Pa­ci­en­tes no Son­go “fo­gem” dos hos­pi­tais

Pa­ra evi­tar en­chen­tes nas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as, a Di­rec­ção Mu­ni­ci­pal da Saú­de do Son­go cri­ou uma equi­pa in­te­gra­da por en­fer­mei­ros e mé­di­cos que vão ao en­con­tro da po­pu­la­ção com o ob­jec­ti­vo de ofe­re­cer aju­da

Jornal de Angola - - PARTADA - Jo­sé Bu­le | Uí­ge

O átrio do hos­pi­tal es­tá sem pa­ci­en­tes. As por­tas es­tão aber­tas mas as sa­las de tra­ta­men­to e cor­re­do­res va­zi­os. Não há sinais da pre­sen­ça de do­en­tes na mai­or uni­da­de sa­ni­tá­ria do mu­ni­cí­pio do Son­go. Não se ou­vem gri­tos de dor. Nin­guém cho­ra. Si­lên­cio to­tal.

Mé­di­cos e en­fer­mei­ros es­tão de bra­ços cru­za­dos. Con­ver­sam so­bre os úl­ti­mos de­sen­vol­vi­men­tos só­cio-eco­nó­mi­cos do país. En­quan­to aguar­dam pe­los pa­ci­en­tes,“na­ve­gam”na In­ter­net atra­vés de dis­po­si­ti­vos mó­veis.

Lêem no­tí­ci­as ou in­ves­ti­gam ma­té­ri­as re­la­ci­o­na­das com as ci­ên­ci­as mé­di­cas, e não só. Não há mo­vi­men­ta­ção de pes­so­as a en­trar ou sair do hos­pi­tal. As am­bu­lân­ci­as es­tão es­ta­ci­o­na­das. Mas os mo­to­ris­tas es­tão pron­tos pa­ra so­cor­rer quem quer que se­ja. Apenas qua­tro pa­ci­en­tes es­tão in­ter­na­dos no re­fe­ri­do hos­pi­tal com ca­pa­ci­da­de pa­ra 121 ca­mas.

“Há di­as as­sim. Aqui no Son­go, por ques­tões cul­tu­rais, os do­en­tes pre­fe­rem tra­tar-se nas ca­sas de cu­ra do que vi­rem ao hos­pi­tal re­ce­ber a de­vi­da as­sis­tên­cia mé­di­ca. A mai­o­ria pre­fe­re o tra­ta­men­to tra­di­ci­o­nal”, dis­se o di­rec­tor João La­lá.

O hos­pi­tal ofe­re­ce ser­vi­ços de ci­rur­gia, me­di­ci­na in­ter­na, pe­di­a­tria, ma­ter­ni­da­de, banco de ur­gên­cia, la­bo­ra­tó­rio, he­mo­te­ra­pia, en­tre ou­tros, as­se­gu­ra­dos por três mé­di­cos e 88 en­fer­mei­ros.

Uma das pa­ci­en­tes in­ter­na­das, Luí­sa Adol­fo, de 52 anos de ida­de, con­tou que saiu da lo­ca­li­da­de de Qui­te­ca, na co­mu­na do Quin­vu­en­ga, pa­ra re­mo­ver um quis­to no úte­ro. De­pois da ope­ra­ção, o mé­di­co de­ci­diu man­tê-la in­ter­na­da. “Fui mui­to bem aten­di­da. Sin­to que es­tou a re­cu­pe­rar bem”, dis­se. De­pois de ter si­do pi­ca­da por uma co­bra, Ade­li­na Pe­dro, 43 anos, re­ce­be tra­ta­men­to no hos­pi­tal. Ela agradece aos en­fer­mei­ros e mé­di­cos pe­la for­ma co­mo a re­ce­be­ram. “Eu vi­nha do óbi­to do meu tio. Pe­lo ca­mi­nho pi­sei uma co­bra que de­pois me pi­cou. Pe­di aju­da às pes­so­as que pas­sa­vam e me trou­xe­ram ime­di­a­ta­men­te pa­ra aqui. Es­tou a ser bem aten­di­da. Mas fi­quei as­sus­ta­da quan­do dei con­ta que não ha­via ou­tros pa­ci­en­tes no hos­pi­tal”, re­fe­riu.

Ou­tra pa­ci­en­te, Ma­ria Inês, de 41 anos, pa­de­cia de pa­lu­dis­mo in­ten­so. Pre­o­cu­pa­da com o seu es­ta­do de saú­de, en­trou num tá­xi pa­ra per­cor­rer os cer­ca de 77 qui­ló­me­tros que se­pa­ram a co­mu­na do Lu­cun­ga, mu­ni­cí­pio do Bem­be, sede mu­ni­ci­pal do Son­go, em bus­ca de tra­ta­men­to mé­di­co. “Achei me­lhor vir aqui. Co­mo não há en­chen­tes, o aten­di­men­to é rá­pi­do e efi­caz”, re­fe­riu.

