Opo­si­ção de­nun­cia “fal­tas” na vo­ta­çao

Po­lí­ti­cos re­jei­ta­ram os pri­mei­ros nú­me­ros anun­ci­a­dos por Cle­men­te On­gue­ne, por­ta-voz da Jun­ta Elei­to­ral

Jornal de Angola - - MUNDO -

na Gui­né Equa­to­ri­al não re­co­nhe­cem os re­sul­ta­dos das elei­ções le­gis­la­ti­vas de do­min­go, de­vi­do às gra­ves ir­re­gu­la­ri­da­des re­gis­ta­das.

Tan­to An­drés Eso­no, um dos dois lí­de­res da co­li­ga­ção Jun­tos Po­de­mos, co­mo Ga­bri­el Nsé Obi­ang Obo­no, do Ci­da­dãos pe­la Ino­va­ção (CI), re­jei­ta­ram os pri­mei­ros nú­me­ros anun­ci­a­dos por Cle­men­te En­gon­ga Ngue­ma On­gue­ne, por­ta-voz da Jun­ta Elei­to­ral Na­ci­o­nal (JEN), que diz que o Go­ver­no ven­ceu com 98,11 por cen­to dos vo­tos, com 26 do to­tal de vo­tos apu­ra­dos.

“Pa­ra nós, não hou­ve elei­ções. Os re­sul­ta­dos não são vá­li­dos. Re­cor­re­re­mos e no re­cur­so va­mos pe­dir a anu­la­ção das elei­ções e sua re­pe­ti­ção”, dis­se o po­lí­ti­co Eso­no.

De mo­do si­mi­lar se ma­ni­fes­tou Nsé Obi­ang Obo­no, que opi­nou que se fos­se fei­ta uma vo­ta­ção em con­di­ções de igual­da­de, sem in­ti­mi­da­ção ar­ma­da, o PDGE não ga­nha­ria da opo­si­ção.

“Se houvs­se uma ve­ri­fi­ca­ção re­al e dei­xar­mos de fa­zer co­mo a Co­reia do Nor­te, o PDGE não po­deia ga­nhar. Ga­nha por­que há mi­li­ta­res nas me­sas elei­to­rais, in­ti­mi­dam os fis­cais, fa­zem vo­ta­ção às 5 da ma­nhã. Pe­di­mos à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal que se en­vol­va”, ex­pli­cou à EFE, em con­ver­sa por te­le­fo­ne.

Os re­sul­ta­dos do apu­ra­men­to ge­ral se­rão di­vul­ga­dos na sex­ta-fei­ra e, no dia 20 des­te mês, se­rá fei­ta a pro­cla­ma­ção dos re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos e can­di­da­tos elei­tos, se­gun­do anun­ci­ou a JEN.

Se for man­ti­da no apu­ra­men­to a pro­por­ção anun­ci­a­da no do­min­go, o PDGE do Pre­si­den­te Te­o­do­ro Obi­ang Ngue­ma Mba­so­go (no po­der des­de 1979) re­va­li­da­ria a vi­tó­ria ar­ra­sa­do­ra das úl­ti­mas elei­ções e que lhe per­mi­tiu fi­car com 99 das 100 ca­dei­ras na Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes do Po­vo e 74 das 75 na Câ­ma­ra Al­ta (Se­na­do).

Além das le­gis­la­ti­vas, tam­bém fo­ram re­a­li­za­das elei­ções mu­ni­ci­pais em to­do o país. O Pre­si­den­te da Gui­né Equa­to­ri­al apre­sen­tou-se co­mo um lí­der de­mo­crá­ti­co, ins­tan­tes após ter vo­ta­do nas elei­ções le­gis­la­ti­vas e au­tár­qui­cas, e pe­diu a pu­ni­ção da vi­o­lên­cia pra­ti­ca­da ale­ga­da­men­te pe­los opo­si­to­res do par­ti­do Ci­da­dãos pa­ra a De­mo­cra­cia (CI).

