Fi­gu­ras in­flu­en­tes afri­ca­nas sus­pei­tas de en­vol­vi­men­to

Po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os usam pa­raí­sos fis­cais pa­ra evi­tar o pa­ga­men­to de im­pos­tos, es­con­der su­bor­nos e negociações ile­gais, apon­ta in­ves­ti­ga­ção de con­jun­to de ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al eu­ro­peus

Jornal de Angola - - PARTADA -

Po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os afri­ca­nos es­tão en­vol­vi­dos em tran­sac­ções fi­nan­cei­ras ques­ti­o­ná­veis des­co­ber­tas pe­los Paradise Papers, in­ves­ti­ga­ção di­vul­ga­da na se­ma­na pas­sa­da, que re­ve­la ca­sos de cor­rup­ção li­ga­dos a pa­raí­sos fis­cais, em es­ca­la glo­bal.

Num ar­ti­go pu­bli­ca­do na pá­gi­na on­li­ne da agên­cia de no­tí­ci­as ale­mã Deusts­che Wel­le (DW) é re­fe­ri­do que nos do­cu­men­tos cons­tam, en­tre ou­tros, no­mes co­mo o do se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Ugan­da, Sam Ku­te­sa, da Pre­si­den­te ces­san­te da Li­bé­ria, El­len John­son Sir­le­af, e do an­ti­go mi­nis­tro que­ni­a­no, Sally Kos­gei, as­sim co­mo de em­pre­sá­ri­os im­por­tan­tes e ges­to­res de to­po do con­ti­nen­te afri­ca­no.

Se­gun­do os in­ves­ti­ga­do­res, o es­que­ma de cor­rup­ção se­gue um pa­drão re­cor­ren­te: po­lí­ti­cos e fun­ci­o­ná­ri­os usam os seus es­cri­tó­ri­os e re­la­ci­o­na­men­tos pa­ra en­ri­que­cer, e es­con­dem tal prá­ti­ca nu­ma re­de de em­pre­sas fan­tas­ma cu­jos pro­pri­e­tá­ri­os são man­ti­dos em ano­ni­ma­to.

O DW ci­ta o pre­si­den­te do Se­na­do da Ni­gé­ria, Bu­ko­la Sa­ra­ki, igual­men­te di­rec­tor da Te­nia, em­pre­sa re­gis­ta­da nas Ilhas Cai­mão. Em 2016, um tri­bu­nal ini­ci­ou in­ves­ti­ga­ções con­tra Bu­ko­la Sa­ra­ki por­que a Te­nia não foi men­ci­o­na­da na de­cla­ra­ção de im­pos­tos do pre­si­den­te do Se­na­do da Ni­gé­ria.

Tes­te­mu­nhas dis­se­ram que vá­ri­os mi­lhões de dó­la­res de fun­dos es­ta­tais de­sa­pa­re­ce­ram em trans­fe­rên­ci­as de di­nhei­ro, mas a acu­sa­ção foi re­jei­ta­da.

Os Paradise Papers re­ve­lam ago­ra co­mo fun­ci­o­nam as re­des cor­po­ra­ti­vas de Bu­ko­la Sa­ra­ki e ou­tras fi­gu­ras in­flu­en­tes ni­ge­ri­a­nas, co­mo o che­fe do Banco Cen­tral, Godwin Eme­fi­e­le.

O por­ta-voz da Pre­si­dên­cia da Ni­gé­ria, Gar­ba Shehu, ex­pli­cou o que o Go­ver­no ni­ge­ri­a­no tem fei­to a res­pei­to. “O mi­nis­tro das Fi­nan­ças in­di­cou que mui­tos de seus fun­ci­o­ná­ri­os es­tão a tra­ba­lhar pa­ra iden­ti­fi­car ca­sos de má con­du­ta. Tra­ba­lha­mos in­can­sa­vel­men­te pa­ra au­men­tar ao má­xi­mo as re­cei­tas fis­cais e o Go­ver­no não vai per­mi­tir que es­sas pes­so­as se li­vrem fa­cil­men­te dis­so”.

