Uma der­ro­ta anun­ci­a­da

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Paulo Pi­nha

A in­dús­tria do ci­ne­ma dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca (EUA) tem de­mons­tra­do ao lon­go dos anos uma per­cep­ção qua­se in­fa­lí­vel das ten­dên­ci­as do pú­bli­co.

No meio de al­guns “flops”, uma pa­la­vra in­gle­sa que sig­ni­fi­ca fra­cas­sos, fil­mes de ac­ção, co­mé­dia e dra­mas co­mo­ven­tes fa­zem “dis­pa­rar” as re­cei­tas de bi­lhe­tei­ra, tra­du­zi­das em nú­me­ros re­don­dos, gor­dos e as­tro­nó­mi­cos.

Os re­sul­ta­dos de bi­lhe­tei­ra são pu­bli­ca­dos se­ma­nal­men­te na im­pren­sa nor­te-ame­ri­ca­na, de­pois de afe­ri­dos e re­con­ta­dos por uma ins­ti­tui­ção idó­nea e in­de­pen­den­te dos es­tú­di­os de ci­ne­ma. As pre­fe­rên­ci­as do pú­bli­co apa­re­cem “es­pe­lha­das” nos al­ga­ris­mos que má­qui­na al­gu­ma, até ago­ra, con­se­guiu ma­ni­pu­lar, nem se­quer na ima­gi­na­ção de um ci­ne­as­ta de cré­di­tos fir­ma­dos.

His­tó­ri­as de ban­di­dos, po­lí­ti­cos e po­lí­ci­as cor­rup­tos, tra­fi­can­tes e ter­ro­ris­tas são al­guns exem­plos de co­mo a fic­ção não es­tá lon­ge da re­a­li­da­de, mes­mo que es­ta nem sem­pre “sal­te” para os écrans, co­mo se fos­se im­pul­si­o­na­da por uma má­qui­na, ou ga­nhas­se vi­da pró­pria.

Ce­nas de pan­ca­da­ria, ti­ros, aci­den­tes de vi­a­ção ou aé­re­os, que­das de ca­va­lo e en­ve­ne­na­men­tos pre­en­chem os ar­gu­men­tos dos fil­mes mais po­pu­la­res. Para is­so, e co­mo em tu­do na vi­da, há uma ex­pli­ca­ção. Um psi­có­lo­go di­rá que a vi­o­lên­cia ex­ci­ta pes­so­as com uma men­te per­tur­ba­da. Um po­lí­cia de in­ves­ti­ga­ção fo­ren­se, pro­va­vel­men­te, en­co­lhe os om­bros di­an­te de uma ce­na de cri­me, por­que es­tá ha­bi­tu­a­do a ver ce­nas hor­ro­ro­sas.

Pois é. A ba­na­li­za­ção da cri­mi­na­li­da­de nos écrans po­de in­du­zir a al­guns

com­por­ta­men­tos anor­mais e le­var, em si­tu­a­ções li­mi­tes, cer­tas pes­so­as a in­ci­tar à vi­o­lên­cia, por­que o clu­be de sua “elei­ção” per­deu no final do tem­po re­gu­la­men­tar, sem in­ter­fe­rên­cia do quar­te­to de ár­bi­tros.

Em al­guns cam­pos pe­la­dos de Angola já ocor­re­ram “ba­ta­lhas cam­pais” por uma en­tra­da “mus­cu­la­da” de um jo­ga­dor, ra­pi­da­men­te con­tro­la­das pe­los agen­tes da au­to­ri­da­de pre­sen­tes no re­cin­to des­por­ti­vo, mas na­da com­pa­ra­do com des­man­dos de mai­or gra­vi­da­de nou­tros paí­ses.

Tais ac­tos le­va­ram as ins­ti­tui­ções que su­pe­rin­ten­dem o des­por­to, em co­la­bo­ra­ção com as au­to­ri­da­des de de­fe­sa e se­gu­ran­ça, a to­mar as me­di­das apro­pri­a­das. O mes­mo acon­te­ceu nou­tros “pal­cos” des­por­ti­vos, quan­do as au­to­ri­da­des des­por­ti­vas in­ter­na­ci­o­nais dis­se­ram “bas­ta!” à vi­o­lên­cia nos es­tá­di­os de fu­te­bol.

Os re­sul­ta­dos tar­da­ram a apa­re­cer, mas as ac­ções em­pre­en­di­das de­ram re­sul­ta­do,de­pois da in­tro­du­ção de cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção e de me­di­das per­su­a­si­vas.

Ho­je em dia, em al­guns paí­ses on­de es­sas prá­ti­cas fo­ram im­ple­men­ta­das, os adep­tos as­sis­tem a jo­gos com tran­qui­li­da­de, na com­pa­nhia de fa­mi­li­a­res e ami­gos, al­guns dos quais ves­tem a ca­mi­so­la de ou­tro clu­be.

Pois é, cus­ta a acre­di­tar. No en­tan­to, to­do o es­for­ço con­ju­ga­do de clu­bes, ins­ti­tui­ções des­por­ti­vas e au­to­ri­da­des sur­tiu o efei­to de­se­ja­do.

Ac­tu­al­men­te, os es­tá­di­os do Rei­no Uni­do são fre­quen­ta­dos por adep­tos de em­ble­mas ri­vais num am­bi­en­te pa­cí­fi­co, por­que in­te­ri­o­ri­za­ram que o ami­go, o vi­zi­nho ou, mes­mo um pa­ren­te, sim­pa­ti­zan­te de ou­tro clu­be, é a mes­ma pes­soa, an­tes, du­ran­te e de­pois de as­sis­tir a um de­sa­fio.

Den­tro das qua­tro li­nhas, há 22 jo­ga­do­res a de­fen­de­rem os clu­bes res­pec­ti­vos. Ou­tros fi­cam no ban­co dos su­plen­tes à es­pe­ra de uma opor­tu­ni­da­de para pi­sar a rel­va. In­de­pen­den­te­men­te do sa­lá­rio que au­fe­rem e do es­ta­tu­to den­tro do plan­tel, res­pei­tam-se den­tro e fo­ra do es­tá­dio. Co­mo iguais, ain­da que sai­am do bal­neá­rio, equi­pa­dos de mo­do di­fe­ren­te.

His­tó­ri­as de ban­di­dos, po­lí­ti­cos e po­lí­ci­as cor­rup­tos, tra­fi­can­tes e ter­ro­ris­tas são al­guns exem­plos de co­mo a fic­ção não es­tá lon­ge da re­a­li­da­de, mes­mo que es­ta nem sem­pre “sal­te” para os écrans, co­mo se fos­se im­pul­si­o­na­da por uma má­qui­na, ou ga­nhas­se vi­da pró­pria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.