“O Pre­si­den­te tem de­mons­tra­do ser um de­mo­cra­ta que de­fen­de a de­mo­cra­cia”, dis­se Te­o­do­ro Obi­ang aos jor­na­lis­tas no an­ti­go edi­fí­cio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res on­de vo­tou, fa­lan­do de si pró­prio na ter­cei­ra pes­soa: “É um Pre­si­den­te que es­tá no po­der não pe­la vi­o­lên­cia, mas pe­la von­ta­de po­pu­lar”.

Na cam­pa­nha elei­to­ral ve­ri­fi­ca­ram-se con­fron­tos na lo­ca­li­da­de de Aco­ni­be en­tre a po­lí­cia e apoi­an­tes do CI, uma si­tu­a­ção que Obi­ang quer ver es­cla­re­ci­da com as ins­ti­tui­ções ju­di­ci­ais, co­mo dis­se aos jor­na­lis­tas lo­go após ter vo­ta­do.

“Não é o Pre­si­den­te que tem de de­ci­dir so­bre o que há que fa­zer com as pes­so­as que não pra­ti­cam a nos­sa te­o­ria, mas sim as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do: o de­fen­sor do po­vo e o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, que de­vem pe­na­li­zar as pes­so­as que cri­am ins­ta­bi­li­da­de no país”, dis­se o Che­fe de Es­ta­do, acom­pa­nha­do da pri­mei­ra da­ma, Cons­tan­ça Obi­ang Man­gue.

O ca­sal pre­si­den­ci­al foi re­ce­bi­do pe­lo pre­si­den­te da Jun­ta Elei­to­ral do país e te­ve di­rei­to a um ta­pe­te de bo­as vin­das com dois ca­dei­rões no átrio do edi­fí­cio do mi­nis­té­rio. To­dos os ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais na ilha de Bi­o­ko, on­de se lo­ca­li­za a ca­pi­tal, fo­ram cha­ma­dos pa­ra acom­pa­nhar a vo­ta­ção de Obi­ang e da pri­mei­ra da­ma das su­as qua­tro mu­lhe­res ofi­ci­ais.

O tam­bém lí­der do Par­ti­do De­mo­crá­ti­co da Gui­né Equa­to­ri­al (PDGE, com uma mai­o­ria avas­sa­la­do­ra de 99 elei­tos em 100 lu­ga­res no par­la­men­to) ex­pli­cou que a sua for­ma­ção es­tá “a cul­ti­var a te­o­ria do en­saio de­mo­crá­ti­co, que con­sis­te em de­sen­vol­ver a cul­tu­ra de­mo­crá­ti­ca de paz, har­mo­nia e so­li­da­ri­e­da­de en­tre to­dos os gui­ne­en­ses”.

“Es­pe­ra­mos que to­dos os ci­da­dãos apren­dam es­sa te­o­ria, mas es­ta­mos a dar con­ta que al­guns ci­da­dãos não es­tão a se­guir es­ta te­o­ria e cul­ti­vam a vi­o­lên­cia”, que é igual àque­la que aca­bá­mos no re­gi­me de tris­te me­mó­ria”, dis­se Obi­ang, nu­ma re­fe­rên­cia ao seu an­te­ces­sor di­rec­to e tio Fran­cis­co Ma­cías, der­ru­ba­do em 1979.

“Es­ta­mos a ve­ri­fi­car agres­sões às for­ças ar­ma­das. Não é nos­so de­se­jo que a Gui­né Equa­to­ri­al vol­te a co­nhe­cer os tem­pos du­ros do pas­sa­do, pe­lo que es­pe­ro que as ins­ti­tui­ções de­ci­dam so­bre o que fa­zer com es­sas pes­so­as que têm pro­ta­go­ni­za­do a vi­o­lên­cia”, dis­se.

AMPE RO­GÉ­RIO Gui­ne­en­ses es­co­lhe­ram no do­min­go os seus má­xi­mos re­pre­sen­tan­tes em elei­ções po­lé­mi­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.