A gran­de rup­tu­ra, se­gun­do Fu­kuya­ma

Jornal de Angola - - PARTADA - Filipe Zau | * * PH. D EM CI­ÊN­CI­AS DA EDU­CA­ÇÃO E MES­TRE EM RE­LA­ÇÕES INTERCULTURAIS

Pe­ran­te a ac­tu­al cri­se eco­nó­mi­ca mun­di­al e de va­lo­res so­ci­ais, o Prof. Adri­a­no Mo­rei­ra, ao re­fe­rir-se à ac­tu­al po­lí­ti­ca neo-li­be­ral, uti­li­zou em 2003 o ter­mo “te­o­lo­gia de mer­ca­do”: “Tal­vez um dos triun­fos mais dig­nos de no­ta da te­o­lo­gia de mer­ca­do te­nha si­do a cri­a­ção do ‘mer­ca­do in­fan­til’, que tem ao seu ser­vi­ço a de­ma­go­gia pu­bli­ci­tá­ria dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa e se trans­for­ma nu­ma pres­são sis­té­mi­ca so­bre a ge­ra­ção de pais res­pon­sá­veis pe­la in­te­gra­ção so­ci­al e pe­la trans­mis­são de va­lo­res, de re­gra ul­tra­pas­sa­dos na au­to­ri­da­de pe­la for­ça do mer­ca­do.”

Tam­bém o eco­no­mis­ta Jo­sé Ma­nu­el Ze­nha Re­la de­fen­deu que o “o pa­pel do Es­ta­do em to­dos os as­pec­tos re­la­ci­o­na­dos com a vi­da eco­nó­mi­ca te­rá de ser tan­to mai­or, qu­an­to me­nor for o ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to do País.” Sen­do a com­pe­ti­ti­vi­da­de o fac­tor de­ter­mi­nan­te da glo­ba­li­za­ção e sen­do es­ta de­ter­mi­na­da pe­los ní­veis de pro­du­ti­vi­da­de al­can­ça­dos, res­ta aos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, que não te­nham co­ra­gem po­lí­ti­ca pa­ra de­fi­ni­rem e exe­cu­ta­rem es­tra­té­gi­as de de­sen­vol­vi­men­to no âm­bi­to de um cres­ci­men­to au­to-sus­ten­ta­do, o se­guin­te: “Aque­les que o pu­de­rem fa­zer vi­ve­rão das par­ti­ci­pa­ções das gran­des mul­ti­na­ci­o­nais em tro­ca da ex­plo­ra­ção dos seus re­cur­sos na­tu­rais, ge­ral­men­te não re­no­vá­veis. Os ou­tros te­rão que re­cor­rer à as­sis­tên­cia in­ter­na­ci­o­nal e ao en­di­vi­da­men­to, uma e ou­tra (so­lu­ção) fun­ci­o­nan­do em ter­mos de mo­das. Aju­da-se um país, dá-se-lhe al­gum cré­di­to, pro­mo­vem-se mes­mo alguns in­ves­ti­men­tos pri­va­dos, por­que es­tá na mo­da fa­zê-lo. Pas­sa a mo­da, en­con­tra-se ou­tro ob­jec­to e a aju­da de­sa­pa­re­ce, os cré­di­tos ces­sam, o in­ves­ti­men­to cai. E as­sim se an­da de­la­pi­dan­do re­cur­sos em mis­sões de bons ofí­ci­os e no pa­ga­men­to de con­sul­to­res que, co­bran­do no­vos ho­no­rá­ri­os, con­ti­nu­a­men­te re­pe­tem as mes­mas so­lu­ções.”

Co­mo re­for­ço des­ta sua fir­me con­vic­ção, Ze­nha Re­la ci­ta Al­vin Tof­fer, quan­do em 1998, num fó­rum so­bre ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas em Bu­e­nos Ai­res, afir­mou pe­ran­te cer­ca de 4 mil pes­so­as o se­guin­te: “Os paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na não de­vem se­guir às ce­gas as re­cei­tas es­tú­pi­das do FMI, nem abra­çar a in­te­gra­ção e o mer­ca­do li­vre co­mo se fos­se uma re­li­gião. (…) Acre­di­to mui­to fir­me­men­te no mer­ca­do li­vre, mas acre­di­to ne­le co­mo ins­tru­men­to, não co­mo uma te­o­lo­gia.”

Pa­ra Ze­nha Re­la o que an­te­ri­or­men­te foi di­to por Al­vin Tof­fler, em re­la­ção à Amé­ri­ca La­ti­na, tor­na-se ab­so­lu­ta­men­te vá­li­do pa­ra os paí­ses afri­ca­nos on­de as re­cei­tas do FMI são por ve­zes acei­tes nu­ma ba­se fun­da­men­ta­lis­ta, “até por­que, na ge­ne­ra­li­da­de dos ca­sos, es­ta vi­são fun­da­men­ta­lis­ta tem, co­mo con­tra­pon­to, um des­co­nhe­ci­men­to ab­so­lu­to do país re­al e dos pro­ble­mas da ge­ne­ra­li­da­de da sua po­pu­la­ção.”

