CON­GO DE­MO­CRÁ­TI­CO

Adi­a­men­to das elei­ções po­de tra­zer ins­ta­bi­li­da­de

Jornal de Angola - - PARTADA - Ele­a­zar Van-Dú­nem

O mais re­cen­te pro­nun­ci­a­men­to da Co­mis­são Elei­to­ral In­de­pen­den­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), se­gun­do o qual as elei­ções ge­rais (pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e pro­vin­ci­ais ) não de­vem ser re­a­li­za­das “an­tes de 504 dias após o re­cen­se­a­men­to elei­to­ral”, o que, na prá­ti­ca, sig­ni­fi­ca o adi­a­men­to da vo­ta­ção pa­ra 2019, po­de au­men­tar as já pre­o­cu­pan­tes ten­sões e afec­tar a es­ta­bi­li­da­de da RDC e do pró­prio con­ti­nen­te afri­ca­no.

O pro­nun­ci­a­men­to do pre­si­den­te do ór­gão, Cor­neil­le Nan­gaa, é fei­to uma se­ma­na de­pois de o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU ad­ver­tir em No­va Ior­que que “quais­quer re­du­ções dos ca­pa­ce­tes azuis po­dem con­du­zir ao de­sa­pa­re­ci­men­to [en­quan­to Es­ta­doNa­ção] da RDC.”

António Gu­ter­res fez a ad­ver­tên­cia após a di­vul­ga­ção de um es­tu­do es­tra­té­gi­co da or­ga­ni­za­ção que di­ri­ge so­bre o en­ga­ja­men­to das Na­çõesU­ni­das na RDC, que con­clui que uma no­va re­du­ção do or­ça­men­to dos ca­pa­ce­tes azuis des­do­bra­dos po­de tor­nar o país da Áfri­ca Cen­tral num “Es­ta­do Fa­lha­do”, com re­per­cus­sões pa­ra a já frá­gil si­tu­a­ção de se­gu­ran­ça na Re­gião dos Gran­des La­gos.

Ha­via in­di­ca­ções de que as elei­ções vol­ta­ri­am a ser adi­a­das, mas pa­ra o pró­xi­mo ano, não em 2019, ra­zão pe­la qual o mais re­cen­te anún­cio da Co­mis­são Elei­to­ral po­de au­men­tar a já pre­o­cu­pan­te es­ca­la­da de tensão na RDC.

O atra­so na re­a­li­za­ção das elei­ções, par­ti­cu­lar­men­te das pre­si­den­ci­ais, tem pro­vo­ca­do pro­tes­tos, por ve­zes mor­tais, em Kinsha­sa e nou­tras gran­des ci­da­des do país com mais de 77 mi­lhões de ha­bi­tan­tes.

Elei­ções adi­a­das

Na quar­ta-feira, o pre­si­den­te da Co­mis­são Elei­to­ral, Cor­neil­le Nan­gaa, res­pon­sa­bi­li­zou o au­men­to da vi­o­lên­cia no cen­tro da RDC pelo adi­a­men­to e afir­mou que o re­gis­to elei­to­ral nes­ta re­gião pros­se­gue até Janeiro. De­pois do re­gis­to, pros­se­guiu, as au­to­ri­da­des con­go­le­sas pre­ci­sam de 504 dias pa­ra se pre­pa­ra­rem pa­ra a vo­ta­ção - um ca­len­dá­rio que ati­ra a da­ta do es­cru­tí­nio pa­ra 2019.

O re­gis­to elei­to­ral es­tá em cur­so na re­gião do Ka­sai, mas o pra­zo po­de ser re­du­zi­do “ca­so se con­cor­de em uti­li­zar a má­qui­na de vo­ta­ção e se­ja al­te­ra­da a lei elei­to­ral”, ex­pli­cou Cor­neil­le Nan­gaa.

A opo­si­ção fa­la em usur­pa­ção do po­der e acu­sa o Pre­si­den­te ces­san­te, Jo­seph Ka­bi­la, de pro­lon­gar a sua Pre­si­dên­cia. “Pa­ra nós, é mui­to cla­ro que aqui­lo que [a co­mis­são elei­to­ral] es­tá a di­zer é ape­nas o pla­no do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, que quer ficar no po­der”, dis­se Ch­ris­tophe Lu­tun­du­la, um mem­bro da co­li­ga­ção da opo­si­ção co­nhe­ci­da co­mo Reu­ni­fi­ca­ção.