Ape­sar da fra­ca pre­sen­ça de in­ter­na­dos, o di­rec­tor da ins­ti­tui­ção avan­çou que mais de mil pa­ci­en­tes com ma­lá­ria, der­ma­to­ses, gri­pe, pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os, di­ar­reia e do­en­ças de trans­mis­são se­xu­al fo­ram aten­di­dos no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, nas áre­as de pe­di­a­tria, me­di­ci­na in­ter­na, ci­rur­gia e ma­ter­ni­da­de.

João La­lá acres­cen­tou que no pe­río­do em aná­li­se nas­ce­ram 174 cri­an­ças na ma­ter­ni­da­de do hos­pi­tal e que nos úl­ti­mos di­as o ín­di­ce de mor­ta­li­da­de ma­ter­no-in­fan­til re­du­ziu sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, fru­to das cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção so­bre os cui­da­dos ma­ter­nos e de­vi­do à me­lho­ria dos ser­vi­ços lo­cais de saú­de. O hos­pi­tal ad­mi­nis­tra va­ci­nas do ti­po BCG, he­pa­ti­te B, po­li­o­mi­e­li­te, pen­ta­va­len­tes, pneu­mo­nia, ro­ta­vi­rais, sa­ram­po, fe­bre-ama­re­la e té­ta­no, que ser­vem de pre­ven­ção de vá­ri­as do­en­ças.

Na era co­lo­ni­al, o Son­go ti­nha apenas dois pos­tos mé­di­cos. Ac­tu­al­men­te o mu­ni­cí­pio con­ta com 31 uni­da­des sa­ni­tá­ri­as. Além do hos­pi­tal, exis­tem vá­ri­os cen­tros e pos­tos de saú­de em vá­ri­as lo­ca­li­da­des do mu­ni­cí­pio, que per­fa­zem uma ca­pa­ci­da­de de 259 ca­mas. Nos úl­ti­mos 15 anos, o nú­me­ro de en­fer­mei­ros cres­ceu de 30 pa­ra 183.

“Es­ta­mos a dis­tri­buir, gra­tui­ta­men­te, me­di­ca­men­tos em to­dos os pos­tos e cen­tros de saú­de, no âm­bi­to dos pro­gra­mas de mu­ni­ci­pa­li­za­ção dos ser­vi­ços de saú­de e do pro­gra­ma de com­ba­te à fo­me e à po­bre­za”, pre­ci­sou a ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal ces­san­te.

Ade­li­na Pin­to lem­brou que, no pas­sa­do, o aten­di­men­to aos do­en­tes era fei­to em con­di­ções mui­to difíceis. Por fal­ta de am­bu­lân­ci­as, por exem­plo, os do­en­tes ca­mi­nha­vam ou eram trans­por­ta­dos em ti­pói­as até às uni­da­des de saú­de mais pró­xi­mas, on­de re­ce­bi­am tra­ta­men­to mé­di­co.

“Com a cons­tru­ção de cen­tros e pos­tos de saú­de em 27 das 81 al­dei­as que com­põe o mu­ni­cí­pio do Son­go, ho­je, tu­do is­so já faz par­te do pas­sa­do”, su­bli­nhou. Ade­li­na Pin­to ga­ran­tiu que, ape­sar da con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca que o país vi­ve, no pró­xi­mo ano vão ser cri­a­das uni­da­des de saú­de em mui­tas das lo­ca­li­da­des em fal­ta.

“O ob­jec­ti­vo é apro­xi­mar os ser­vi­ços de saú­de às po­pu­la­ções lo­cais, me­lho­ran­do o fun­ci­o­na­men­to do sec­tor nas co­mu­ni­da­des”, re­fe­riu.

Pa­ra evi­tar en­chen­tes nas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as, a Di­rec­ção Mu­ni­ci­pal da Saú­de do Son­go cri­ou uma equi­pa in­te­gra­da por en­fer­mei­ros, mé­di­cos e agentes co­mu­ni­tá­ri­os, que de tem­pos em tem­pos vão ao en­con­tro da po­pu­la­ção com o ob­jec­ti­vo de ofe­re­cer aju­da mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa.

Na úl­ti­ma cam­pa­nha que de­cor­reu de Mar­ço a Abril des­te ano, em vá­ri­as lo­ca­li­da­des do mu­ni­cí­pio, a equi­pa de mé­di­cos e en­fer­mei­ros pres­tou as­sis­tên­cia a mais de 200 pes­so­as. A mai­o­ria dos as­sis­ti­dos pa­de­ci­am de do­en­ças co­mo pa­lu­dis­mo, pres­são ar­te­ri­al, tos­se, di­ar­reia, do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as e in­fec­ções da pe­le.

Lêem no­tí­ci­as ou in­ves­ti­gam ma­té­ri­as re­la­ci­o­na­das com as ci­ên­ci­as mé­di­cas, e não só. Não há mo­vi­men­ta­ção de pes­so­as a en­trar ou sair do hos­pi­tal. As am­bu­lân­ci­as es­tão es­ta­ci­o­na­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.