Ain­da de acor­do com os Paradise Papers, lê-se no ar­ti­go da agên­cia DW, a em­pre­sa suí­ça Glen­co­re te­rá pa­go 45 mi­lhões de dó­la­res ao em­pre­sá­rio is­ra­e­li­ta Dan Ger­tler, em 2008, com a aju­da de uma em­pre­sa fan­tas­ma. Dan Ger­tler é con­si­de­ra­do ami­go do Pre­si­den­te ces­san­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Congo (RDC), Jo­seph Ka­bi­la.

Ofi­ci­al­men­te, tra­tou-se de um cré­di­to. Mas Pe­ter Jo­nes, da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal Glo­bal Wit­ness, não acre­di­ta nis­so. “Tra­tou-se de uma re­com­pen­sa por negociações de li­cen­ças de mi­nas en­tre Dan Ger­tler e as au­to­ri­da­des con­go­le­sas, e o em­prés­ti­mo per­mi­tiu que ele par­ti­ci­pas­se na re­com­pra da Ka­tan­ga Mi­ning”, acu­sa.

A em­pre­sa Ka­tan­ga Mi­ning pa­gou 140 mi­lhões de dó­la­res pe­las su­as li­cen­ças de mi­ne­ra­ção. As au­to­ri­da­des con­go­le­sas exi­gi­am an­te­ri­or­men­te 585 mi­lhões. As­sim, a em­pre­sa sui­ça Glen­co­re as­su­miu gran­des par­tes da em­pre­sa a um pre­ço mí­ni­mo e per­mi­tiu ga­ran­tir ac­ções tam­bém à Dan Ger­tler, por meio do cré­di­to.

A Glen­co­re diz que fez o em­prés­ti­mo “em con­di­ções usu­ais e a pre­ços de mer­ca­do”, e Dan Ger­tler, atra­vés dos seus ad­vo­ga­dos, re­jei­ta as ale­ga­ções de su­bor­no.

As ma­té­ri­as-pri­mas da RDC re­pre­sen­tam mais de 95% das su­as ex­por­ta­ções, ex­pli­ca Pe­ter Jo­nes.

Mas, acres­cen­ta o re­pre­sen­tan­te da Glo­bal Wit­ness, o país per­deu cer­ca de 1,4 mil mi­lhões de dó­la­res com ven­das mui­to abai­xo dos pre­ços de mer­ca­do.

“Os es­que­mas de cor­rup­ção são tão so­fis­ti­ca­dos, es­pe­ci­al­men­te no ca­so da Glen­co­re, que é di­fí­cil des­co­brir as in­frac­ções”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta.

As re­ve­la­ções dos Paradise Papers de­ta­lham as ma­nei­ras pe­las quais po­de­ro­sos in­di­ví­du­os e em­pre­sas con­tor­nam pa­ga­men­tos de im­pos­tos. E são um eco do Pa­na­ma Papers, de 2016.

Quan­do o Pa­na­ma Papers eclo­diu, mais de 300 eco­no­mis­tas es­cre­ve­ram uma carta pa­ra os lí­de­res mun­di­ais a pe­dir uma "mu­dan­ça na po­lí­ti­ca de tri­bu­ta­ção glo­bal”. “A exis­tên­cia de pa­raí­sos fis­cais não con­tri­bui pa­ra a ri­que­za ou o bem-es­tar glo­bal”, es­cre­ve­ram.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do ugan­dês, Sam Ku­te­sa, a Pre­si­den­te ces­san­te da Li­bé­ria, El­len John­son Sir­le­af o an­ti­go mi­nis­tro que­ni­a­no Sally Kos­gei são ci­ta­dos pe­los Paradise Papers

JAC­QUES DEMARTHON | AFP

Re­ve­la­ções dos Paradise Papers de­ta­lham for­mas pe­las quais in­di­ví­du­os e em­pre­sas po­de­ro­sas de to­do o mun­do con­tor­nam o pa­ga­men­to de im­pos­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.