Pro­du­zir, eis a ques­tão

Jornal de Angola - - PARTADA -

O im­por­tan­te ago­ra é le­vá-los à prá­ti­ca, sain­do do qua­dro vir­tu­al em que se en­con­tram, pa­ra o pla­no tan­gí­vel men­su­rá­vel, re­sul­tan­do em bens e ser­vi­ços que aten­dam as ne­ces­si­da­des e bem-es­tar do Po­vo an­go­la­no

Ao pro­du­zir po­lí­ti­cos à al­tu­ra dos gran­des de­sa­fi­os de tran­si­ção, da ge­ra­ção “ma­qui­sard” pa­ra a ge­ra­ção da in­de­pen­dên­cia, An­go­la mos­trou que um fu­tu­ro se­gu­ro e sus­ten­tá­vel só é pos­sí­vel com vi­são e op­ções po­lí­ti­cas acer­ta­das e ajus­ta­das no tem­po, em obe­di­ên­cia à im­pe­ra­ti­vi­da­de da Lei na­tu­ral de Su­ces­são. Con­tra a expectativa afro pes­si­mis­ta de cer­tos cír­cu­los in­ter­nos e ex­ter­nos, An­go­la res­pi­ra paz e tran­qui­li­da­de, har­mo­nia e ir­man­da­de, sen­do per­cep­tí­vel nas ru­as, em lo­cais de tra­ba­lho, re­cin­tos des­por­ti­vos ou es­pa­ços de la­zer e re­cre­a­ção, a co­a­bi­ta­ção pa­cí­fi­ca en­tre an­go­la­nos e/ou es­tran­gei­ros aqui re­si­den­tes, que im­buí­dos de boa fé em­pres­tam o melhor do seu es­for­ço, nos diferentes sec­to­res da sociedade.

A pro­du­ção de bens ma­te­ri­ais e ser­vi­ços só é pos­sí­vel em es­pa­ços eco­nó­mi­cos com ga­ran­tia de es­ta­bi­li­da­de política, con­di­ção fun­da­men­tal, pois o dinheiro é das mer­ca­do­ri­as mais sen­sí­veis que se “eclip­sa” ao mínimo si­nal de ins­ta­bi­li­da­de política, bus­can­do ou­tros es­pa­ços, que ofe­re­çam ga­ran­tia de es­ta­bi­li­da­de e ren­ta­bi­li­da­de com be­ne­fí­ci­os re­par­ti­dos, en­tre os es­pa­ços aco­lhe­do­res e os afor­ra­do­res/in­ves­ti­do­res. Daí, a re­le­vân­cia que atri­buí­mos à tran­si­ção pa­cí­fi­ca a que as­sis­ti­mos e vi­ve­mos em An­go­la desde o dia 26 de Setembro, a jul­gar pe­los exem­plos ne­ga­ti­vos que avul­tam, prin­ci­pal­men­te em Áfri­ca, em cir­cuns­tân­ci­as idên­ti­cas às ac­tu­ais.

A pro­du­ção ma­te­ri­al de bens e ser­vi­ços que cor­res­pon­da ao in­te­res­se pú­bli­co e sa­tis­fa­ça as ne­ces­si­da­des le­gí­ti­mas dos ci­da­dãos de­pen­de, so­bre­ma­nei­ra, da con­ver­gên­cia e co­mu­nhão de in­te­res­ses de to­dos os seg­men­tos da sociedade. Só pro­du­zir não bas­ta. É pre­ci­so que se de­fi­na cla­ra­men­te: o que pro­du­zir, porquê pro­du­zir, co­mo pro­du­zir e pa­ra quem pro­du­zir. A res­pos­ta a es­tas per­gun­tas é ób­via:

I - pro­du­zir tu­do o que é pos­sí­vel e ne­ces­sá­rio, ten­do em con­ta as van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas e com­pa­ra­ti­vas;

II - pelo fac­to de ter­mos um ele­va­do dé­fi­ce na sa­tis­fa­ção da de­man­da in­ter­na, e equi­lí­brio da balança co­mer­ci­al;

III - pro­du­zin­do com res­pon­sa­bi­li­da­de sus­ten­tá­vel, pa­ra que a sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des de ho­je não po­nham em cau­sa a so­bre­vi­vên­cia das fu­tu­ras ge­ra­ções.

O Estado se­rá cada vez mais for­te, à me­di­da que a sua es­tru­tu­ra pro­du­ti­va e afir­ma­ção eco­nó­mi­ca fo­rem mais ro­bus­tas tan­to a ní­vel re­gi­o­nal co­mo mundial. A ro­bus­tez eco­nó­mi­ca é afe­ri­da atra­vés de in­di­ca­do­res de gran­de­za: PIB – Pro­du­to In­ter­no Bru­to (cres­ci­men­to), e PNB – Pro­du­to Na­ci­o­nal Bru­to (de­sen­vol­vi­men­to), e ní­vel de RE­SER­VAS EXTERNAS – prin­ci­pal­men­te.

