FMI te­ce elo­gi­os ao Pla­no In­ter­ca­lar

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) con­gra­tu­lou-se on­tem com as me­di­das do Go­ver­no em con­ti­nu­ar com o pro­ces­so de con­so­li­da­ção fis­cal, de ade­quar o ní­vel de gas­tos às re­cei­tas e de adop­tar um re­gi­me de ta­xa de câm­bio mais fle­xí­vel.

O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) con­gra­tu­lou-se on­tem com as me­di­das do Go­ver­no an­go­la­no em con­ti­nu­ar com o pro­ces­so de con­so­li­da­ção fis­cal, de ade­quar o ní­vel de gas­tos às re­cei­tas e de adop­tar um re­gi­me de ta­xa de câm­bio mais fle­xí­vel, me­di­das im­por­tan­tes pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Se­gun­do o che­fe da Mis­são do FMI em Áfri­ca, Ri­car­do Vel­lo­so, que fa­la­va no fi­nal de um en­con­tro com a Quin­ta Co­mis­são de Eco­no­mia e Fi­nan­ças da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, a de­le­ga­ção to­mou boa no­ta do pla­no in­ter­ca­lar do Go­ver­no, que con­tém uma sé­rie de me­di­das pa­ra es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca.

“O Go­ver­no an­go­la­no tem um pla­no in­ter­ca­lar, com uma sé­rie de me­di­das. Olha­mos pa­ra es­se pla­no e to­ma­mos mui­to boa no­ta do de­se­jo e in­ten­ção do no­vo Go­ver­no de con­ti­nu­ar com o pro­ces­so de con­so­li­da­ção fis­cal, de ter o ní­vel de gas­tos mais ade­qua­do ao ní­vel de re­cei­tas, de adop­tar em al­gum mo­men­to um re­gi­me da ta­xa de câm­bi­os mais fle­xí­vel, que na nos­sa ma­nei­ra de ver é mui­to im­por­tan­te pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia”, afir­mou.

Ri­car­do Vel­lo­so acres­cen­tou ser um bom in­di­ca­dor, as ini­ci­a­ti­vas que vi­sam me­lho­rar a ges­tão do país, pois, a boa go­ver­na­ção ge­ra fru­tos, faz o me­lhor uso dos re­cur­sos que exis­te e ge­ra mais cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. O che­fe da Mis­são do FMI re­co­men­dou ao Go­ver­no a con­ti­nu­ar na di­rec­ção de me­lho­rar e re­for­çar as ins­ti­tui­ções do país, ten­do, en­tre­tan­to, lem­bra­do que An­go­la é um país mem­bro do FMI e, co­mo qual­quer ou­tro país, se fi­zer um pe­di­do de as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra se­rá ana­li­sa­do com mui­to cui­da­do.

O res­pon­sá­vel rei­te­rou que até ao mo­men­to não foi fei­to um pe­di­do de as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra pe­lo Go­ver­no an­go­la­no. “O im­por­tan­te é que o FMI tem uma re­la­ção mui­to es­trei­ta com An­go­la, do pon­to de vis­ta de acon­se­lha­men­to de po­lí­ti­cas”, ad­mi­tiu o che­fe da mis­são, na pre­sen­ça do pre­si­den­te da Quin­ta Co­mis­são de Eco­no­mia e Fi­nan­ças da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Dió­ge­nes de Oli­vei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.