Is­ra­el re­to­ma com­ba­te à po­li­ga­mia

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Maya Si­mi­no­vi­ch | EFE

A po­li­ga­mia, pre­va­le­cen­te no sec­tor be­duí­no da po­pu­la­ção is­ra­e­li­ta, é ile­gal em Is­ra­el, mas pou­co era fei­to pa­ra aca­bar com es­ta prá­ti­ca, al­go que apa­ren­te­men­te co­me­ça a mudar.

Em bre­ve, um ho­mem be­duí­no de 36 anos ca­sa­do com du­as mu­lhe­res se­rá pre­so por ser po­lí­ga­mo, no pri­mei­ro ca­so há dé­ca­das e em cum­pri­men­to ao anún­cio fei­to em 2015 pe­la mi­nis­tra de Justiça, Aye­let Sha­ked, so­bre a re­ac­ti­va­ção da lei an­ti-po­li­ga­mia.

O ho­mem, iden­ti­fi­ca­do pe­lo tri­bu­nal co­mo A. e re­si­den­te na área de­sér­ti­ca de Ne­guev, no sul do país, ca­sou-se com a sua pri­mei­ra es­po­sa em 2002 e em 2017 pe­diu ao pai de ou­tra mu­lher per­mis­são pa­ra se ca­sar com ela. O pai acei­tou sem in­for­mar a fi­lha.

"A po­li­ga­mia trans­for­mou-se em lei no Ne­guev", la­men­tou In­saf Abu Sha­reb, be­duí­na, ad­vo­ga­da e di­rec­to­ra da Itaj, or­ga­ni­za­ção pa­ra a justiça so­ci­al em Be­ershe­va (Ne­guev).

Se­gun­do o es­tu­do "Re­de­fi­nin­do a po­li­ga­mia en­tre os pa­les­ti­ni­a­nos be­duí­nos de Is­ra­el", de Rawa Abu Ra­bia, tam­bém be­duí­na e es­pe­ci­a­lis­ta em gé­ne­ro, es­te fe­nó­me­no le­va à sub­mis­são e à anu­la­ção de uma das par­tes: a mu­lher.

Em­bo­ra a po­li­ga­mia se­ja ile­gal des­de 1977 e pe­na­li­za­da com um má­xi­mo de cin­co anos de pri­são e mul­ta, pou­cas acu­sa­ções che­ga­ram aos tri­bu­nais até à re­ac­ti­va­ção da lei e é pos­sí­vel con­tar os ca­sos ocor­ri­dos (o úl­ti­mo nos anos 90) de po­lí­ga­mos pre­sos.

Abu Ra­bia con­si­de­ra que Is­ra­el não tem le­va­do a sé­rio a lu­ta con­tra a po­li­ga­mia por­que a po­pu­la­ção mais afe­ta­da, a be­duí­na, é pe­que­na (cer­ca de 250 mil pes­so­as, 4 por cen­to da po­pu­la­ção) e pe­la re­jei­ção de en­fren­tar es­se sec­tor ára­be.

Nas pri­mei­ras dé­ca­das de exis­tên­cia de Is­ra­el, os ju­deus que che­ga­vam do nor­te da Áfri­ca e do Ié­men tam­bém pra­ti­ca­vam a po­li­ga­mia, mas a apli­ca­ção es­tri­ta da lei e o olhar so­ci­al hos­til aca­bou ra­pi­da­men­te com ela.

Ho­je es­ti­ma-se que 40 por cen­to das fa­mí­li­as be­duí­nas do Ne­guev se­jam po­lí­ga­mas, e Abu Ra­bia afir­mou que es­se nú­me­ro foi au­men­tan­do de mo­do inin­ter­rup­to, não só en­tre os be­duí­nos, mas tam­bém en­tre os ára­bes do nor­te do país.

"A mi­nha mãe é a pri­mei­ra mu­lher do meu pai e não me lem­bro da mi­nha in­fân­cia com ca­ri­nho. O meu pai não tra­ta­va a mi­nha mãe bem e nós, os fi­lhos da pri­mei­ra, não éra­mos ami­gos dos fi­lhos da se­gun­da", re­cor­dou Mwa­faq Z., um ára­be-is­ra­e­li­ta des­cen­den­te dos pa­les­ti­ni­a­nos que fi­ca­ram den­tro de Is­ra­el após a cri­a­ção em 1948.

Abu Sha­reb des­ta­cou que o fe­nó­me­no fre­quen­te­men­te es­tá acom­pa­nha­do de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, es­tu­pros e po­bre­za. Na sua as­so­ci­a­ção, Itaj, aten­de mui­tas be­duí­nas ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, na sua mai­o­ria ca­sa­da com po­lí­ga­mos.

É o ca­so de Aisha, um dos pou­cos que che­gou a ser dis­cu­ti­do nos úl­ti­mos anos. Es­ta be­duí­na acei­tou o ca­sa­men­to do seu ma­ri­do com uma se­gun­da mu­lher, de­pois que ele a con­ven­ceu de que não dei­xa­ria de cui­dar de­la, mas dois me­ses de­pois, co­me­ça­ram os maus-tra­tos e ela e os seus fi­lhos fo­ram ex­pul­sos de ca­sa.

Abu Sha­reb de­nun­ci­ou que, ca­da vez mais, nas co­mu­ni­da­des be­duí­nas um ho­mem ca­sa-se, tem fi­lhos e em um da­do mo­men­to de­ci­de ter uma se­gun­da es­po­sa, dei­xan­do a pri­mei­ra e os fi­lhos pa­ra trás e sem mei­os de sus­ten­to.

A pri­mei­ra es­po­sa não se po­de di­vor­ci­ar, por ris­co de so­frer os­tra­cis­mo so­ci­al, nem se ca­sar de no­vo, e de­ve per­ma­ne­cer dis­po­ní­vel ca­so o ho­mem de­ci­da vol­tar pa­ra ela.

"No pas­sa­do só os ri­cos po­di­am ter mais de uma mu­lher, mas ho­je em dia é só um as­sun­to de ego e de con­tro­le, pa­ra mos­trar que são ma­chos", ex­pli­cou a ad­vo­ga­da de 35 anos.

Em­bo­ra pra­ti­ca­da so­bre­tu­do nas áre­as iso­la­das do Ne­guev, a po­li­ga­mia tam­bém es­tá pre­sen­te na vi­da quo­ti­di­a­na is­ra­e­li­ta. O par­la­men­tar be­duí­no Ta­leb Abu Arar, por exem­plo, é bí­ga­mo.

Os es­pe­ci­a­lis­tas in­di­cam que a si­tu­a­ção é ex­tre­ma pe­lo iso­la­men­to ge­o­grá­fi­co e cul­tu­ral dos be­duí­nos do res­to de Is­ra­el, já que as me­ni­nas fre­quen­te­men­te não vão ao co­lé­gio por ser mis­to.

"A edu­ca­ção e a apli­ca­ção da lei são as úni­cas so­lu­ções pa­ra es­ta si­tu­a­ção, que tor­na as mu­lhe­res in­fe­li­zes num país on­de não de­ve­ria exis­tir es­te fenô­me­no", su­bli­nha a ad­vo­ga­da Abu Sha­reb.

A edu­ca­ção e a apli­ca­ção da lei são as úni­cas so­lu­ções pa­ra es­ta si­tu­a­ção, que tor­na as mu­lhe­res in­fe­li­zes num país on­de não de­ve­ria exis­tir es­te fe­nó­me­no, su­bli­nha a ad­vo­ga­da Abu Sha­reb

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.