Pre­si­den­ci­ais no Qué­nia sem Odinga

Can­di­da­to Raila Odinga anunciou a sua re­ti­ra­da da cor­ri­da a pou­co mais de du­as se­ma­nas da re­a­li­za­ção do es­cru­tí­nio

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Pre­si­den­te do Qué­nia, Uhu­ru Kenyat­ta, afir­mou que “as elei­ções pre­si­den­ci­ais vão avan­çar con­for­me estava pla­ni­fi­ca­do”, ape­sar do anún­cio do seu ri­val, Raila Odinga, de de­sis­tir do plei­to, por con­si­de­rar que não foi aten­di­da a sua proposta de re­for­ma da Co­mis­são Elei­to­ral. “Com Raila Odinga ou não, es­ta­mos pre­pa­ra­dos”, dis­se.

Lí­der da opo­si­ção que­ni­a­na re­nun­cia à cor­ri­da às pre­si­den­ci­ais após con­se­guir que o Tri­bu­nal Su­pre­mo anu­las­se as pre­si­den­ci­ais de Agosto e or­de­nas­se a re­a­li­za­ção de uma no­va vo­ta­ção

O Pre­si­den­te do Qué­nia, Uhu­ru Kenyat­ta, afir­mou ontem que “as elei­ções pre­si­den­ci­ais vão avan­çar con­for­me estava pla­ni­fi­ca­do”, ape­sar do anún­cio do seu ri­val, Raila Odinga, que de­sis­tiu do plei­to, por con­si­de­rar que a sua proposta de re­for­ma da co­mis­são elei­to­ral não foi aten­di­da.

“Com Raila Odinga ou não, es­ta­mos pre­pa­ra­dos”, afir­mou Uhu­ru Kenyat­ta, cu­ja re­e­lei­ção nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de oi­to de Agosto foi in­va­li­da­da pe­la Su­pre­ma Cor­te por ir­re­gu­la­ri­da­des.

O pre­si­den­te cessante acu­sou o seu ri­val de “ten­tar ar­rui­nar as elei­ções” e pro­vo­cou-o na ter­ça-fei­ra: “porque não está pron­to pa­ra con­cor­rer de no­vo (...), se está tão cer­to de que as elei­ções an­te­ri­o­res foram um rou­bo?” Raila Odinga, can­di­da­to da co­li­ga­ção opo­si­to­ra Su­per Ali­an­ça Na­ci­o­nal, (NASA) anunciou a re­ti­ra­da da sua can­di­da­tu­ra por, en­tre ou­tras ra­zões, a co­mis­são elei­to­ral, ór­gão que con­si­de­ra res­pon­sá­vel pe­las ir­re­gu­la­ri­da­des ci­ta­das, não aten­der às suas propostas de re­for­ma.

Ao jus­ti­fi­car a de­ci­são, o lí­der da opo­si­ção que­ni­a­na afir­mou que “os nos­sos pe­di­dos pa­ra ga­ran­tir elei­ções li­vres e jus­tas foram com­ple­ta­men­te ig­no­ra­dos pe­la pró­pria co­mis­são e pelo Ju­bi­leu (partido go­ver­nan­te) e não pa­re­ce que eles têm a in­ten­ção de fa­zer qual­quer mu­dan­ça.”

Raila Odinga acres­cen­tou, num pro­nun­ci­a­men­to à im­pren­sa, que “che­gá­mos à con­clu­são que a co­mis­são elei­to­ral não tem in­ten­ções de re­a­li­zar mu­dan­ças, a ní­vel das suas ope­ra­ções, e pes­so­al pa­ra ga­ran­tir que não se re­pi­tam as 'ile­ga­li­da­des e ir­re­gu­la­ri­da­des' que le­va­ram à in­va­li­da­ção do es­cru­tí­nio de 8 de Agosto. Tu­do in­di­ca que a elei­ção pre­vis­ta pa­ra 26 de Ou­tu­bro é pi­or que a anterior.”

Tam­bém re­fe­re que “ten­do em con­ta os in­te­res­ses do po­vo do Qué­nia, da re­gião e do mun­do, pen­sa­mos que o in­te­res­se de to­dos se­rá melhor ser­vi­do com o aban­do­no da can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al (da co­li­ga­ção da opo­si­ção) às elei­ções pre­vis­tas pa­ra 26 de Ou­tu­bro de 2017”, an­tes de afir­mar que a sua re­ti­ra­da da cor­ri­da im­pli­ca que o es­cru­tí­nio de 26 de Ou­tu­bro deve ser “can­ce­la­do” e que um no­vo pro­ces­so elei­to­ral se­ja or­ga­ni­za­do “nu­ma da­ta pos­te­ri­or.”