Tam­bém o so­ció­lo­go Her­ma­no Car­mo nos fa­la de Al­vin Tof­fer (1928-2016), co­nhe­ci­do pe­las obras “Cho­que do Fu­tu­ro” (1970), “A ter­cei­ra va­ga” (1980), “Os No­vos Po­de­res” (1991) e a “Re­vo­lu­ção da Ri­que­za” (2006). Tof­fer, em 1980, di­vi­diu a his­tó­ria hu­ma­na em três va­gas: a pri­mei­ra, ini­ci­a­da há cer­ca de 10 mil anos, pos­si­bi­li­tou a se­den­ta­ri­za­ção hu­ma­na em tor­no de uma ci­vi­li­za­ção agrí­co­la e que cor­res­pon­deu à Re­vo­lu­ção Agrá­ria. A se­gun­da emer­giu há cer­ca de 300 anos e ini­ci­ou-se an­tes da pri­mei­ra va­ga se ter es­pa­lha­do por to­do o pla­ne­ta e deu ori­gem à Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al. A ter­cei­ra co­me­çou na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XX, após o fi­nal da II Guer­ra Mun­di­al, ba­se­a­da no co­nhe­ci­men­to e no de­sen­vol­vi­men­to da informação.

A ace­le­ra­ção do me­ta­bo­lis­mo so­ci­al e eco­nó­mi­co da so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea apre­sen­ta van­ta­gens e des­van­ta­gens. Se por um la­do cria opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, por ou­tro la­do se­meia ame­a­ças de in­sus­ten­ta­bi­li­da­de pe­la ano­ma­lia so­ci­al pro­vo­ca­da. Nes­te con­tex­to, Fran­cis Fu­kuya­ma, no seu li­vro editado em 2000, “A gran­de rup­tu­ra: a na­tu­re­za hu­ma­na e a re­cons­ti­tui­ção da or­dem so­ci­al”, afir­ma que os gran­des pro­ble­mas so­ci­ais são so­bre­tu­do ob­ser­va­dos em três do­mí­ni­os: no “cres­ci­men­to da de­linquên­cia”, na “de­gra­da­ção da fa­mí­lia nu­cle­ar” e no “de­cli­nar da con­fi­an­ça”.

Mun­di­al­men­te co­nhe­ci­do pe­lo seu li­vro “O fim da His­tó­ria e o úl­ti­mo Ho­mem”, editado em 1989, Fu­kuya­ma re­fe­re-se à ac­tu­al conjuntura de mai­or in­se­gu­ran­ça mo­ti­va­da pe­la re­du­ção do con­tro­le in­for­mal pe­las ins­ti­tui­ções so­ci­ais (bair­ro, fa­mí­lia, es­co­la), pe­lo au­men­to do cri­me vi­o­len­to con­tra a pro­pri­e­da­de e de co­la­ri­nho bran­co e pe­lo au­men­to de com­por­ta­men­tos so­ci­ais des­vi­an­tes.

Um se­gun­do seg­men­to diz res­pei­to à que­bra de ta­xas de fertilidade, re­du­ção de ca­sa­men­tos, au­men­to de ta­xas de co­a­bi­ta­ção in­for­mal, au­men­to de di­vór­ci­os, au­men­to de fi­lhos fo­ra do ca­sa­men­to, o que im­pli­ca na re­du­ção dos la­ços fa­mi­li­a­res in­ter-con­ju­gais, in­ter-ge­ra­ci­o­nais e in­ter-nu­cle­a­res.

Um ter­cei­ro seg­men­to si­tua-se na re­du­ção da con­fi­an­ça pú­bli­ca (ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas, re­li­gi­o­sas, eco­nó­mi­cas e so­ci­ais), re­du­ção da con­fi­an­ça pri­va­da (em ge­ral, na vi­zi­nhan­ça e no cir­cu­lo de ami­gos), re­du­ção da con­fi­an­ça em si (as­sun­ção de com­por­ta­men­tos “bor­der li­ne”) e o au­men­to de en­vol­vi­men­to em gru­pos in­for­mais.

Os paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na não de­vem se­guir às ce­gas as re­cei­tas es­tú­pi­das do FMI, nem abra­çar a in­te­gra­ção e o mer­ca­do li­vre co­mo se fos­se uma re­li­gião.(…)

A cri­a­ção de um mer­ca­do in­fan­til é uma for­ma de pres­são so­bre os pais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.