Gru­po Opaia pro­jec­ta no­vos in­ves­ti­men­tos

Com­pa­nhia pri­va­da tem em cur­so qua­tro pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to nas pro­vín­ci­as de Ma­lan­je e Cu­an­za Nor­te

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Ar­man­do Es­tre­la

A Opaia Cons­tru­ções, uma em­pre­sa pri­va­da an­go­la­na, tem em cur­so qua­tro pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co nas pro­vín­ci­as de Ma­lan­je e do Cu­an­za-Nor­te, li­ga­dos aos sec­to­res da Ener­gia, Saú­de e Edu­ca­ção, in­for­mou ao Jor­nal de Angola o gru­po em­pre­sa­ri­al an­go­la­no.

Dos pro­jec­tos, um dos in­ves­ti­men­tos de 405 mi­lhões de kwan­zas, es­tá vi­ra­do para a cons­tru­ção de uma li­nha de ener­gia, que de­ve me­lho­rar o for­ne­ci­men­to de luz eléc­tri­ca a cer­ca de 30 mil pes­so­as em Ma­lan­je e no Cu­an­za-Nor­te.

O ou­tro pro­jec­to es­tá va­lo­ri­za­do em 211 mi­lhões de kwan­zas e vi­sa a cons­tru­ção de uma es­co­la na ci­da­de de Nda­la­tan­do, com 22 sa­las de au­la. O ter­cei­ro, ava­li­a­do em apro­xi­ma­da­men­te 800 mi­lhões de kwan­zas, é para a cons­tru­ção de dois hos­pi­tais pú­bli­cos em Lu­quem­bo e em Sam­ba Ca­ju, para su­prir as di­fe­ren­tes ne­ces­si­da­des de saú­de da po­pu­la­ção lo­cal.

Os qua­tro de­vem pres­tar ser­vi­ços pú­bli­cos, en­quan­to pro­pri­e­da­de dos res­pec­ti­vos go­ver­nos pro­vin­ci­ais, in­se­ri­dos no pla­no do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no para me­lho­rar o aces­so aos ser­vi­ços de qua­li­da­de nos sec­to­res da Saú­de, Edu­ca­ção e Ener­gia.

Em fa­se de co­me­mo­ra­ção dos 15 anos de exis­tên­cia do gru­po, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Opaia, Agos­ti­nho Ka­paia, ga­ran­tiu que “o nos­so mai­or re­co­nhe­ci­men­to é ver­mos as fa­mí­li­as do nos­so país a usu­fruí­rem de um ex­ce­len­te pa­tri­mó­nio, co­mo es­co­las, hos­pi­tais, re­des de ener­gia e de abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel, en­tre ou­tros ac­ti­vos para os quais con­tri­buí­mos e que aju­dá­mos a er­guer, com ba­se na con­fi­an­ça que nos foi de­po­si­ta­da pe­lo Exe­cu­ti­vo.”

Para Agos­ti­nho Ka­paia, “es­tas são apos­tas que con­tri­bu­em para o bem-es­tar da po­pu­la­ção e es­sa é a nos­sa mai­or re­com­pen­sa”, nu­ma al­tu­ra em que o gru­po se prepara para no­vas con­quis­tas nos pró­xi­mos anos. “Es­ta­mos a rei­te­rar o nos­so em­pe­nho em con­tri­buir para o de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia na­ci­o­nal e da me­lho­ria de vi­da do nos­so po­vo e es­ta­mos a re­for­çar a nos­sa in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, que di­vul­ga­re­mos opor­tu­na­men­te, além de pro­cu­rar­mos, tam­bém, im­ple­men­tar no­vos pro­jec­tos nas áreas de dis­tri­bui­ção ali­men­tar e in­dús­tria ain­da es­te ano.”

Re­la­ti­va­men­te às áreas his­tó­ri­cas do gru­po, o em­pre­sá­rio con­fir­ma que a apos­ta é para man­ter a ac­ti­vi­da­de das prin­ci­pais áreas da Opaia, de­sig­na­da­men­te as de en­ge­nha­ria (cons­tru­ção, ener­gia e água), de ho­te­la­ria (com o Ho­tel Ekui­kui I do Hu­am­bo), de tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção (com a Ever.IT) e da agri­cul­tu­ra (com a Agri­paia), ti­das co­mo “es­tra­té­gi­cas e mui­to im­por­tan­tes para o gru­po.” For­ma­do qua­tro me­ses de­pois da ofi­ci­a­li­za­ção da paz efec­ti­va para Angola, o gru­po con­ti­nua fo­ca­do em su­pe­rar os obs­tá­cu­los ad­vin­dos de con­jun­tu­ras e di­nâ­mi­cas dos mer­ca­dos in­ter­no e ex­ter­no e bus­ca fo­car a sua mis­são de acom­pa­nhar o cres­ci­men­to do país e de ele­var a bandeira na­ci­o­nal além-fron­tei­ras. Ac­tu­al­men­te, o gru­po con­ta com cer­ca de mil co­la­bo­ra­do­res.

Em 15 anos, a Opaia ac­tu­ou na ca­pa­ci­ta­ção e em­pre­go de qua­dros na­ci­o­nais, des­ta­can­do-se pe­lo in­ves­ti­men­to em di­fe­ren­tes áreas e na exe­cu­ção de gran­des pro­jec­tos, em par­ce­ria com o Exe­cu­ti­vo e com ou­tras em­pre­sas pri­va­das.

JOÃO GO­MES | EDIÇÕES NOVEMBRO Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Opaia apos­ta na ofer­ta de in­fra-es­tru­tu­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.