A NASA so­li­ci­tou a des­ti­tui­ção da di­rec­ção da co­mis­são elei­to­ral, apon­ta­da pelo Tri­bu­nal Su­pre­mo co­mo res­pon­sá­vel pe­las ir­re­gu­la­ri­da­des, e ad­ver­tiu vá­ri­as ve­zes que as elei­ções não se re­a­li­za­ri­am se tal exigência não fos­se aten­di­da.

Em Setembro, dois di­as de­pois de in­va­li­da­das as elei­ções pre­si­den­ci­ais, o pre­si­den­te da Co­mis­são Elei­to­ral In­de­pen­den­te e de Fron­tei­ras do Qué­nia, Wa­fu­la Che­bu­ka­ti, anunciou a no­me­a­ção de seis no­vos mem­bros de­vi­do às elei­ções pre­si­den­ci­ais ini­ci­al­men­te pre­vis­tas pa­ra 17 de Ou­tu­bro, que aca­ba­ram por ser adi­a­das pa­ra 26 de Ou­tu­bro. Na al­tu­ra, afir­mou que a re­es­tru­tu­ra­ção do ór­gão, que vi­sou, en­tre ou­tras en­ti­da­des, o di­rec­tor exe­cu­ti­vo do ór­gão elei­to­ral, Ez­ra Chi­lo­ba, de­mons­tra o com­pro­mis­so de re­pe­tir-se o es­cru­tí­nio à “luz da Cons­ti­tui­ção, das leis per­ti­nen­tes e que re­flec­tem a von­ta­de so­be­ra­na do po­vo do Qué­nia.”

O Tri­bu­nal Su­pre­mo in­va­li­dou no dia 4 de Setembro os re­sul­ta­dos das elei­ções pre­si­den­ci­ais re­a­li­za­das a 8 de Agosto, dando pro­vi­men­to ao recurso apre­sen­ta­do pe­la prin­ci­pal co­li­ga­ção da opo­si­ção, a Su­per Ali­an­ça Na­ci­o­nal (NASA), que de­nun­ci­ou uma ale­ga­da frau­de per­pe­tra­da pe­la for­ma­ção go­ver­nan­te, a co­li­ga­ção Ju­bi­leu.

A re­so­lu­ção, apoi­a­da por cin­co dos seus se­te juí­zes, con­cluiu que a co­mis­são elei­to­ral “co­me­teu ir­re­gu­la­ri­da­des” que afec­ta­ram a in­te­gri­da­de do pro­ces­so.

Uma or­ga­ni­za­ção lo­cal de di­rei­tos hu­ma­nos re­ve­lou na se­gun­da-fei­ra que as forças de se­gu­ran­ça que­ni­a­nas mataram 35 pes­so­as, en­tre as quais um be­bé de seis me­ses, das 37 ví­ti­mas que per­de­ram a vida desde as elei­ções ge­rais de Agosto.

A Co­mis­são Na­ci­o­nal pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos do Qué­nia (KNCHR) in­di­cou no seu re­la­tó­rio so­bre a vi­o­lên­cia pós-elei­to­ral que a Po­lí­cia foi res­pon­sá­vel e fez uso ex­ces­si­vo de for­ça con­tra os ci­vis, es­pan­can­do as ví­ti­mas ou usan­do mu­ni­ções pa­ra re­pri­mir os ma­ni­fes­tan­tes que saí­ram à rua pa­ra de­nun­ci­ar os re­sul­ta­dos das elei­ções.

De acor­do com o do­cu­men­to, os elei­to­res que­ni­a­nos es­pe­ra­vam a pro­cla­ma­ção de­fi­ni­ti­va dos re­sul­ta­dos, no dia se­guin­te, pe­la Co­mis­são Elei­to­ral In­de­pen­den­te, so­bre­tu­do pa­ra o es­cru­tí­nio pre­si­den­ci­al.

SIMON MAINA | AFP Raila Odinga ale­ga que de­sis­tiu da vo­ta­ção “ten­do em con­ta o in­te­res­se do po­vo do Qué­nia”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.