Es­se de­si­de­ra­to só se­rá pos­sí­vel com mui­to tra­ba­lho e uma dis­ci­pli­na fér­rea. In­fe­liz­men­te, a eco­no­mia an­go­la­na é ain­da dé­bil, ex­pos­ta à vul­ne­ra­bi­li­da­de dos cho­ques ex­ter­nos pe­la sua pe­tro-de­pen­dên­cia, pra­ti­ca­men­te a um só pro­du­to de ex­por­ta­ção, o pe­tró­leo, com o pe­so aci­ma de 80 por cen­to, agra­va­do pelo recurso a im­por­ta­ções, até mes­mo pa­ra os pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca.

En­tre­tan­to, te­mos pres­sa –mui­ta pres­sa. Pre­ci­sa­mos de ca­mi­nhar rá­pi­do, pa­ra que sai­a­mos do ac­tu­al estado de de­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca em que nos en­con­tra­mos, com a po­si­ção 170, num total de 190 paí­ses, na clas­si­fi­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal do ambiente de ne­gó­ci­os do re­la­tó­rio “Doing Bu­si­ness”, ela­bo­ra­do pelo Ban­co Mundial.

A es­te res­pei­to, im­por­ta re­fe­rir que as con­di­ções sub­jec­ti­vas estão cri­a­das, pois os gran­des ob­jec­ti­vos estão iden­ti­fi­ca­dos, as me­tas tra­ça­das, as vi­as pa­ra o seu al­can­ce de­fi­ni­das no pro­gra­ma de Go­ver­no su­fra­ga­do nas elei­ções de 23 de Agosto, que se pro­põe, en­tre ou­tros ob­jec­ti­vos, atin­gir uma taxa média anu­al de cres­ci­men­to do país não in­fe­ri­or a 3.1 por cen­to, ter uma taxa de inflação média anu­al in­fe­ri­or a dois dí­gi­tos, ga­ran­tir a efi­ci­ên­cia, a trans­pa­rên­cia e a con­so­li­da­ção or­ça­men­tal e o re­for­ço e alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria, pa­ra as­se­gu­rar a exe­cu­ção da des­pe­sa pública em ní­veis com­por­tá­veis que ga­ran­tam a ma­nu­ten­ção do rit­mo de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, me­lho­rar a qua­li­da­de, re­du­zir e op­ti­mi­zar a des­pe­sa pública, no­me­a­da­men­te nas des­pe­sas com pes­so­al e pensões e nas des­pe­sas de fun­ci­o­na­men­to e de ca­pi­tal, du­pli­car a re­cei­ta tri­bu­tá­ria não pe­tro­lí­fe­ra e ga­ran­tir a co­ber­tu­ra de, no mínimo, oi­to me­ses de im­por­ta­ção pe­las Re­ser­vas In­ter­na­ci­o­nais Lí­qui­das (RIL) Aon­de re­si­de en­tão o gran­de de­sa­fio ou fac­tor crí­ti­co de su­ces­so? O gran­de de­sa­fio re­si­de no FAC­TOR HO­MEM. Ho­mem que na exe­cu­ção das me­tas pro­gra­má­ti­cas de­ve­rá des­pir-se do con­for­to in­di­vi­du­a­lis­ta e “ves­tir-se” de uma no­va “in­du­men­tá­ria mental - e de cons­ci­ên­cia”, as­su­min­do re­so­lu­ta­men­te ser pos­sí­vel (de for­ma in­clu­si­va – men­tes pen­san­tes) re­ver­ter a si­tu­a­ção a nos­so fa­vor, pas­san­do do ci­clo vi­ci­o­so e im­por­ta­dor pa­ra o ci­clo vir­tu­o­so de ex­por­ta­dor, pa­ra que atin­ja­mos o tão al­me­ja­do de­sen­vol­vi­men­to.

Pro­du­zir, eis a ques­tão. Não bas­ta a ela­bo­ra­ção de bons pro­gra­mas. O im­por­tan­te ago­ra é le­vá-los à prá­ti­ca, sain­do do qua­dro vir­tu­al em que se en­con­tram, pa­ra o pla­no tan­gí­vel men­su­rá­vel, re­sul­tan­do em bens e ser­vi­ços que aten­dam as ne­ces­si­da­des e bem-es­tar do Po­vo an­go­la­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.