.300 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, equi­va­len­tes a 39,1 por cen­to do ter­ri­tó­rio sí­rio, pa­ra do­mi­nar ago­ra 12,3 por cen­to, o que equi­va­le a 22.800 qui­ló­me­tros qua­dra­dos.

O OSDH me­de as per­das dos ter­ro­ris­tas a par­tir des­sa da­ta, por­que foi nes­sa oca­sião que en­trou em vi­gor na Síria o acor­do pa­ra a cri­a­ção de zo­nas des­mi­li­ta­ri­za­das no país, que re­du­ziu a vi­o­lên­cia em al­gu­mas par­tes do ter­ri­tó­rio, o que per­mi­tiu às for­ças go­ver­na­men­tais con­cen­tra­rem-se na lu­ta con­tra o “EI”.

As for­ças le­ais ao Go­ver­no sí­rio têm ac­tu­al­men­te nas su­as mãos 48 por cen­to do ter­ri­tó­rio, cor­res­pon­den­te a 89 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos, con­tra 19,3 por cen­to (36 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos) em Maio. O OSDH sa­li­en­tou que o apoio da Rús­sia foi de­ter­mi­nan­te pa­ra es­te pro­gres­so go­ver­na­men­tal, com a re­a­li­za­ção de ope­ra­ções áe­re­as que de­ram uma gran­de aju­da às mo­vi­men­ta­ções em ter­ra das for­ças sí­ri­as, o que per­mi­tiu des­man­te­lar po­si­ções es­tra­té­gi­cas dos ex­tre­mis­tas.

Ou­tra das par­tes que ga­nhou ter­re­no de for­ma no­tá­vel fo­ram as For­ças da Síria De­mo­crá­ti­ca (FSD), uma ali­an­ça li­de­ra­da por mi­lí­ci­as cur­das e apoi­a­das pe­la co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal co­man­da­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, que ago­ra con­tro­la 43 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos, cor­res­pon­den­tes a 23,1 por cen­to da su­per­fí­cie, con­tra os 41 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos (22,1 por cen­to), há qua­tro me­ses.

O res­to do ter­ri­tó­rio sí­rio es­tá re­par­ti­do en­tre fac­ções an­ti-go­ver­na­men­tais e ter­ro­ris­tas, en­tre as quais há al­gu­mas “jiha­dis­tas” e gru­pos apoiados pe­la Tur­quia e pe­los EUA, que no to­tal ocu­pam 16,5 por cen­to do país (30 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos), após ter re­tro­ce­di­do em re­la­ção ao mês de Maio, quan­do ti­nham 19,2 por cen­to (35 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos).

O Go­ver­no sí­rio es­tá a con­du­zir um pro­ces­so de ne­go­ci­a­ções com gru­pos mo­de­ra­dos, vi­san­do um en­ten­di­men­to que le­ve ao fim do con­fli­to e ofe­re­ça uma pla­for­ma po­lí­ti­ca que per­mi­ta a in­clu­são de to­dos os sí­ri­os e gru­pos de ori­en­ta­ção ide­o­ló­gi­ca dis­tin­ta. Em vá­ri­as oca­siões, Da­mas­co en­vi­ou um si­nal for­te de que es­tá in­te­res­sa­do na con­tri­bui­ção de to­das as par­tes des­de que de­se­jam um exer­cí­cio li­vre das ar­mas.

O OSDH des­ta­cou ain­da que no Sul da Síria um gru­po vin­cu­la­do ao “EI”, de­no­mi­na­do Exér­ci­to de Ja­led bin Wa­lid, mantém ocu­pa­dos des­de Maio 250 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, 0,1 por cen­to da Síria, na ba­cia do rio Al Yar­muk, ad­ja­cen­te às Co­li­nas de Go­lã, ocu­pa­dos por Is­ra­el des­de 1967.

Em­ma­nu­el Ma­cron re­co­nhe­ce que o diá­lo­go so­bre a Síria me­lho­rou com a Rús­sia des­de que ele se en­con­trou com o Pre­si­den­te Vla­di­mir Pu­tin no Pa­lá­cio de Ver­sa­lhes no mês de Maio des­te ano

Fran­ça quer que a Rús­sia ter­mi­ne o mais rá­pi­do pos­sí­vel o pro­ces­so de ne­go­ci­a­ções pa­ra pôr fim a guer­ra DOMINIQUE DERDA | AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.