O se­gun­do e úl­ti­mo man­da­to de Jo­seph Ka­bi­la ter­mi­nou em Dezembro de 2016, mas foi de­ci­di­do que po­dia go­ver­nar até às pró­xi­mas elei­ções, após um acor­do en­tre a Mai­o­ria Pre­si­den­ci­al que su­por­ta o lí­der con­go­lês e a opo­si­ção con­cluí­do em 31 de Dezembro de 2016, sob a égi­de da Igre­ja Ca­tó­li­ca, es­ta­be­le­cer a “or­ga­ni­za­ção de elei­ções pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e pro­vin­ci­ais o mais tar­dar até Dezembro de 2017” Es­te pra­zo tor­nou-se le­gal­men­te im­pos­sí­vel em 1º de Outubro, uma vez que a lei con­go­le­sa pre­vê a con­vo­ca­ção do cor­po elei­to­ral três me­ses an­tes da da­ta do es­cru­tí­nio.

Per­se­gui­ção po­lí­ti­ca

O anún­cio do adi­a­men­to das elei­ções ge­rais foi fei­to no dia em que o en­vi­a­do es­pe­ci­al do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU na RDC de­nun­ci­ou per­se­gui­ções li­ga­das ao pro­ces­so po­lí­ti­co, cu­jo al­vos são jor­na­lis­tas, opo­si­to­res po­lí­ti­cos e mem­bros da so­ci­e­da­de ci­vil.

A ONU, afir­mou Ma­ma­dou Si­di­kou no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, es­tá pre­o­cu­pa­da com a in­ti­mi­da­ção, o as­sé­dio e a vi­o­lên­cia a pes­so­as na RDC, “prin­ci­pal­men­te em co­ne­xão com as su­as ac­ti­vi­da­des e a ex­pres­são de opi­niões em re­la­ção ao pro­ces­so po­lí­ti­co.”

O en­vi­a­do pe­diu o fim des­ses ac­tos e que “os di­rei­tos e as li­ber­da­des con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção se­jam ple­na­men­te res­pei­ta­dos pa­ra cri­ar con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções cre­dí­veis e pa­cí­fi­cas”, de­nun­ci­ou que há na RDC um no­vo dis­cur­so po­lí­ti­co -ago­ra con­fir­ma­do - de­vi­do “à ideia de que as elei­ções não são re­a­li­za­das an­tes do fim de 2017”, que “pro­vo­ca o res­sur­gi­men­to de um cli­ma de in­cer­te­za po­lí­ti­ca e ten­sões.”

So­bre os pro­gres­sos pa­ra or­ga­ni­zar as elei­ções ge­rais, dis­se que a pu­bli­ca­ção de um ca­len­dá­rio e o or­ça­men­to elei­to­ral con­ti­nu­am a ser es­sen­ci­ais pa­ra o pro­ces­so po­lí­ti­co. “É fun­da­men­tal re­du­zir as ten­sões po­lí­ti­cas e a in­cer­te­za so­bre o ca­mi­nho a se­guir”, es­cla­re­ceu.

Pa­ra Ma­man Si­di­kou, “a vi­o­lên­cia de­ve ces­sar” o acor­do po­lí­ti­co as­si­na­do em 31 de Dezembro de 2016 é “a úni­ca ma­nei­ra viá­vel pa­ra cri­ar as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções ge­rais cre­dí­veis e pa­cí­fi­cas na RDC.”

Acor­do de São Sil­ves­tre as­si­na­do em Dezembro de 2016 en­tre a Mai­o­ria Pre­si­den­ci­al que su­por­ta Jo­seph Ka­bi­la e a opo­si­ção so­freu um re­vés com a mor­te de Etienne Tshis­se­ke­di

Con­go­le­ses apoi­an­tes dos par­ti­dos po­lí­ti­cos na opo­si­ção pro­tes­tam con­tra adi­a­men­to das elei­ções MUSTAFA MULOPWE | AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.