Cabinda quer es­tru­tu­ras pa­ra a trans­for­ma­ção

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Al­ber­to Co­e­lho | Cabinda

A cam­pa­nha agrí­co­la 2017/2018 na pro­vín­cia de Cabinda vai en­vol­ver 42 mil fa­mí­li­as e 200 pe­que­nos em­pre­sá­ri­os, ten­do co­mo pre­vi­são al­can­çar uma pro­du­ção de 500 mil to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos nos sec­to­res cam­po­nês e pri­va­do.

O ob­jec­ti­vo é ti­rar melhor partido do cli­ma tro­pi­cal hú­mi­do e das ter­ras ará­veis pro­pí­ci­as à cultura de di­ver­sos pro­du­tos na es­ta­ção se­ca e chu­vo­sa e trans­for­mar a agri­cul­tu­ra na prin­ci­pal ala­van­ca de de­sen­vol­vi­men­to da pro­vín­cia e do bem-es­tar so­ci­al da sua po­pu­la­ção.

Pa­ra is­so, as autoridades ele­ge­ram a agri­cul­tu­ra co­mo uma das apostas pa­ra o com­ba­te à fo­me e à po­bre­za, além de uma via pa­ra di­ver­si­fi­car a eco­no­mia lo­cal com a im­ple­men­ta­ção de pro­jec­tos que vi­sem pro­du­zir em gran­de es­ca­la a man­di­o­ca, ba­ta­ta, gin­gu­ba, mi­lho e fei­jão, en­tre ou­tros pro­du­tos.

Nes­te ano agrí­co­la estão dis­po­ní­veis 30 to­ne­la­das de adu­bo, 500 en­xa­das e igual quan­ti­da­de de ca­ta­nas e pás. De­vi­do à es­cas­sez de mei­os de pro­du­ção, ape­nas 600 hec­ta­res de ter­re­no foram me­ca­ni­za­dos pelo sec­tor pri­va­do e 54 hec­ta­res pre­pa­ra­dos ma­nu­al­men­te pe­los cam­po­ne­ses.

Pa­ra re­lan­çar as principais cul­tu­ras da re­gião e me­lho­rar a ren­da fa­mi­li­ar nas co­mu­ni­da­des, está a ser im­ple­men­ta­do o Pro­gra­ma Especial de De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral, com o en­vol­vi­men­to de 34 mil fa­mí­li­as, agru­pa­das em as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses e co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las.

Su­per­vi­si­o­na­do pelo Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Agrá­ria (IDA), o pro­gra­ma ins­cre­ve, en­tre ou­tras me­di­das, a sub­ven­ção dos cus­tos de fac­to­res de pro­du­ção, preparação de ter­ras e a ga­ran­tia da as­sis­tên­cia téc­ni­ca.

O se­cre­tá­rio pro­vin­ci­al da Agri­cul­tu­ra e De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral afir­ma que a ideia é re­gres­sar aos tem­pos em que na pro­vín­cia o sec­tor cam­po­nês pro­du­zia cer­ca de um mi­lhão e 300 mil to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos por ano, ao passo que no sec­tor in­dus­tri­al pri­va­do a pro­du­ção ul­tra­pas­sa­va as 300 mil to­ne­la­das anu­ais. "São diferenças con­si­de­rá­veis, quan­do ain­da vi­ve­mos di­fi­cul­da­des no do­mí­nio ener­gé­ti­co e na ca­rên­cia de fi­nan­ci­a­men­tos que di­fi­cul­tam o ar­ran­que na pro­vín­cia de pro­jec­tos de gran­de di­men­são que sus­ten­tem a pro­du­ção de mi­lho, fei­jão, ovos, fran­gos e por­cos em gran­de es­ca­la", dis­se.

João Ta­ti Lu­em­ba de­fen­de a ne­ces­si­da­de ur­gen­te de in­fra­es­tru­tu­ras agro-in­dus­tri­ais pa­ra trans­for­mar al­guns pro­du­tos ex­ce­den­tes pro­ve­ni­en­tes da ac­ti­vi­da­de cam­pe­si­na, co­mo a man­di­o­ca, ba­na­na, la­ran­ja, den­dém e aba­ca­xi.

FRANCISCO LOPES | EDI­ÇÕES NOVEMBRO Autoridades estão pre­o­cu­pa­das com o ex­ces­so de pro­du­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.