O com­por­ta­men­to do aves­truz

Jornal de Angola - - LAZER -

O aves­truz (struthio ca­me­lus) é uma ave não vo­a­do­ra, ori­gi­ná­ria de Áfri­ca. É a úni­ca es­pé­cie vi­va da fa­mí­lia struthi­o­ni­dae, do gé­ne­ro struthio e da or­dem das struthi­o­ni­for­mes.

É con­si­de­ra­do a mai­or es­pé­cie vi­va de ave. Vi­ve em gru­pos nó­ma­des de cin­co a 50 aves que, fre­quen­te­men­te, vi­a­jam jun­tos com ani­mais ru­mi­nan­tes, tais co­mo ze­bras e an­tí­lo­pes, no en­tan­to, o aves­truz é um mo­no­gás­tri­co. Per­cor­re lon­gas dis­tân­ci­as à pro­cu­ra de se­men­tes e de ou­tros pro­du­tos ve­ge­tais (que con­se­quen­te­men­te faz com que se­ja se­mi­nó­ma­de); oca­si­o­nal­men­te, ele tam­bém co­me in­sec­tos, co­mo ga­fa­nho­tos. Co­mo não pos­sui den­tes, ele en­go­le pe­dri­nhas que aju­dam a es­ma­gar os ali­men­tos en­go­li­dos.

O aves­truz po­de fi­car sem água por mui­to tem­po, vi­ven­do ex­clu­si­va­men­te da hu­mi­da­de das plan­tas con­su­mi­das. En­tre­tan­to, ele gos­ta de água e to­ma ba­nho fre­quen­te­men­te.

Com vi­são e au­di­ção agu­ça­das, ele po­de de­tec­tar pre­da­do­res co­mo leões a uma gran­de dis­tân­cia.

Na mi­to­lo­gia po­pu­lar, o aves­truz é fa­mo­so por es­con­der a sua ca­be­ça na areia ao pri­mei­ro si­nal de pe­ri­go. O es­cri­tor ro­ma­no Plí­nio é fa­mo­so pe­las su­as des­cri­ções so­bre o aves­truz, na sua his­tó­ria “Na­tu­ra­lis His­to­ria”, on­de ele des­cre­ve o su­pos­to há­bi­to des­sa ave de es­con­der a ca­be­ça nos ar­bus­tos.

Is­to po­de ter sur­gi­do do fac­to de que, de uma cer­ta dis­tân­cia, quan­do o aves­truz se ali­men­ta­va ele pa­re­cia es­tar a en­ter­rar a ca­be­ça na areia, pois, de­li­be­ra­da­men­te en­go­lia areia/pe­dras pa­ra aju­dar a es­ma­gar a co­mi­da. Quan­do es­tá dei­ta­do ou a es­con­der-se de pre­da­do­res, ele é co­nhe­ci­do por dei­tar a ca­be­ça e o pes­co­ço ao chão. Quan­do ameaçado, o aves­truz fo­ge, mas po­de tam­bém en­fren­tar e ferir se­ri­a­men­te os seus ini­mi­gos atra­vés de coi­ces por meio das su­as po­de­ro­sas per­nas.

O termo aves­truz vem do la­tim avis struthio: avis sig­ni­fi­ca ave e struthio (ou strouthiōn) é uma pa­la­vra que os gre­gos an­ti­gos usa­vam pa­ra se re­fe­rir tan­to a par­dais co­mo ao pró­prio aves­truz. O ani­mal foi des­cri­to ci­en­ti­fi­ca­men­te pe­la pri­mei­ra vez pe­lo na­tu­ra­lis­ta su­e­co Ca­ro­lus Lin­na­eus na sua obra Sys­te­ma Na­tu­rae, no sé­cu­lo XVIII. Ele bap­ti­zou a es­pé­cie com o no­me struthio ca­me­lus, acei­te até ho­je.

O epí­te­to es­pe­cí­fi­co ca­me­lus, que quer di­zer “ca­me­lo”, é uma re­fe­rên­cia ao ha­bi­tat se­co da ave. Em 2016, foi des­co­ber­to um bem pre­ser­va­do es­pé­ci­me fós­sil de um pás­sa­ro, da­ta­do de 50 mi­lhões de anos, que re­pre­sen­ta uma no­va es­pé­cie que é um pa­ren­te até en­tão des­co­nhe­ci­do do aves­truz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.