A mon­ta­nha vol­tou a pa­rir um ra­to

Jornal de Angola - - PORTADA - PA­LA­VRA DO DIRECTOR Vic­tor Car­va­lho

As úl­ti­mas du­as se­ma­nas fo­ram par­ti­cu­lar­men­te in­ten­sas por for­ça da­qui­lo que a opo­si­ção po­lí­ti­ca jul­ga­va po­der im­por aos an­go­la­nos: uma vi­tó­ria na “se­cre­ta­ria” que fos­se ca­paz de neu­tra­li­zar a es­tron­do­sa der­ro­ta so­fri­da nas ur­nas.

Para con­subs­tan­ci­ar es­se seu de­se­jo, de­vi­da­men­te ba­li­za­do pe­las leis em vi­gor na de­mo­cra­cia an­go­la­na, va­leu de tu­do um pou­co. Fa­zen­do fé nos acór­dãos emi­ti­dos pe­lo Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, des­de ra­su­rar ac­tas a omi­tir pro­vas que di­zia se­rem “ir­re­fu­tá­veis” a opo­si­ção po­lí­ti­ca foi cri­an­do uma “mon­ta­nha” de su­pos­tos ca­sos de mo­do a dar sequên­cia ao pro­ces­so que há mui­to tem­po cri­ou para des­va­lo­ri­zar a sua mais que há mui­to anun­ci­a­da der­ro­ta.

Nes­ta sua lou­ca azá­fa­ma de mi­ni­mi­zar a im­por­tân­cia das eleições, so­bre­tu­do a de­ci­são do po­vo, a opo­si­ção não he­si­tou em en­la­me­ar an­ti­gos che­fes de Es­ta­do afri­ca­nos que es­ti­ve­ram en­tre nós em mis­são de ob­ser­va­ção, nem de ca­lu­ni­ar ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais co­lan­do­lhes di­ver­so ti­po de ró­tu­los ne­ga­ti­vos.

Um pou­co já em de­ses­pe­ro de cau­sa, ven­do que as su­as “de­nún­ci­as” eram pau­la­ti­na­men­te des­mon­ta­das com a com­pro­va­ção de fac­tos, es­sa mes­ma opo­si­ção po­lí­ti­ca dei­xa ain­da ago­ra pai­rar no ar a pos­si­bi­li­da­de, ti­po ame­a­ça, de não ocu­par os lu­ga­res que por di­rei­to con­quis­ta­ram na nova com­po­si­ção par­la­men­tar.

Aqui che­ga­dos, aqui­lo que pa­re­cia ser a união de to­dos os par­ti­dos per­de­do­res con­tra os ven­ce­do­res co­me­çou a des­fa­zer­se. O pri­mei­ro a sair des­sa ali­an­ça foi a CA­SA-CE, que no dia a se­guir à va­li­da­ção do re­sul­ta­do das eleições pe­lo Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal anun­ci­ou que os seus de­pu­ta­dos elei­tos vão res­pei­tar a so­be­ra­na von­ta­de do po­vo que ne­la vo­tou, com a sal­va­guar­da do seu lí­der po­der vir a sus­pen­der pos­te­ri­or­men­te o man­da­to. A UNITA se­guiu-lhe on­tem as pi­sa­das, man­ten­do igual­men­te o seu lí­der fo­ra do par­la­men­to.

PRS e FNLA ain­da não se pro­nun­ci­a­ram so­bre o as­sun­to, mas tu­do le­va a crer que as su­as ame­a­ças não se­rão con­cre­ti­za­das e que tam­bém eles aca­ba­rão por es­tar nas ban­ca­das par­la­men­ta­res. Mais do que fa­zer acu­sa­ções ca­lu­ni­o­sas, a opo­si­ção tem que ter a co­ra­gem po­lí­ti­ca de as­su­mir to­das as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des, se­ja para com o país, em ge­ral, se­ja com os seus mi­li­tan­tes, em par­ti­cu­lar.

Para com o país o mí­ni­mo que se lhes exi­ge é que cum­pram com a von­ta­de do po­vo, as­su­mam os seus lu­ga­res na As­sem­bleia Na­ci­o­nal e fa­çam des­sa tri­bu­na uma pla­ta­for­ma crí­ti­ca mas tam­bém con­tri­bu­ti­va para a ac­c­ção do go­ver­no le­gi­ti­ma­men­te elei­to.

Para com os seus mi­li­tan­tes é exi­gi­da a co­ra­gem, tam­bém ela po­lí­ti­ca, de as­su­mi­rem a der­ro­ta e de ex­pli­ca­rem fron­tal­men­te que ela se de­veu à sua in­com­pe­tên­cia e não a qual­quer con­ge­mi­na­ção ur­di­da, sa­be-se lá por qu­em, para a im­pe­dir de che­gar ao po­der.

As li­de­ran­ças po­lí­ti­cas dos di­fe­ren­tes par­ti­dos da opo­si­ção têm que es­tar à al­tu­ra das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des po­lí­ti­cas e re­cu­sar pros­se­guir na ac­tu­al via de con­fron­to e de em­pur­rar para os ou­tros (MPLA, go­ver­no, CNE , Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal e im­pren­sa) as cul­pas pe­los seus fra­cas­sos.

Al­guns de­les, no ca­lor da cam­pa­nha, che­ga­ram mes­mo a di­zer que co­lo­ca­ri­am os seus lu­ga­res à dis­po­si­ção ca­so fos­sem der­ro­ta­dos nas ur­nas.

No seu pri­mei­ro pro­nun­ci­a­men­to de­pois do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ter va­li­da­do o re­sul­ta­do das eleições, João Lou­ren­ço re­a­fir­mou a sua in­ten­ção de fa­zer uma pre­si­dên­cia in­clu­si­va e para to­dos os an­go­la­nos. Lo­go, tam­bém com a opo­si­ção a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel.

Por is­so se­ria bom que a opo­si­ção ar­ru­mas­se a ca­sa e de­fi­nis­se as su­as li­de­ran­ças, pois só as­sim po­de­rá es­tar à al­tu­ra do de­sa­fio lan­ça­do pe­lo fu­tu­ro Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tor­nan­do-se na com­po­nen­te fun­da­men­tal para que a de­mo­cra­cia pos­sa fun­ci­o­nar. A gran­de ques­tão que ago­ra se co­lo­ca é a de sa­ber se es­ta opo­si­ção, com as su­as ac­tu­ais li­de­ran­ças já ha­bi­tu­a­das às der­ro­tas, se­rá ca­paz de con­ven­cer os seus mi­li­tan­tes de que irá mu­dar a sua es­tra­té­gia e as­su­mir, de fac­to, as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des ou se, pe­lo con­trá­rio, te­re­mos no­vos pro­ta­go­nis­tas na po­lí­ti­ca na­ci­o­nal.

Al­guns de­les, no ca­lor da cam­pa­nha, che­ga­ram mes­mo a di­zer que co­lo­ca­ri­am os seus lu­ga­res à dis­po­si­ção ca­so fos­sem der­ro­ta­dos nas ur­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.